Introdução alimentar: como fazer e quais alimentos são indicados

Alimentação Bem-estar Gravidez e maternidade Saúde
05 de Julho, 2022
Introdução alimentar: como fazer e quais alimentos são indicados

A introdução alimentar se dá quando os alimentos sólidos começam a fazer parte da alimentação do bebê a partir dos seis meses. Segundo o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria, o leite materno (ou a fórmula infantil, caso a amamentação não tenha sido possível) fornece a nutrição do pequeno antes desse período. Recomenda-se, inclusive, que ele continue sendo ofertado como complemento até os dois anos de vida da criança.

A seguir, veja quais cuidados são necessários para que a introdução alimentar aconteça da forma mais completa e respeitosa para o bebê.

Leia mais: Afinal, a redinha de alimentação é recomendada e segura para bebês?

Como fazer a introdução alimentar?

Além da necessidade de mais nutrientes a partir do sexto mês de vida, o corpo do pequeno também já está mais preparado nesta fase para a mudança da sua alimentação. Por exemplo, ele já consegue sentar, sustentar a cabeça e o troco, além de ter mais reflexo para engolir (evitando o engasgo) bem como seu estômago mostra-se mais maduro.

O Ministério da Saúde ainda alerta que oferecer alimentos sólidos antes dos seis meses pode ser prejudicial para o pequeno. Segundo o “Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de Dois Anos”, a prática aumenta o risco da criança adoecer bem como tende a interferir na absorção de nutrientes importantes presentes no leite materno, como ferro e zinco.

Assim, com a chegada do sexto mês de vida do pequeno, deve-se priorizar alimentos in natura ou tidos como minimamente processados durante a introdução alimentar, como é o caso de vegetais e frutas. Dessa forma, aqueles que são classificados como processados e ultraprocessados não são indicados para a introdução alimentar do bebê.

Já na hora de ofertá-los, recomenda-se que a introdução alimentar comece com a comida amassada com o garfo. Depois, os alimentos devem ser picados em pequenos pedaços, raspados ou desfiados para que, então, se inicie o processo de mastigação. Portanto, eles não devem ser batidos no liquidificador, mixer e nem mesmo peneirados.  

Por fim, saiba que não se deve incentivar a criança a comer usando celular, computadores, tablets ou até mesmo assistindo à televisão. Caso contrário, a prática pode fazer com que ela não preste atenção no que está comendo. Mais tarde, isso pode levar a problemas como perda do controle do mecanismo de fome e saciedade, além de ganho excessivo de peso.

Leia mais: Como limpar a língua e a boca do bebê?

Os alimentos que devem ser incluídos na introdução alimentar

Frutas

As frutas são excelentes para a saúde do bebê. Elas são ricas em vitaminas, minerais bem como fibras e antioxidantes. Além disso, elas possuem grande quantidade de água, o que ajuda na hidratação do bebê. Assim, boas opções da categoria para a introdução alimentar do pequeno são:

Em suma, elas devem ser oferecidas amassadas, raspadas ou em pedaços pequenos conforme o desenvolvimento do bebê. Além disso, elas também podem ser cozidas ou assadas. No entanto, não se deve usar nenhum tipo de açúcar nestas preparações.

Alerta-se também sobre o consumo de frutas pequenas ou com caroços porque podem causar engasgo nas crianças. No caso da uva, por exemplo, deve-se retirar o caroço do alimento e dividi-lo em dois a quatro pedaços menores.

Ainda segundo orientações do Ministério da Saúde, o bebê não pode consumir suco de frutas até seu primeiro ano de vida. Já entre um e três anos, ele não deve beber mais de 120 mL por dia caso a bebida seja natural e sem adição de açúcar.

Leia mais: Dieta saudável na infância reduz risco de doenças na vida adulta

Legumes e verduras

Assim como as frutas, os legumes e as verduras também são excelentes formas de apresentar os alimentos sólidos para o bebê. Eles são fontes de nutrientes importantes como vitaminas, minerais e fibras, que ajudam no funcionamento intestinal infantil. Algumas opções de legumes ideais para o consumo de bebês são:

Inicialmente, o bebê tende a ter mais dificuldade de consumir vegetais crus. No entanto, não há nenhuma contraindicação em ofertá-los após a higienização correta.

Leia mais: Brócolis: Motivos para comer o vegetal todos os dias

Raízes e tubérculos

Esta categoria de alimentos é fonte principalmente de carboidratos. Em menores proporções, eles também têm fibras, vitaminas e minerais. Em suma, as opções a seguir podem ser cozidas ou preparadas em forma de purês, massas caseiras e farofas:

Leia mais: Batata ou arroz: qual carboidrato é melhor?

Leguminosas

Ricas em proteínas, fibras, ferro, zinco e vitaminas do complexo B, as leguminosas podem ser oferecidas para o bebê desde os seis meses. Assim, as principais opções da categoria são:

A única orientação é que, para evitar gases, o feijão deve ficar de molho de oito a 12 horas antes de ser preparado.

Leia também: Programas de culinária estimulam alimentação saudável em crianças

Cereais

Por fim, os grãos bem como cereais também podem fazer parte da introdução alimentar infantil. Isso porque eles são fontes de carboidratos, fibras, minerais e vitaminas, principalmente os que são integrais.

De acordo com o Ministério da Saúde, o milho de pipoca não deve fazer parte dos alimentos oferecidos para os pequenos antes dos dois anos. Nesse período, a criança pode vir a engasgar e sufocar com o grão.

Posteriormente, existe a possibilidade de introduzir as carnes, o leite e seus derivados na dieta infantil.

Leia mais: Afinal, por que evitar papinhas industrializadas para criança?

Afinal, qual é quantidade ideal de alimento por faixa etária?

Ao mesmo tempo que os cuidadores precisam conhecer os alimentos recomendados durante a introdução alimentar, é importante que eles também saibam as orientações em relação a quantidade de comida que deve ser ofertada ao pequeno em cada faixa etária. Abaixo, veja as diretrizes de acordo com o guia alimentar do Ministério da Saúde:

  • Seis meses: de duas a três colheres de sopa de comida no total; 
  • Entre sete e oito meses: de três a quatro colheres de sopa da comida no total; 
  • De nove a 11 meses: de quatro a cinco colheres de sopa de comida no total; 
  • Entre um e dois anos: de cinco a seis colheres de sopa de comida no total.

Leia mais: Introdução alimentar: Dicas de como facilitar o processo

Introdução alimentar: o que não deve fazer parte do processo

Ao contrário dos alimentos que devem fazer parte da introdução alimentar, há também aqueles que o consumo é pouco aconselhável. Em geral, é preferível evitar os alimentos industrializados em todo caso, mas principalmente quando trata-se da alimentação de bebês.

Sendo assim, qualquer alimento que possa conter açúcar e sal em excesso, conservantes, corantes ou adoçantes artificais não é recomendável. Portanto, os pequenos não devem comer e/ou beber: refrigerantes, fast food, comida congelada, café e bebidas com cafeína, salsicha e carnes similares, salgadinhos e doces.

“Papinhas” artificiais também não são recomendáveis. De acordo com o Ministério da Saúde, elas não são indicadas porque possuem uma textura que não incentiva a mastigação bem como todos os ingredientes estão misturados no mesmo pote. Logo, a criança não consegue perceber os diferentes sabores que estão sendo apresentados a ela.

Referências:

Biblioteca Virtual em Saúde – Ministério da Saúde

Sociedade Brasileira de Pediatria

Sociedade de Pediatria no Distrito Federal

Sobre o autor

Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo

Leia também:

5 plantas que afastam
Saúde

5 plantas que afastam o mosquito da dengue

Uma estratégia simples contra a dengue envolve o cultivo de plantas aromáticas em casa. Veja 5 opções

Quem não pode tomar vacina da dengue
Saúde

Quem não pode receber a vacina da dengue?

Faltam testes sobre a segurança e eficácia da vacina em determinados públicos; veja quais são

lata de leite condensado cozida aberta com abridor
Bem-estar Casa

Doce de leite na air fryer dá certo? Pode explodir?

Uma receita de doce de leite na air fryer viralizou recentemente no TikTok. Mas será que realmente dá certo? Confira