Como deve ser o cardápio para pré-diabetes?

28 de abril, 2022

O pré-diabetes é uma condição clínica que antecede o diagnóstico do diabetes tipo 2. Ou seja, o paciente ainda não tem a doença propriamente dita, mas há o risco de desenvolvê-la se não tomar providências. É por isso que a alimentação adequada, nesse caso, é essencial. Saiba mais sobre a condição e como deve ser o cardápio de quem convive o pré-diabetes:

O que é?

Apesar de ser assintomático, o problema pode provocar diversas alterações metabólicas no organismo do indivíduo. Ele aumenta consideravelmente a resistência à insulina (hormônio responsável por equilibrar os níveis de glicose na corrente sanguínea), além de gerar um ambiente inflamatório — quadro conhecido como síndrome metabólica.

“Desse modo, o açúcar no sangue apresenta uma elevação acima da considerada normal. O paciente necessita do diagnóstico e do acompanhamento médico”, explica a nutricionista Dayse Paravidino.

O principal exame que define a condição é o da glicemia em jejum. De modo geral — os indicadores podem variar um pouco entre laboratórios –, o pré-diabetes é definido por valores entre 100 e 125 mg/dl de glicemia em jejum. Acima de 126 md/dl, o paciente já pode ser considerado portador de diabetes, a depender de resultados de outros exames e investigações.

Como funciona o cardápio para pré-diabetes?

De acordo com a nutricionista, a alimentação da pessoa com pré-diabetes deve ser muito parecida com a de quem possui diabetes. “Daí a necessidade da atenção à quantidade de carboidrato consumida.”

Isso porque os carboidratos, principalmente aqueles refinados (pães, massas, bolos, biscoitos) são digeridos rapidamente pelo organismo e transformados em glicose, que vai para a corrente sanguínea. Nesse caso, contar com a ajuda de um especialista é essencial — uma vez que as porções podem variar de acordo com o grau da condição, a idade, o sexo, o uso de medicamentos…

No mais, o cardápio precisa ser o mais natural possível. “Ao lado da atividade física e do controle da gordura corporal, o hábito de evitar excessos e consumir mais itens naturais poderá melhorar a questão e prevenir o diabetes”, diz Dayse Paravidino.

Ela recomenda priorizar frutas, legumes, verduras, carnes, ovos e laticínios; bem como evitar industrializados, ultraprocessados, açúcar de mesa, biscoitos, guloseimas, margarina, gordura hidrogenada e bebidas alcoólicas.

Cardápio para pré-diabetes

Cada paciente tem peculiaridades e preferências alimentares. Portanto, um plano alimentar deve ser individualizado e indicado por um profissional. Contudo, a nutróloga Andréa Medeiros indica uma sugestão saudável e equilibrada:

Fontes: Dayse Paravidino, nutricionista, membro da Associação Brasileira de Nutrição (ASBRAN) e da Associação Brasileira de Nutrição Materno Infantil (ASBRANMI); e Andréa Medeiros, clínica médica e nutróloga do Hospital Anchieta de Brasília.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.