Crianças no inverno: 6 dicas valiosas para fortalecer a saúde do seu filho

Gravidez e maternidade Saúde
24 de Maio, 2022
Crianças no inverno: 6 dicas valiosas para fortalecer a saúde do seu filho

As baixas temperaturas pedem atenção redobrada dos pais para que, com escolhas inteligentes, possa-se blindar a saúde das crianças no inverno. Isso porque o período tende a fragilizá-los em decorrência de uma soma de fatores.

Segundo a otorrinolaringologista Juliana Caixeta, o primeiro motivo está relacionado as partículas de poeira, contendo vírus e bactérias, que ficam mais suspensas devido a baixa umidade do ar. Além disso, há maior circulação de agentes causadores de doenças respiratórias (como a gripe), os quais sobrevivem com mais facilidade em temperaturas menores.

“Do mesmo modo, o tempo mais frio deixa as vias respiratórias de quem já tem alguma pré-disposição mais sensíveis”, completa a otorrino. Neste caso, ela cita pacientes que possuem rinite alérgica e asma.

Leia mais: Frio intenso: como proteger a saúde?

A influência da pandemia na saúde das crianças no inverno

Também é importante ter em mente que a pandemia causada pela Covid-19 tende a contribuir para mais evidências de doenças respiratórias infantis. Isso porque grande parte deste público passou os últimos dois anos em isolamento social, inclusive sem frequentar a escola de maneira regular.

“Dessa forma, elas não adquiriram imunidade para boa parte das infecções de vias aéreas. Logo, neste momento, elas estão tendo muito contato umas com as outras e tais aglomerações favorecem a transmissão de doenças virais e bacterianas”, esclarece Juliana.

Assim, a alternativa mais importante é redobrar a atenção diante de atitudes capazes de fortalecerem a imunidade dos pequenos para que eles possam atravessar este período do ano de maneira saudável. Veja quais são:

1. Mantenha a casa limpa

A especialista indica que, sempre que possível, é recomendado manter os cômodos higienizados. Desse modo, elimina-se as partículas de poeira para que não venham a ficar suspensas no ar. Inclusive, Ana indica que é melhor aspirar do que varrer os ambientes para não espalhar o pó.

É importante também evitar acumular objetos que podem conter agentes alérgenos, como almofadas, tapetes e cortinas. Portanto, é hora de rever a decoração do cantinho do seu filho!

Leia mais: Poeira em casa: qual é a frequência ideal de limpeza dos móveis?

2. Use o umidificador, mas com moderação!

Já para combater a baixa umidade do ar vista neste período, principalmente em regiões como Sul e Centro-Oeste, pais podem usufruir dos umidificadores de ar. No entanto, a utilização deve ser feita com moderação.

“Recomendamos que eles não sejam ligados durante toda a noite. O grande problema nestes casos é que a grande umidade favorece o crescimento de fungos, o que pode agravar os quadros respiratórios das crianças que já tem algum tipo de susceptibilidade”, orienta Juliana.

Leia mais: Qual a diferença entre sensação térmica e temperatura do ar?

3. Não esqueça da água para fortalecer as crianças no inverno

E se nós, adultos, costumamos enfrentar mais dificuldade para não esquecer de tomar água durante o inverno, o cenário não é diferente entre os menores. Logo, tente criar uma rotina de, ao mesmo momento que você buscar um copo d’água para si, oferecer a bebida para a criança. Assim, ninguém ficará desidratado!

Leia mais: Beber água é importante para o tratamento de doenças; veja por quê

4. Garanta que a carteirinha de vacinação esteja em dia!

Segundo a otorrino, diversas doenças respiratórias do inverno podem ser prevenidas com a imunização. “Por exemplo, a vacina contra a gripe está disponível na rede pública para algumas faixas etárias específicas. No entanto, podem ser utilizadas, por todas as crianças, na rede privada”, exemplifica a especialista.

Sobretudo, Ana enfatiza que a imunização contra influenza é anual porque ela demanda atualizações conforme novas cepas vão surgindo. É o que aconteceu com a deste ano, por exemplo, a qual tornou-se capaz de proteger o público contra a H3N2, responsável pelo último surto da doença no fim de 2021.

Também é importante checar se o pequeno está com a vacina pneumocócica em dia. De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), o público infantil deve ser imunizado com ela rotineiramente a partir dos dois meses. As doses previnem doenças graves como pneumonia, meningite e otite causadas por pneumococos.

Além de, claro, atualizar a caderneta de vacinação contra Covid-19 conforme a criança for elegível para receber os imunizantes. Até o momento, a Pfizer/BioNTech é liberada para os menores a partir de cinco anos e a CoronaVac/Butantan para aqueles que têm mais de seis anos.

Leia mais: Hepatite aguda infantil e Covid-19: afinal, existe relação entre a doença e a vacina?

5. Evite enviar a criança à escola com sintomas respiratórios

Diante da pandemia causada pela Covid-19, entendemos que é fundamental romper com a transmissão dos vírus respiratórios para que a incidência de casos diminua. Assim, a infectologista pediátrica recomenda que os menores fiquem em casa quando apresentarem sintomas respiratórios e febre.

“Tanto para evitar que ela transmita o vírus para outras crianças bem como pela sua própria saúde. É necessário que ela repouse e se alimente bem para a sua imunidade se recuperar”, detalha Ana.

Leia mais: Mochilas escolares: peso pode afetar coluna das crianças

6. Repense o uso de máscara por crianças no inverno

O fim da obrigatoriedade do uso de máscara trouxe a sensação de alívio para a população. Todavia, Juliana explica que o utensílio de proteção facial pode trazer benefícios para as crianças que já se acostumaram com ele. Durante o inverno, nas salas de aula, ele é uma barreira física importante contra vírus que passam de uma criança para outra por vias respiratórias. Portanto, a dica é: repense o seu uso, conforme a circunstância mostrar-se necessária!

Fontes: Juliana Caixeta, otorrinolaringologista membro da diretoria da Academia Brasileira de Otorrino Pediátrica (ABOPe) e Ana Loch, infectologista pediátrica.

Leia mais: Flexibilização do uso de máscaras e ansiedade: como lidar?

Leia também:

foto de uma caderneta de vacinação com uma seringa
Saúde

Caderneta de vacinação em dia ajuda a evitar surtos de doenças

Especialistas alertam que a vacinação é um pacto de saúde coletivo

Chá de folha de mamão e dengue
Saúde

Chá de folha de mamão e dengue: é falso que bebida combate a doença

Não existem evidências científicas de que a bebida possui propriedades medicinais no tratamento da doença

vitamina B e dengue
Saúde

Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Sem comprovação científica, a técnica popular pode levar a população a uma falsa sensação de segurança