Dieta para pré-diabetes: o que comer, o que evitar e cardápio

20 de setembro, 2021

Pré-diabetes é uma condição que, se não tratada, pode evoluir para o diabetes tipo 2. Contudo, apesar de séria, ela pode ser revertida com a adoção de hábitos mais saudáveis, como a prática de exercícios físicos e a alimentação equilibrada. Saiba mais sobre a questão e qual deve ser a dieta ideal para o pré-diabetes:

O que é pré-diabetes?

Como o próprio nome já explica, trata-se de uma condição clínica que antecede o diagnóstico do diabetes tipo 2. Ou seja, o paciente ainda não tem a doença propriamente dita, mas corre sério risco de desenvolvê-la se não tomar providências.

De acordo com a clínica médica e nutróloga Andréa Medeiros, ela geralmente é assintomática. No entanto, já é capaz de promover alterações metabólicas importantes no organismo, aumentar consideravelmente a resistência à insulina e gerar um ambiente inflamatório — quadro conhecido como síndrome metabólica.

Leia também: Diabetes: O que é, tipos, sintomas e tratamento

A American Diabetes Association (ADA) considera o quadro de pré-diabetes para quem tem a glicemia (nível de açúcar no sangue) em jejum entre 100 e 125 mg/dl. Entretanto, em pessoas normais, esse número fica entre 70 e 99 mg/dl. Além disso, outros exames são capazes de detectar a situação, como o teste de tolerância oral à glicose e a hemoglobina glicada.

A médica destaca alguns fatores de risco para o problema:

“Caso não seja devidamente tratado, o pré-diabetes pode evoluir para diabetes mellitus tipo 2. Desse modo, aumenta as chances de doenças cardiovasculares, problemas cerebrais e morte”, alerta. Mas a boa notícia é que tudo isso pode ser revertido com mudanças simples no estilo de vida. “O tratamento consiste em combater os fatores de risco: perda de peso, prática regular de exercícios físicos e, em alguns casos, terapia medicamentosa”, ela explica.

Dieta para pré-diabetes: O que comer

A dieta para pré-diabetes precisa ser equilibrada e saudável. Isto é, com quantidades adequadas e rica em nutrientes. A nutricionista Beatriz Fausto recomenda frutas (consumi-las com casca e bagaço diminui o índice glicêmico das mesmas), leguminosas e legumes em geral.

Além disso, vale apostar nos grãos integrais, nas oleaginosas e nos alimentos integrais. “Inclua no cardápio fontes ricas em proteínas (carnes brancas como peixe e frango devem ser priorizadas) e gorduras boas (azeite extra virgem e óleo de abacate, por exemplo)”, recomenda a nutróloga. Já no que diz respeito ao leite e seus derivados, por outro lado, opte pelas versões desnatadas.

Opções de frutas: morango, abacate, kiwi, ameixa, pera, maçã, melão, abacaxi, mamão, tangerina.

Leia também: Dieta rica em fibras pode prevenir doenças do coração e diabetes

Dieta para pré-diabetes: O que evitar

“Evite açúcar, carboidratos refinados, comidas gordurosas, bebidas açucaradas (refrigerantes e sucos de caixinha) e alimentos ultraprocessados (fast-foods). Ademais, é importante atentar-se à carga glicêmica da refeição, evitando a combinação de ingredientes com alto índice glicêmico”, diz Beatriz Fausto.

Isso porque até algumas frutas precisam ser consumidas com moderação para não provocarem picos de glicose no sangue: jaca, uva passa, figo, caqui e ameixa seca, por exemplo.

Leia também: Diabetes: Como os exercícios físicos podem prevenir a doença

Dieta para pré-diabetes: Sugestão de cardápio

A nutricionista explica que cada paciente tem peculiaridades e preferências alimentares. Portanto, um plano alimentar deve ser individualizado e indicado por um profissional. Contudo, a nutróloga indica uma sugestão saudável e equilibrada:

Fontes: Andréa Medeiros, clínica médica e nutróloga do Hospital Anchieta de Brasília, e Beatriz Fausto, nutricionista da Clínica Corporeum, de Brasília.

Sobre o autor

Amanda Panteri
Amanda Panteri
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em alimentação saudável.