Hipoglicemia reativa: O que é, como evitar e riscos para a saúde

14 de abril, 2022

A hipoglicemia reativa, também chamada de hipoglicemia pós-prandial, é um termo médico que descreve episódios recorrentes de hipoglicemia sintomática, que ocorrem de duas a quatro horas após a ingestão de uma refeição rica em carboidratos ou glicose. Dessa forma, ela ocorre como resultado do desequilíbrio entre os níveis de glicose e de insulina no sangue, podendo afetar pessoas que sofrem ou não de diabetes.

Leia mais: Diabetes tipo 3: o que é, sintomas, causas e tratamento

Afinal, quais são as causas?

De acordo com a Dra. Andrea Pereira, médica nutróloga e cofundadora da ONG Obesidade Brasil, geralmente, não existem causas definidas para a hipoglicemia reativa. Quando os sintomas acontecem, explica, o ideal é investigar diagnósticos de doenças pancreáticas, como o câncer. Além disso, ter pré-diabetes, deficiências enzimáticas raras, bem como cirurgias no estômago, como a bariátrica, também podem ter relação com a hipoglicemia.  

Quais são os limites adequados da glicemia? 

Geralmente, o ideal é manter os níveis entre 70 e 90 mg/dL em períodos de jejum. Após a ingestão de alimentos, esses valores podem subir e normalizar em torno de 2 horas.

Qual é a diferença entre hipo e hiperglicemia? 

A hipoglicemia é a baixa do nível de açúcar (glicose) no sangue (<70 mg/dL), já a hiperglicemia é o oposto, ou seja, o aumento do açúcar sanguíneo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, o segundo caso é muito comum em pessoas com diabetes ou durante o uso de alguns remédios, como corticóides ou esteróides, por exemplo.  

Sintomas da hipoglicemia reativa

Os sintomas da hipoglicemia reativa são:

  • Sudorese fria
  • Mal estar
  • Sensação de desmaio
  • Risco de morte iminente
  • Dor abdominal
  • Náuseas e vômitos
  • Desmaio e coma (em casos mais extremos)

Leia mais: Alergia ao açúcar: Como tratar, diagnóstico e sintomas

Como é feito o diagnóstico da hipoglicemia reativa?

A princípio, o diagnóstico da condição é feito a partir da percepção dos sintomas mais comuns. Em seguida, exames serão feitos. No entanto, o diagnóstico é muito mais comum em pessoas que sofrem de diabetes. Hábitos alimentares também devem ser levados em consideração na hora de obter o diagnóstico.

Qual a melhor forma de corrigir? 

Como a hipoglicemia reativa está relacionada ao estresse, consumo de álcool e alto teor glicêmico, a melhor forma de prevenir é a partir da mudança de hábitos. Assim, é importante manter uma alimentação equilibrada, evitando grande consumo de alimentos de alto teor glicêmico ou ficando longas horas sem comer. Além disso, atividade física regular, yoga e meditação, por exemplo, podem reduzir o estresse, um dos gatilhos para a hipoglicemia.  

É possível prevenir a hipoglicemia reativa? 

De acordo com a especialista, é possível sim prevenir a hipoglicemia reativa. Assim, confira algumas orientações:

  1. Coma pequenas refeições ao longo do dia;
  2. Limite a ingestão de alimentos e bebidas açucarados, como sobremesas, chás doces e sucos de frutas adoçados, por exemplo;
  3. Inclua proteínas magras e gorduras saudáveis na dieta
  4. Coma alimentos ricos em fibras;
  5. Limite ou evite o álcool 
  6. Limie ou evite a cafeína (não ultrapassar 5 xícaras por dia) 
  7. Pratique atividade física regular.

Leia mais: Afinal, o que fazer em uma crise de hipoglicemia

Fonte: Dra. Andrea Pereira: Médica Nutróloga do Departamento de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein. É Cofundadora e coordenadora da ONG Obesidade Brasil e autora do livro “Dieta do Equilíbrio: a melhor dieta anticâncer”.

Sobre o autor

Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo