Sangramento uterino anormal (SUA): o que é e como reconhecê-lo

Saúde
24 de Outubro, 2022
Sangramento uterino anormal (SUA): o que é e como reconhecê-lo

Menstruar é algo completamente normal, mas muitas mulheres sofrem com um fluxo de sangue mais intenso. Como resultado, cancelam compromissos e deixam de seguir suas rotinas por causa do incômodo. Apesar desse cenário ser corriqueiro, ele não é considerado normal e pode ser um sinal de sangramento uterino anormal (SUA).

Mas como descobrir que meu fluxo está fora do normal? E quais são as opções de tratamento? A seguir, saiba mais sobre a condição e quando buscar ajuda profissional.

Veja também: Dieta ideal na amamentação: o que consumir ou não nesse período

O que é o sangramento uterino anormal (SUA)?

Como o próprio nome sugere, o SUA é todo sangramento anormal vindo do útero de uma mulher que não está grávida. Essa situação pode mexer com o volume do fluxo, bem como com sua duração e sua frequência.

Ou seja, a mulher com SUA pode perceber um fluxo mais abundante do que as menstruações normais, ou um ciclo irregular, com dias de sangramento que duram muito tempo.

De acordo com o Manual MSD, a condição é mais comum no início e no final da idade fértil: 20% dos casos ocorrem em meninas adolescentes, enquanto cerca de 50% acometem mulheres com mais de 45 anos.

Por que ele acontece? Principais causas

A grande maioria dos casos acontecem por conta de disfunções ovulatórias — isto é, quando os ovários não liberam os óvulos de forma regular durante a ovulação. Desse modo, as chances de gravidez são diminuídas.

Essas disfunções são causadas por desequilíbrios nos hormônios sexuais femininos. Geralmente, a concentração de estrogênio fica muito elevada depois que o óvulo liberado não é fecundado (em situações normais, ela tende a cair). Assim, a progesterona também não aumenta, o que acontece quando o estrogênio diminui.

A teoria, então, é que essa desregulação hormonal estimula o endométrio a continuar engrossando em vez de descamar e ser eliminado normalmente na menstruação (fenômeno chamado de hiperplasia do endométrio). Aí, de tempos em tempos, ele descamaria de forma incompleta, causando a saída irregular e intensa de sangue.

É muito importante buscar o correto tratamento do SUA, uma vez que o próprio Manual MSD afirma que ele pode gerar células pré-cancerosas e aumentar o risco de câncer de endométrio, mesmo em mulheres jovens. Além disso, muitas vezes é sinal de perimenopausa (período que antecede a menopausa).

Sintomas do sangramento uterino anormal

A mulher pode desconfiar do SUA se os ciclos menstruais durarem mais de 28 dias ou se ela ficar mais de oito dias menstruada. Agora, pode ser também que esses sintomas não estejam presentes, mas a mulher considere que o seu fluxo atrapalha a vida, e isso pode se enquadrar na condição. Outros possíveis sintomas são:

  • Menstruações mais frequentes (intervalos menores do que 21 dias entre uma menstruação e outra);
  • Perda de uma grande quantidade de sangue (mais de 90ml de sangue);
  • Perda de sangue em momentos fora da menstruação;
  • Algumas mulheres têm sintomas associados à menstruação, como sensibilidade mamária, cólicas e inchaço, mas muitas não apresentam esses sinais.

Diagnóstico

É por isso que o diagnóstico leva muito em conta as queixas da paciente. Caso você suspeite do quadro, converse com o seu ginecologista. O médico deverá avaliar sua história clínica, os sintomas e correlacionar esses dados a outros que impactam no diagnóstico, como idade e há quanto tempo esses incômodos acontecem.

Além disso, o profissional poderá pedir exames laboratoriais, ginecológicos e de imagem para descartar outras condições, como:

  • Teste de gravidez;
  • Exames para verificar a velocidade de coagulação do sangue — e investigar a presença de algum distúrbio de coagulação;
  • Exames para medir a concentração de certos hormônios e identificar síndrome do ovário policístico, distúrbios da tireoide ou da hipófise.

Se o resultado desses exames for negativo, geralmente é feito o diagnóstico de SUA.

Outros exames

Após a identificação do SUA, o ginecologista também pode solicitar mais dois exames:

  • Ultrassonografia transvaginal: para verificar se há massas no útero ou se o revestimento uterino está espesso;
  • Biópsia endometrial: com o intuito de examinar a presença de alterações pré-cancerosas ou de câncer.

Tratamento para sangramento uterino anormal

Os cuidados variam de acordo com algumas características, como causa e intensidade do sangramento, idade da mulher, presença de outras complicações e no desejo de engravidar. O principal objetivo do tratamento é conter o sangramento anormal e, se necessário, prevenir o câncer de endométrio.

Para isso, ginecologista e paciente decidem, juntos, o melhor caminho em prol de mais qualidade de vida. Mas, o SUA não é normal e qualquer desconforto com o fluxo menstrual deve ser avaliado. Confira quando cada intervenção é indicada:

Medicamentos não hormonais

Geralmente são usados primeiro, sobretudo por mulheres que desejam engravidar, para evitar efeitos colaterais adversos e por quem já tem o fluxo menstrual muito intenso. Os fármacos mais comuns são os anti-inflamatórios e o ácido tranexâmico.

Terapia hormonal

Já a terapia hormonal (por exemplo, as pílulas anticoncepcionais) é mais utilizada em mulheres que não desejam engravidar, estão entrando na menopausa ou acabaram de passar por ela. Os contraceptivos orais também diminuem incômodos nos seios e cólicas. O médico possivelmente começará com a administração de doses altas de hormônios. Assim que o sangramento é controlado, o especialista diminui as doses, mas mantém a prescrição do medicamento por no mínimo três meses.

Exames e procedimentos cirúrgicos

Se mesmo com todas as estratégias anteriores, o endométrio permanecer espessado ou o sangramento persistir, costuma ser realizada uma histeroscopia (para examinar o útero), seguida de uma dilatação e uma curetagem (retirada do revestimento uterino por meio de uma raspagem).

Em casos mais raros e extremos, o médico pode recomendar a retirada do útero.

Perguntas frequentes sobre sangramento uterino anormal

O sangramento uterino anormal pode ser perigoso?

O SUA pode causar indisposição e dificuldade para realizar certas atividades — exercícios físicos, por exemplo.

Em casos mais graves, repercussões hemodinâmicas (relacionadas à circulação sanguínea) e alterações endometriais, como câncer, podem ocorrer. Se a mulher apresenta outras condições de saúde, o SUA, associado a elas, também pode causar mais riscos ao organismo, como infertilidade.

Por que tem mulheres que menstruam mais?

As causas do SUA são diversas. Pode ser que o quadro se agrave pela presença de pólipos ou miomas, ou então por alterações hormonais. Às vezes o uso de algum medicamento também pode contribuir. Somente o ginecologista, por meio de avaliação e exames, poderá identificar a causa.

SUA pode causar anemia?

Uma das principais consequências do sangramento uterino anormal é a anemia. É por isso que em muitos casos o ginecologista pede exames de sangue para avaliar se há alguma alteração. O problema ocorre quando o organismo não consegue repor o sangue perdido pelo sangramento uterino anormal e a quantidade de ferro acaba diminuindo. Isso leva a uma queda nos glóbulos vermelhos e a uma série de complicações.

Fonte

  • Cristina Benetti Pinto é ginecologista (CRM-SP 46595) e preside a Comissão Nacional Especializada em Ginecologia Endócrina da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Transplante de rim
Saúde

Transplante de rim: órgão doado faz falta? Quem pode doar? Entenda

Indicado para pessoas com doença renal crônica, transplante do novo órgão permite que o corpo volte a filtrar e eliminar líquidos e toxinas

Endometriose e saúde mental
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Endometriose e saúde mental: como cuidar de si mesma?

Desconfortos podem causar uma série de desafios emocionais, por isso é importante cuidar da saúde mental

Que horas o mosquito da dengue mais pica
Saúde

Que horas o mosquito da dengue mais pica?

Veja quais são os principais horários e como se prevenir da doença