Diabetes tipo 2: O que é, principais sintomas e como prevenir

21 de junho, 2021

A Federação Internacional de Diabetes (IDF, na sigla em inglês) estima que 463 milhões de pessoas entre 20 e 79 anos sofrem com a doença atualmente — 38 milhões a mais do que em 2017. E o diabetes tipo 2, muito associado a um estilo de vida não saudável, é responsável por 90% desses casos.

Assim, se o dado continuar nesse ritmo de crescimento, em 2030, serão 578 milhões de diabéticos no mundo e, em 2045, 700 milhões. Por isso, é muito importante sabermos quais hábitos contribuem para evitar o aparecimento da condição.

O que é o diabetes tipo 2

Contudo, para entender como o diabetes tipo 2 funciona, vale conhecer, primeiro, o pâncreas. O órgão localiza-se atrás do estômago, e possui a função de produzir hormônios importantes para o funcionamento do sistema digestivo — principalmente aqueles responsáveis por equilibrar os níveis de glicose (açúcar) no sangue.

Normalmente, quando a glicemia (taxa de glicose) sobe, células especiais (as células beta) dentro do órgão produzem insulina. Essa substância, por sua vez, manda a glicose em circulação na corrente sanguínea para dentro das células, em forma de gordura. Desse modo, ela diminui a concentração de açúcar presente no sangue e deixa tudo equilibrado.

Contudo, nem sempre funciona assim. No tipo 1, por exemplo, o organismo começa a atacar as células de defesa do pâncreas, dificultando a produção de insulina. Já no diabetes tipo 2, há resistência à substância. Ou seja, o corpo continua fabricando insulina, mas ela não consegue ser tão eficiente.

Leia também: Atividade física intensa pode ser prejudicial para algumas pessoas com diabetes tipo 2

Se não tratada, o diabetes tipo 2 pode gerar sérias complicações. Entre elas, podemos citar lesões e placas nos vasos sanguíneos, além de:

  • Problemas nos olhos e até cegueira;
  • Falência dos rins;
  • Comprometimento dos nervos e consequente perda de sensibilidade;
  • Além disso, amputações devido a feridas.

As causas para o problema não são exatas. Mas a ciência já sabe que alguns fatores contribuem para o seu aparecimento. Principalmente aqueles relacionados a hábitos de vida nada saudáveis:

  • Excesso de peso;
  • Sedentarismo;
  • Alimentação pouco saudável, principalmente rica em carboidratos, açúcar e gordura;
  • Tabagismo;
  • Predisposição genética;
  • Idade acima dos 45 anos;
  • Hipertensão;
  • Acúmulo de gordura na região abdominal.

Principais sintomas do diabetes tipo 2

Apesar de serem característicos, os sintomas costumam aparecer somente quando a doença já está mais avançada. Portanto, checar seus níveis de glicose em jejum (geralmente feitos em exames de sangue) de tempos em tempos é essencial. De qualquer forma, vale ficar de olho em:

  • Sede constante;
  • Boca seca;
  • Vontade de urinar a toda hora;
  • Perda de peso;
  • Formigamento em pernas e pés;
  • Feridas que demoram a cicatrizar;
  • Cansaço frequente.

Piores alimentos para o diabetes tipo 2

Se você é do tipo que adora consumir ultraprocessados, saiba que pesquisas sugerem que eles podem aumentar o risco de diabetes tipo 2. Para chegar a essa conclusão, um estudo examinou os hábitos alimentares de mais de 100.000 pessoas.

A pesquisa durou uma década, de 2009 a 2019, e foi comandada pelo Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Estatística da Universidade de Paris, na França. Os pesquisadores coletaram, então, dados sobre a ingestão alimentar dos participantes, em que perguntaram sobre o consumo de cerca de 3.500 alimentos diferentes.

Então, os especialistas classificaram os itens alimentares de acordo com seu grau de processamento. Com isso, foram descritas quatro categorias: alimentos não processados​​/minimamente processados, ingredientes culinários, alimentos processados ​​e alimentos ultraprocessados (refrigerante, bolacha, salgadinho, fast food, lasanha congelada…).

Assim, ao cruzar os registros com um questionário de hábitos alimentares, atividades físicas e histórico familiar dos voluntários, os profissionais encontraram uma associação consistente entre a quantidade absoluta de consumo de alimentos ultraprocessados e o risco de diabetes tipo 2.

Leia também: Come alimentos ultraprocessados? Cuidado com o diabetes tipo 2

Melhores alimentos para o diabetes tipo 2

Não tem fórmula mágica, e muito menos alimentos milagrosos: a melhor forma de prevenir o diabetes tipo 2 é mantendo uma dieta equilibrada. Por isso, invista em:

1 – Alimentos ricos em fibras: Aveia, trigo integral, soja, chia

A quantidade de fibras presente nesses alimentos ajuda a manter estável o nível de glicose no sangue, evitando a temida hipoglicemia (glicemia muito baixa).

2 – Itens ricos em “gorduras boas”: Salmão, abacate, chia, linhaça

Isso se deve ao fato de serem anti-inflamatórios e, por conterem uma grande quantidade de gorduras monoinsaturadas e poliinsaturadas, beneficiam a saúde cardiovascular, bem como do sangue, ajudando a prevenir e combater diversos problemas, inclusive a diabetes.

3 – Legumes e leguminosas: Feijão, soja, grão-de-bico, lentilha, ervilha

Justamente por serem ricos em vitaminas, antioxidantes, minerais diversos e fibras, esses dois grupos alimentícios nutritivos são grandes aliados. Tanto de quem já sofre com a diabetes, quanto de quem deseja prevenir esse diagnóstico (como é o caso dos pré-diabéticos). A pré-diabetes é a condição em que o açúcar no sangue está elevado, mas não o suficiente para ser classificado como diabetes do tipo 2.

4 – Frutas no geral

Uma recente pesquisa conduzida pela Edith Cowan University (ECU), na Austrália, e publicada no Journal of Clinical and Endocrinology and Metabolism, mostrou que ingerir duas porções de frutas frescas por dia pode reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo 2 em mais de um terço.