Infecção urinária: o que é, causas, sintomas e como tratar

Saúde
03 de Outubro, 2023
Infecção urinária: o que é, causas, sintomas e como tratar

Parece simples e inofensiva, mas merece atenção. Isso porque a infecção urinária é uma doença que gera cerca de 150 milhões de casos ao ano, e pode desencadear sintomas nada agradáveis, que vão desde ardência ao fazer xixi até uma dor bem intensa. Por isso, saiba tudo sobre a condição:

Afinal, o que é infecção urinária?

Chamada de infecção ou trato urinário (ITU) pelos especialistas, nada mais é do que a invasão e a multiplicação de micro-organismos em uma ou mais estruturas do trato urinário (desde a uretra até os rins) — sejam bactérias, fungos ou parasitas.

Na maioria dos casos, esses agentes são oriundos do intestino ou da própria genitália do paciente. Dependendo do local onde acontece, a condição é dividida em alguns tipos:

Tipos de infecção urinária

Cistite

Quando a infecção ou a inflamação ocorrem na bexiga. É a mais comum: em geral, 90% dos casos de ITU são de cistite. Desse modo, os sintomas geralmente são necessidade de urinar com urgência, quantidade pequena de urina, ardência ao fazer xixi, dores na região da bexiga e sangue na urina em quadros mais complicados.

Uretrite

Infecção ou inflamação na uretra — ducto que transporta a urina (e o sêmen, no caso dos homens) da bexiga para o meio externo. Pode ser causada por um trauma ou um micro-organismo, e é dividida em duas: uretrite gonocócica e não-gonocócica.

Nesse caso, os principais sintomas são corrimento esverdeado, em grande quantidade e com mau cheiro, dificuldade e ardor ao urinar, coceira e dor na região.

Pielonefrite

Acontece quando o problema chega aos rins — ou seja, as bactérias migram do trato urinário para os órgãos — e também é dividida em dois tipos: aguda (surge de repente) e crônica (compromete a função dos rins aos poucos). O caso deve ser diagnosticado o quanto antes, uma vez que a falta de tratamento adequado pode levar à falência renal.

Por isso, é essencial atentar-se aos seguintes sintomas:

  • Dores pélvica, abdominal e lombar;
  • Ardência ao urinar;
  • Vontade constante de urinar;
  • Além disso, urina com mau cheiro;
  • Mal-estar e febre;
  • Calafrios e suor excessivo;
  • Náuseas e vômitos;
  • Por fim, urina turva.

Prostatite

Afeta a próstata, e pode ser bacteriana, ou não. Seus sintomas variam de acordo com o tipo, mas podem envolver dor e mudanças na textura do local e irritação ou obstrução urinária.

Leia também: Síndrome do intestino curto: o que é e como tratar

Principais causas da infecção urinária

As bactérias que mais causam a infecção urinária são, em ordem decrescente:

  • Escherichia coli (E. coli);
  • Staphylococcus saprophyticus;
  • Espécies de Proteus e de Klebsiella;
  • Enterococcus faecalis.

Contudo, outros micro-organismos, além das bactérias, podem gerar o problema. Os mais comuns incluem alguns fungos (geralmente espécies de Candida), vírus e parasitas (embora os dois últimos sejam menos frequentes). Esses patógenos não bacterianos normalmente afetam pacientes imunodeprimidos, pessoas com diabetes, obstrução ou anormalidades estruturais do trato urinário, ou então quem passou recentemente por cirurgia na região.

Fatores de risco para infecção urinária

  • Sexo biológico: as mulheres são mais acometidas pela ITU por conta da uretra mais curta e da maior proximidade do ânus com a vagina;
  • Obstrução do trato urinário: propicia a proliferação bacteriana;
  • Uso de cateter para urinar;
  • Gravidez: geralmente assintomática, pode estar relacionada a um maior risco de prematuridade se não tratada adequadamente;
  • Diabetes mellitus: certas alterações nos mecanismos de defesa do indivíduo com diabetes o deixam mais mais suscetível às complicações decorrentes de ITU;
  • Relação sexual: há uma maior incidência de ITU em pessoas sexualmente ativas;
  • Uso de diafragma e espermicida: os dois métodos contraceptivos, quando usados em conjunto, aumentam o risco da doença;
  • Menopausa: já que a falta de estrógeno na menopausa expõe a mulher a um maior risco de bacteriúria e ITU sintomática;
  • Transplante renal: os agentes infecciosos podem ser adquiridos a partir do rim do doador, da ferida cirúrgica, do uso de cateteres urinários e do ambiente hospitalar.

Sintomas da infecção urinária

Os sintomas da infecção urinária variam de acordo com o tipo. Mas, no geral, as manifestações mais comuns são:

  • Necessidade urgente de urinar com frequência;
  • Pouco líquido em cada micção;
  • Ardor ao urinar;
  • Dores (na bexiga, nas costas e no baixo ventre);
  • Febre;
  • Por fim, sangue na urina em casos mais graves.

Diagnóstico da infecção de urina

No consultório, o médico fará algumas perguntas para o paciente a respeito de sua história clínica e dos sintomas. Além disso, ele solicitará alguns exames:

Principais exames

  • Urina tipo I: procura traços de sangue e calcula a quantidade de leucócitos, isto é, glóbulos brancos — quando em excesso, indicam um quadro infeccioso;
  • Urocultura com antibiograma: uma amostra da urina do paciente é cultivada para identificar o agente infeccioso;
  • Hemocultura (mais em casos de pielonefrite);
  • Exames de imagem por exemplo, ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética (mais em casos de pielonefrite).

Quais profissionais procurar?

O principal especialista para o tratamento da infecção urinária é o urologista. Mas outros profissionais também podem ajudar no manejo da doença, como ginecologista, nefrologista (em casos de pielonefrite) e clínico geral.

Leia também: Lesão do Ligamento Cruzado Anterior do Joelho (LCA): o que é

Tratamento para infecção urinária

O tratamento mais comum consiste no uso de antibióticos, que são escolhidos de acordo com a bactéria causadora da condição. Ademais, casos raros também pedem o uso de outros medicamentos (para aliviar as dores e febre, se houver), internações e até cirurgias. E, sempre, a ingestão caprichada de líquidos.

Infecção urinária é transmissível?

Se você está com medo de “contrair” infecção urinária ao utilizar banheiros públicos ou por via sexual, pode ficar tranquilo: a doença não é considerada uma infecção sexualmente transmissível (IST), uma vez que a contaminação geralmente se dá por bactérias que já habitam o nosso organismo, e não por micro-organismos que passam de uma pessoa para outra.

Chá de cranberry cura infecção urinária?

Muita gente aposta em receitas naturais para combater a condição — a mais conhecida é o suco ou o chá de cranberry. Mas a verdade é que, apesar de a frutinha estar relacionada à prevenção da infecção, não foram encontrados estudos que apontem que ela é capaz de curá-la. Por isso, é muito importante ir ao médico e seguir o tratamento indicado por ele.

Infecção urinária na gravidez

Na gravidez, ocorrem alterações no organismo da mulher que favorecem o desenvolvimento bacteriano no trato urinário. Assim, a compressão da bexiga pelo útero, que está crescendo, e a ação relaxante da progesterona nos ureteres estimulam que bactérias da pele ou do trato gastrointestinal se proliferem no trato urinário, levando à infecção urinária na gravidez.

Se for tratada corretamente, não há nenhum risco para o bebê. Contudo, se os sintomas forem desprezados e a gestante não procurar auxílio médico, é possível que a infecção urinária se espalhe pelo organismo e favoreça um parto prematuro ou até um aborto.

Infecção urinária de repetição

Dois ou mais episódios de infecção em um intervalo de seis meses, ou então três ou mais infecções em um intervalo de um ano, caracterizam a infecção urinária de repetição. É mais comum nas mulheres, e nelas, não costuma estar associada a problemas anatômicos no trato urinário. Nos homens, é mais raro, e geralmente tem ligação com questões estruturais na região.

Nelas, os fatores de risco mais comuns são:

  • Alterações estruturais do trato urinário;
  • Uso de espermicidas;
  • Ducha vaginal;
  • Higiene inadequada depois da evacuação;
  • Excesso de higiene íntima;
  • Além disso, diabetes;
  • Relações sexuais.

Leia também: Novo remédio para insônia está em aprovação pela Anvisa

Hábitos para prevenir a infecção urinária

Por fim, assim como outras doenças relacionadas à urina, é preciso se hidratar corretamente, bebendo a quantidade de água indicada para seu peso e tamanho. Além disso, confira outras orientações:

  • Urinar com frequência e evitar segurar a urina;
  • Manter cuidados de higiene pessoal, deixando as regiões da vagina e ânus sempre limpas;
  • Limpar sempre de frente para trás após a defecação;
  • Evitar duchas vaginais;
  • Evitar roupas íntimas justas;
  • Urinar após relação sexual;
  • Por fim, trocar os absorventes higiênicos com frequência.

Vacina contra infecção urinária

A vacina contra infecção urinária é um método desenvolvido para tentar diminuir a recorrência da penetração de bactérias dentro da bexiga. Atualmente, existe uma única forma dessa vacina disponível no mercado por um laboratório de medicamentos suíço.

Apesar do imunizante ter o mesmo intuito das vacinas convencionais que são usadas para tratar infecções virais e bacterianas, ela não é injetada por uma agulha ou por gotas, mas sim, em formato de comprimidos, que podem ser encontrados em drogarias e farmácias.

Afinal, como funciona a vacina?

A ideia da vacina contra infecção urinária é que ela atue como um tratamento de longo prazo. Dessa forma, cada cápsula de comprimido possui uma formulação com 16 tipos de bactérias atenuadas, que irão desenvolver anticorpos contra micro-organismos infecciosos já existentes no organismo humano.

A partir disso, o próprio corpo tende a aumentar a resistência para que outras bactérias não consigam adentrar na bexiga e, por consequência, acabem resultando em uma infecção de urina.

Geralmente, quem toma a vacina contra infecção urinária são pessoas que já possuem um grau de infecção recorrente, ou seja, que tiveram mais de um episódio da doença nos últimos anos, para aprimorar o sistema de defesa.

A indicação é tanto para mulheres quanto para os homens, a partir dos quatro anos de idade. Mas a maioria dos pacientes que recorrem à essa vacina pertencem ao público feminino que passou por um quadro infeccioso causado pela bactéria Escherichia coli

A imunidade dura um ano ou mais, mas é preciso seguir um acompanhamento médico para entender o quadro de sintomas. O profissional de saúde pode solicitar um exame de urina para saber a condição do paciente conforme os meses se passam.

Melhores chás e sucos para infecção urinária

Chá preto com cranberry

Ingredientes:

  • 500ml de suco de cranberry;
  • 50g de cranberry (fresca ou desidratada);
  • Adoçante a gosto;
  • 140ml de água gelada;
  • 1 litro de chá preto gelado.

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes e sirva em seguida.

Bebida gelada de cranberry com abacaxi

Ingredientes:

  • 1 xíc (chá) de suco de cranberry;
  • 1/2 xíc (chá) de suco de abacaxi;
  • 80ml de mix de limão, água e adoçante a gosto;
  • Gelo;
  • Água com gás.

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes e sirva em seguida.

Suco de cranberry

Ingredientes:

  • 200 g de polpa de cranberry;
  • 2 xícaras (chá) de água;
  • ½ xícara (chá) de açúcar (opcional).

Modo de preparo:

Primeiramente, bata no liquidificador todos os ingredientes e está pronto para consumir. Porém, atente-se apenas na quantidade diária a se ingerir, que deve estar entre 200 ml a 480 ml por dia.

Referências:

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas