Primeiro trimestre de gravidez: sintomas, exames e cuidados

Gravidez e maternidade Saúde
17 de Outubro, 2022
Primeiro trimestre de gravidez: sintomas, exames e cuidados

Para muitas mulheres, o resultado positivo de gravidez é um dos momentos mais esperados. Ao mesmo tempo que a notícia pode trazer alegria para as futuras mamães, é hora de redobrar o cuidado com a saúde e abandonar velhos hábitos, especialmente no primeiro trimestre de gravidez.

Primeiras mudanças: físicas e hormonais

Assim que a gestante entra no primeiro trimestre de gravidez, o corpo começa a mudar. Apesar das mudanças físicas – e a tão sonhada barriguinha – não serem aparentes, a gestante começa a sentir os primeiros sintomas que indicam essa nova fase. Os mais comuns são:

  • Atraso na menstruação;
  • Náuseas e vômitos;
  • Sonolência;
  • Seios sensíveis e doloridos;
  • Cólicas devido ao crescimento uterino;
  • Aumento da vontade de fazer xixi;
  • Constipação intestinal.

Leia mais: Síndrome de Couvade: Eliezer relata sintomas de gravidez como Viih Tube

Desenvolvimento do bebê no primeiro trimestre da gravidez

Ao mesmo tempo, a formação do bebê está acontecendo a todo vapor. O primeiro trimestre da gravidez é conhecido pela rápida multiplicação das células. Isso faz com que estruturas como coração, pulmões, fígado, intestino, rins, ossos e cartilagens já estejam formadas até o fim desse período.

Além disso, por volta das nove semanas de gestação, o bebê já está mexendo. No entanto, essa movimentação tende a ser sentida a partir do segundo trimestre da gravidez. Já por volta das 11 semanas, o coração do pequeno está batendo forte e é possível ouvi-lo por meio da ultrassonografia.

Dessa forma, o feto tem por volta de sete centímetros até o fim do primeiro trimestre. Além disso, a placenta bem e o cordão umbilical já estão completamente formados para garantir o desenvolvimento adequado do pequeno, inclusive das estruturas que surgem nesse início de gravidez.

Leia mais: Ômega-3 na gravidez: Saiba porque é importante

Primeiro trimestre de gravidez: por que ele é tão importante?

Cerca de 80% dos abortos espontâneos ocorrem nesse período e normalmente são causados por anormalidades cromossômicas, independentemente da condição de saúde dos pais. No entanto, alguns fatores como idade materna, doenças prévias, consumo de álcool e cigarro podem aumentar as chances de aborto. Por isso, o primeiro trimestre de gravidez é considerado o mais importante e requer atenção.

Leia mais: Transtornos psicológicos na gravidez: entenda os principais

Os principais cuidados que se deve ter nesse período

Para garantir o bom desenvolvimento do bebê, é importante que a futura mamãe inicie o pré-natal para fazer os exames necessários e verificar a necessidade de vitaminas pré-natais. Ninguém melhor que o obstetra para indicar o que a mãe pode ou não fazer durante a gravidez.

Conforme já foi falado, o álcool e cigarro são prejudiciais ao bebê, então devem ser evitados. É importante também aderir a uma alimentação saudável e equilibrada, evitando alimentos crus como ovo e carnes, além de queijos não-pasteurizados. Se a gestante já pratica atividade física, pode continuar os exercícios normalmente – desde que o obstetra libere e a gestação não seja de risco. No entanto, o primeiro trimestre não é o momento ideal de abandonar o sedentarismo e iniciar uma atividade física.

Exames essenciais

Na primeira consulta, o obstetra faz um check up geral da saúde da mamãe para avaliar se está tudo bem com ela. Solicita exames laboratoriais como hemograma, tipagem sanguínea, sorologias, glicemia, urina, fezes, papanicolau, entre outros. Entre os exames de imagem, a ultrassonografia obstétrica transvaginal confirma a existência, a localização e o número de embriões. No entanto, o exame mais aguardado é a ultrassonografia morfológica de primeiro trimestre, que avalia a anatomia do bebê e pode identificar possíveis malformações e risco de o bebê ter alguma condição genética como a síndrome de Down.

Leia mais: Afinal, quanto é normal engordar na gravidez?

Dicas para evitar os desconfortos mais comuns

Como dito anteriormente, nas primeiras semanas de gravidez, devido aos aumentos hormonais, as futuras mamães podem sentir alguns sintomas. A seguir, veja como amenizá-los!

  • Enjoo matinal: não fique de estômago vazio por muito tempo, procurando fazer pequenas refeições a cada duas ou três horas. Uma boa dica é deixar bolachas de água e sal na mesinha de cabeceira e comer antes mesmo de se levantar;
  • Seios sensíveis e doloridos: procure por sutiãs que acompanhem o crescimento das mamas e, mais do que isso, que proporcionem boa sustentação aos seios;
  • Aumento da vontade de fazer xixi: é importante evitar bebidas diuréticas como café, alguns chás e refrigerantes – inclusive para se ter uma gestação mais saudável. Além disso, orienta-se que a grávida priorize uma hidratação mais efetiva ao longo do dia e, então, consiga diminuir a quantidade de líquido ingerido a noite. Por fim, ao fazer xixi, incline-se sutilmente para frente, assim a bexiga tende a esvaziar por completo.

Além disso, descanse o máximo que puder, e uma vida saudável com alimentação equilibrada e exercícios físicos podem aumentar sua energia, além de colaborar para o bom funcionamento do intestino, que pode ficar mais lento.

Fonte: Dr. Gabriel Monteiro, ginecologista e obstetra e professor do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro (UNISA)

Programa Vitat para você, gravidinha!

Clique aqui e saiba mais!

Sobre o autor

Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde

Leia também:

benefícios da banana
Alimentação Bem-estar Saúde

Quais são os benefícios da banana para a saúde? Veja lista!

A banana é amiga do intestino, além de ser eficiente na prevenção de cãibras. Veja outros benefícios da fruta!

horário para treinar
Bem-estar Movimento Saúde

Estudo revela melhor horário para pessoas com obesidade treinaram

O estudo da Universidade de Sidney identificou benefícios do treino noturno para a saúde do coração

Uso de Ozempic e anestesia
Saúde

Uso de Ozempic e anestesia: pacientes precisam de cuidados especiais

Medicamentos aumentam o risco de aspiração pulmonar durante o procedimento. Entenda!