Mitos e verdades sobre amamentação: canjica aumenta produção de leite?

Gravidez e maternidade Saúde
07 de Agosto, 2023
Mitos e verdades sobre amamentação: canjica aumenta produção de leite?

Apesar do incentivo ao aleitamento materno começar na maternidade, nos primeiros minutos de vida do bebê, sabe-se que ainda é preciso solucionar diferentes mitos e verdades sobre amamentação para que ela seja potencializada.

Percebe-se, por exemplo, que dúvidas ainda rondam essa jornada materna de acordo com os dados do Estudo Nacional de Alimentação Infantil, de 2019. Segundo o levantamento, a prevalência da amamentação exclusiva em menores de seis meses é de apenas 45,8% no Brasil.

Assim, embora a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) seja de que o público infantil seja nutrido por meio do aleitamento materno até os dois anos, só 43,6% das crianças brasileiras estão sendo amamentadas até o fim do seu primeiro ano de vida.

Com dados abaixo do que seria o cenário ideal, sabemos que informações corretas sobre o assunto são fundamentais para mudá-lo. Não por acaso, o tema escolhido para a campanha nacional voltada ao agosto dourado, neste ano, é: “Fortalecer a amamentação: educando e apoiando”.

Pensando nisso, reunimos os principais mitos e verdades que rondam o aleitamento materno e trouxemos especialistas para solucioná-los. Confira!

Leia mais: Amamentação e câncer de mama: entenda a relação

1. Deve-se usar bucha vegetal para preparar os seios para amamentação

Mito! De acordo com a pediatra Patrícia Terrível, membro do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), não é preciso calejar o bico dos seios para prepará-lo para a amamentação. Isso porque, durante a gestação, o corpo começa a se moldar naturalmente para que a mãe consiga dar de mamar para o filho após o parto.

A pediatra Luciane Valdez, do Hospital Otorrinos Curitiba, explica que, devido a fragilidade da pele das mamas durante a gravidez, a bucha vegetal pode vir até mesmo a ocasionar fissuras mamárias. “O que acaba tornando a amamentação dolorosa e mais difícil”, completa a especialista.

Leia mais: Dúvidas sobre amamentação: especialistas respondem as principais

2. Mitos e verdades sobre amamentação: Algumas mães produzem “leite fraco” para o bebê

Mito! Não existe leite fraco. O leite materno é o alimento mais completo que o bebê pode receber: “Toda mãe é capaz de produzir o leite com os nutrientes necessários para suprir todas as necessidades nutricionais do bebê. O que acontece em alguns casos é que a produção de leite pode estar baixa, mas isso não está relacionado com a qualidade do leite e pode ser facilmente resolvido”, comenta Dra Kelly Oliveira, pediatra especialista em amamentação

3. Tomar sol nos seios ajuda na amamentação

Verdade! Em suma, a prática auxilia na prevenção de rachaduras nas mamas bem como de candidíase mamilar. No entanto, é preciso cuidado para escolher os melhores horários para se fazer isso. “O ideal é que seja um banho de sol de dez a 15 minutos, todos os dias: antes das 10h da manhã ou após às 15h”, orienta Luciane.

Segundo a pediatra do Hospital Otorrinos Curitiba, a figura materna pode começar com períodos mais curtos de exposição solar e ir aumentando conforme o avanço da gestação. No entanto, deve-se estar atenta para a prática ser suspensa caso a pele apresente alguma alteração fora do esperado.

Leia mais: Amamentação cruzada: veja por que a prática é prejudicial ao bebê

4. Mitos e verdades sobre amamentação: usar folha de repolho nos seios ajuda no ingurgitamento mamário

Verdade! Em entrevista anterior à Vitat, Cinthia Calsinski, enfermeira obstetra e consultora de amamentação, explica que a folha de repolho auxilia no ingurgitamento mamário porque ela possui componentes anti-inflamatórios e antioxidantes importantes, como indóis, bioflavonoides e genisteína.

“Assim, ao entrarem em contato com os seios, eles atuam na dor decorrente da pressão aumentada dentro dos alvéolos e nas sensações desagradáveis da mama excessivamente cheia”, detalha a especialista.

Além disso, caso ela seja usada gelada, acaba atuando como uma compressa fria. Dessa forma, o item faz uma vasoconstrição no local, ou seja, reduz o diâmetro dos vasos sanguíneos e, consequentemente, diminui o fluxo de sangue na região bem como melhora a drenagem linfática na região e reduz o inchaço dos seios.

Leia mais: Mastite: o que é, sintomas, tratamento e como evitar

5. Tomar cerveja preta aumenta a produção de leite materno  

Mito! Além de não ser verdade, a ingestão de bebidas alcoólicas durante o aleitamento materno não é recomendada por especialistas. Isso porque o álcool presente nos drinques tende a chegar até o bebê por meio da amamentação e causar danos ao desenvolvimento infantil.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria e Academia Americana de Pediatria, a quantidade de álcool que vai até o pequeno está diretamente relacionada com a dose que a mãe consome da bebida alcoólica. Portanto, quanto menos ela é ingerida, menos tempo demora para ser eliminada pelo organismo.

Assim, caso a mãe decida consumir uma taça de vinho ou um copo de cerveja, por exemplo, é importante que o bebê não esteja em aleitamento materno exclusivo – o que acontece durante os seus seis primeiros meses de vida. Além disso, a figura materna deve esperar ao mesmo duas horas para dar de mamar depois de beber.

Leia mais: Álcool no frio não é boa estratégia para aquecer o corpo: dos rins à pele, saiba 7 danos do consumo

6. Mitos e verdades sobre amamentação: Amamentar emagrece?

Verdade! Neste período também há um grande gasto energético e micronutrientes, fazendo com que a mãe possa perder de 1 a 2kg por mês, portanto a quantidade de carboidrato, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais consumidos devem ser proporcionais a esse gasto.

“O mais importante é estar atento à quantidade de refeições diárias. O recomendado é comer de forma fracionada, ou seja, de 4 a 5 refeições ao longo do dia. Essas refeições podem ser: café da manhã, almoço, jantar e duas pausas para o lanche entre as refeições principais”, afirma a Dra. Kelly.

A alimentação materna inadequada com ausência ou deficiência no consumo de alimentos fontes de nutrientes pode resultar em deficiências nutricionais no leite materno. Comer com regularidade, devagar, em ambientes apropriados e beber água sempre que sentir sede são práticas alimentares recomendadas às mulheres em fase de amamentação. 

7. Comer canjica aumenta a produção de leite materno

Mito! Como acontece com outros alimentos, como a aveia, não há comprovações científicas em relação ao consumo de canjica aumentar a produção de leite. Atualmente, o que se sabe é que a ideia se baseia na crença popular de que, pelo alimento ser calórico, ele daria mais energia para mãe e, como resultado, ela conseguiria dar de mamar com mais frequência.

Leia mais: 6 dúvidas sobre doação de leite materno respondidas por especialistas

Mitos e verdades sobre amamentação: então, o que realmente aumenta a produção de leite materno?

De acordo com Patrícia: “o segredo para aumentar a produção de leite é colocar a criança para mamar”. Isso porque quanto mais o bebê estimula as mamas, mais elas produzem alimento. Tanto que a recomendação é que a mãe faça livre demanda, ou seja, coloque o pequeno para mamar sempre que ele sentir fome, sem se restringir a horários.

Combinado a isso, é indicado que a mãe cuide da própria saúde para incentivar o aleitamento materno. Logo, recomenda-se uma alimentação balanceada entre carboidratos, proteínas, lipídios, vitaminas e minerais, além de muita água. Segundo Luciane, deve-se ingerir de três a quatro litros do líquido por dia.

Fontes:

  • Dra. Patrícia Terrível, pediatra e membro do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP);
  • Dra. Luciane Valdez, pediatra do Hospital Otorrinos Curitiba.
  • Dra Kelly Oliveira, pediatra especialista em amamentação.

Referências:

Organização das Nações Unidas – Brasil

Biblioteca Virtual em Saúde – Ministério da Saúde

Leia também:

Por quanto tempo devo tomar vitamina C
Alimentação Bem-estar Saúde

Por quanto tempo devo tomar vitamina C?

Aliada a imunidade e a beleza, a vitamina C está ligada a uma série de benefícios para a saúde. Veja recomendações sobre o consumo prolongado

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte