Segundo trimestre de gravidez: sintomas, exames e cuidados

Já falamos aqui sobre as mudanças que ocorrem nas mulheres logo após receberem o resultado positivo de gravidez. Assim que entram no primeiro trimestre, é indispensável redobrar o cuidado com a saúde e abandonar velhos hábitos. Agora, falaremos sobre o segundo trimestre da gravidez.

Quais mudanças ocorrem no segundo trimestre de gravidez?

Assim que a futura mamãe entra no segundo trimestre de gravidez, as mudanças corporais se tornam ainda mais visíveis. Por volta da 20ª semana, por exemplo, já é possível sentir o bebê mexer. Além disso, o crescimento do útero se intensifica e a barriguinha começa a aparecer.

Os mamilos, por sua vez, escurecem e a pigmentação da pele também aumenta em outras áreas do corpo. Como resultado, em algumas mulheres consta-se e a linha nigra, uma linha vertical no meio da barriga. Os melasmas – manchas escuras que surgem principalmente no rosto – também podem aparecer, por isso, use protetor solar sempre.

Lá dentro do útero, o bebê também passa por mudanças. Ele começa a realizar movimentos de engolir e sucção – inclusive chupa o dedo! Se antes a cabeça do bebê tinha metade do comprimento total dele, agora o corpo começa a crescer. No segundo semestre de gravidez, o bebê desenvolve todas as estruturas estruturais essenciais do corpo. Os rins começam a formar a urina, o fígado secreta a bile e os ouvidos já estão desenvolvidos para escutar sons.

Leia mais: Queda de cabelo na gravidez: Por que ocorre? Saiba o que fazer

Sintomas mais comuns

Os desconfortos do primeiro trimestre tendem a desaparecer, pois os níveis de hormônios começam a estabilizar. Geralmente, o segundo trimestre de gravidez é a fase em que a gestante se sente mais disposta. 

Podem surgir desconfortos físicos, por isso, um fisioterapeuta especializado pode ser necessário para ajudar a aliviar os incômodos nesta etapa da gestação, além de auxiliar no fortalecimento e preparação da musculatura pélvica para suportar o peso da barriga e também para o parto.

Além disso, apesar de ser o período em que a futura mamãe costuma curtir a gravidez, pois não os enjoos do primeiro trimestre, nem o peso da barriga do terceiro trimestre, algumas gestantes podem sentir dores nas costas, cãibras, constipação intestinal, azia e dores na região pélvica.

Os principais cuidados no segundo trimestre de gravidez

No segundo trimestre é importante que a gestante procure se manter saudável e ativa, praticando atividades físicas (se o obstetra liberar, é claro!). O ideal é evitar esportes com risco de queda, preferindo aqueles que a gestante já estava acostumada a praticar antes da gravidez. Algumas atividades que são indicadas, como caminhadas, musculação (com a supervisão profissional), pilates, yoga, natação e hidroginástica.

Também é essencial seguir uma alimentação equilibrada – aqui vale o ditado: desembrulhe menos e descasque mais. Opte por alimentos naturais e evite os industrializados. É importante controlar o ganho de peso e, se necessário, consultar uma nutricionista para garantir o consumo de todos os nutrientes indispensáveis para o bom desenvolvimento do bebê. É importante também beber bastante água, além de hidratar a pele para evitar o aparecimento de estrias.

Leia mais: Afinal, quanto é normal engordar na gravidez?

Exames essenciais

Por fim, tão importante quanto os exames é o acompanhamento do pré-natal, que é essencial para garantir a saúde da mãe e do bebê. Dessa forma, no segundo semestre, o obstetra repete alguns exames laboratoriais realizados no início da gestação, como hemograma, algumas sorologias e urina.

Por volta da 24ª semana, a futura mamãe realiza um teste de tolerância oral à glicose, também chamado de curva glicêmica. O exame é solicitado para identificar diabetes gestacional. É importante realizar, também, um ultrassom transvaginal, pois ele mede o comprimento do colo do útero e indica os riscos de parto prematuro. Além disso, a gestante deve realizar uma ultrassonografia morfológica de segundo trimestre para avaliar a formação dos órgãos e o desenvolvimento do bebê.

Fonte: Dr. Gabriel Monteiro, ginecologista e obstetra e professor do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro (UNISA)

Sobre o autor

Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde