Arco-íris nutritivo: O que as cores dos alimentos representam para a saúde

13 de setembro, 2021

Você provavelmente já ouviu falar que um bom prato precisa ser bem colorido. Pois saiba que o hábito tem uma explicação. “De um modo geral, uma refeição mais colorida amplia as possibilidades nutricionais, visto que as cores dão uma ideia dos tipos de nutrientes que possivelmente contêm determinados alimentos”, explica a nutricionista Dayse Paravidino.

Leia também: Sapota preta: Saiba tudo sobre a “fruta pudim de chocolate”

Portanto, ao conhecer melhor essas e outras características dos itens que a gente coloca no prato, fica mais fácil manter uma alimentação equilibrada. Conheça, então, as cores dos alimentos:

O que as cores dos alimentos significam?

Ingredientes vermelhos

Tomate, pimentão, uva, melancia, morango, amora… Eles carregam o licopeno, substância muito importante para a saúde do coração, para a memória e para a prevenção de câncer (sobretudo o de próstata em homens).

Itens amarelos/alaranjados

“Possuem betacarotenos importantes para pele, visão e sistema imunológico”, diz a especialista. Ademais, a vitamina C, encontrada em alimentos como cenoura, mamão, abóbora e laranja, blinda o sistema imunológico contra gripes, resfriados e outras infecções.

Cores dos alimentos: Verde

Alface, rúcula e brócolis, por exemplo, concentram clorofila, que ajuda no crescimento e na coagulação sanguínea. Sem contar a presença dos minerais cálcio, fósforo e ferro.

Leia também: Calorias das comidas e bebidas de praia

Alimentos roxos

“Ricos em antocianinas, que reforçam o sistema circulatório e previnem doenças cardiovasculares”, diz Dayse Paravidino. Beterraba, repolho roxo e berinjela são ótimas opções.

Cores dos alimentos: Branco

Mas nada de farinha ou açúcar! Ingredientes como a cebola, o alho e a couve-flor contêm flavina, um poderoso anti-inflamatório que auxilia no combate a gripes e resfriados.

Itens marrons

Noz, lentilha, soja e feijão são fontes de fibras vasodilatadoras, reguladoras intestinais, ansiolíticas e redutoras da fome.

Fonte: Dayse Paravidino, nutricionista, membro da Associação Brasileira de Nutrição (ASBRAN) e da Associação Brasileira de Nutrição Materno Infantil (ASBRANMI).