Engravidar após a menopausa é possível? Especialista esclarece

Gravidez e maternidade Saúde
22 de Fevereiro, 2022
Engravidar após a menopausa é possível? Especialista esclarece

A menopausa é um processo natural do corpo feminino em que ocorre uma queda dos hormônios responsáveis pela menstruação e gravidez (estrogênio e progesterona). Mas será que é possível engravidar após a menopausa?

De acordo com o Ministério da Saúde, mulheres com mais de 35 anos são consideradas gestantes de alto risco. Porém, com a tecnologia de congelamento de óvulos essa chance de engravidar no futuro, até os 50 anos, se torna possível. Confira a explicação da especialista.

Congelamento de óvulos possibilita engravidar após a menopausa

Para a medicina, existe uma idade ideal para congelar óvulos: até os 35 anos. Essa idade pode variar de acordo com componentes genéticos e ambientais. Assim, o congelamento pode ser a partir da menstruação, ou seja, em fases pré-puberais, ou pode se o congelar tecido ovariano, afirma a Dra. Hitomi Nakagawa, ginecologista.

Outro extremo, de acordo com a médica, é se a mulher decide congelar os óvulos com 39 anos, pois as probabilidades de se ter um bebê vai depender da sua reserva ovariana e de sua saúde. “É possível ser mãe após os 35 anos, tanto de forma natural, quanto por meio de tratamento, a depender do contexto de saúde reprodutiva dessa mulher, como a reserva de óvulos adequada”, completa a especialista.

Como funciona o congelamento de óvulos

As mulheres nascem com uma reserva de óvulos limitada. Dessa forma, possuelm, geralmente, de 200 a 500 ovulações durante a vida reprodutiva. Se os óvulos não forem utilizados, eles vão degenerando, por lotes, a cada ciclo menstrual. Por isso, quando se chega ao final da vida reprodutiva, com o comprometimento da quantidade e qualidade dos gametas femininos, ocorre a menopausa. Essa perda é progressiva, inexorável e irreversível. Daí a importância de entender os riscos de se postergar indefinidamente a gestação, sem se preocupar com o avanço da idade.

A ginecologista analisa que, atualmente, as pessoas aceitam melhor as técnicas de reprodução assistida. Antigamente, o assunto provocava temor e apreensão nas pacientes, que chegavam a chorar nos consultórios com medo de ser essa a indicação de tratamento para engravidar após a menopausa. “Em relação ao perfil das mulheres, observamos que ainda é marcado por uma população com idade entre 36 e 38 anos – média de idade alta em termos reprodutivos”, explica.

Isso reflete no resultado dos procedimentos, uma vez que a qualidade dos óvulos nessa faixa etária já pode estar mais comprometida em algumas mulheres.

Os riscos de engravidar após a menopausa

O tratamento de congelamento de óculos não é impossível, mas tem maior risco de abortamento e a chance de engravidar por transferência demora mais. Porém, quando a paciente tem indicação e faz a biópsia embrionária, ou seja, transferir um embrião sabidamente sem alterações dos cromossomos, pode propiciar resultados equivalentes aos de populações mais jovens.

“Por esses motivos é que, se a mulher deseja ter um filho no futuro, deve se preocupar com a sua reserva ovariana. Nesse sentido, é comum vermos muitas pessoas procurando viver uma vida saudável que inclui: desde ir à academia, comer bem, ter sono adequado, etc. Vale lembrar que a saúde geral é importante mesmo que não adie a perda de folículos ovarianos”, completa a especialista.

Leia mais: Sim, é possível engravidar na pré-menopausa. Entenda

Fonte: Dra. Hitomi Nakagawa, ginecologista da Associação Brasileira de Reprodução Assistida.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

dores nos glúteos e problemas na coluna
Saúde

Dores nos glúteos sinalizam problemas na coluna, diz especialista

Pesquisa aponta problemas na coluna como uma das principais causas de afastamento do trabalho

benefícios da banana
Alimentação Bem-estar Saúde

10 benefícios da banana que provavelmente você não conhece (mais receitas)

A banana é amiga do intestino, além de ser eficiente na prevenção de cãibras. Veja outros benefícios da fruta!

perda muscular
Bem-estar Movimento Saúde

Perda muscular compromete a recuperação do paciente  

A sarcopenia, a perda de massa muscular e da força, aumenta o risco de complicações em diversos quadros