9 mudanças no corpo e na mente durante a gravidez

27 de maio, 2021

A maternidade transforma diferentes aspectos da vida de uma mulher — desde a gestação até o primeiro contato com o bebê. É por isso que é tão importante ter cuidados específicos durante a preparação para a chegada da criança: estar ciente das mudanças que ocorrem na gravidez ajuda a mãe a passar pelo processo de forma mais tranquila e saudável.

Os lados emocional e físico se alteram muito e, se não tratados, podem evoluir para problemas mais sérios, como a depressão pós-parto. “Essa condição é definida como uma profunda tristeza que traz consequências para mãe e para o bebê, pois pode haver comprometimento no vínculo entre eles”, explica a psicóloga Vanessa Gebrim, especialista em psicologia clínica pela PUC de São Paulo.

Confira mais algumas alterações que podem acontecer e como lidar com elas:

Mudanças no corpo na gravidez

1 – Dores

É muito comum sentir dores no corpo durante a gestação. Para isso, alguns tratamentos trazem mais qualidade de vida, saúde e bem-estar.

“A fisioterapia é um dos principais, já que as grávidas têm muitas dores lombares por conta do aumento do abdômen e do crescimento do feto. Além de incômodos nas pernas por conta do peso”, diz o fisioterapeuta dermatofuncional Igor Lustosa.

O especialista recomenda a prática de exercícios físicos como pilates e alongamentos. Ainda de acordo com ele, as meias compressivas aliviam as sensações de pernas inchadas, cansadas e pesadas.

2 – Melasma

Nesse caso, a melhor coisa a fazer é prevenir com o uso constante do protetor, a hidratação da pele e a redução da exposição solar (principalmente nos horários em que o sol fica mais forte).

“Essas são formas de evitar o melasma, ou o cloasma — que é uma condição do melasma durante a gestação. O que acontece é: a grávida desenvolve o cloasma e, se ele persistir no pós-parto, aí se torna um melasma. Geralmente, quando ele regride, aí não tem a formação do melasma”, conta o profissional.

3 – Diástase

A diástase é o afastamento da musculatura do retro abdominal e o estiramento da linha alba — ambos localizados no abdômen. Ela acontece porque o útero cresce para dar mais espaço ao bebê.

“A dica que eu sempre dou é que a mamãe tenha um abdômen bem preparado, ou seja, é importante fazer algum tipo de atividade física para fortalecer a região. Dessa forma, ela estira o mínimo possível e forma uma diástase menor”, explica Igor.

Leia também: Diástase abdominal: Melhores exercícios para tratar

4 – Mudanças na gravidez: retenção de líquidos

“A drenagem linfática reduz a retenção de líquidos e melhora a pressão nas pernas. Então, pode evitar dores, compressões e tensões musculares”, diz o especialista. Já para prevenir o problema, aposte em alongamentos, hidroginástica ou hidroterapia. “Caminhadas e exercícios aeróbicos também funcionam porque melhoram o aporte sanguíneo para os membros inferiores.”

Leia também: Por que temos retenção de líquidos e como evitá-la?

5 – Flacidez

Geralmente acontece no pós-parto e se divide em dois tipos: flacidez tissular, que é a da pele; e a muscular.

Para a primeira, a dica é abusar dos cremes hidratantes e óleos corporais desde o início da gestação. “A hidratação da pele reduz tanto a flacidez quanto as estrias porque a pele será umectada e terá um aparato melhor de estiramento, então ela vai ‘rasgar’ menos”, conclui o fisioterapeuta.

Leia também: Melhores exercícios para acabar com a flacidez

Mudanças de humor na gravidez

6 – Montanha-russa emocional

Como o corpo precisa se preparar para a chegada do bebê, os hormônios femininos mudam completamente o funcionamento de alguns sistemas para que eles estejam aptos a ajudar no desenvolvimento do feto.

Entretanto, essas substâncias afetam diretamente o humor e o emocional da mulher. “Que fica mais sensível e mais protetora, principalmente no primeiro trimestre. Em alguns casos, ela pode estar até um pouco mal-humorada”, explica Vanessa Gebrim.

7 – Insegurança

Questões culturais, como “Será que vou ser uma boa mãe?”; “O que fazer para que meu filho se sinta amado?”; “Estou bonita?”; ou então “Continuo sendo desejada?” surgem na mente dessas mulheres.

“Seria incomum se não surgissem. Afinal, a gravidez significa não só aumentar a família, mas assumir novos papéis. Para resolver a insegurança, é importante contar com um acompanhamento psicológico. Isso porque ter um profissional preparado para sanar suas dúvidas e fazer com que esse período seja mais tranquilo pode fazer toda a diferença”, aconselha a psicóloga.

Leia também: Insegurança: Como superá-la a partir da ação

8 – Mudanças na gravidez: pressão estética

As mudanças no corpo na gravidez podem afetar, em alguns casos, a autoestima delas. “Esse tipo de situação se torna perigosa e acaba gerando insegurança”, diz a psicóloga.

9 – Tristeza ou até depressão pós-parto

A depressão pós-parto é um dos grandes riscos que as novas mamães correm. Além disso, alguns fatores podem aumentar a chance de isso acontecer. Confira quais, segundo a profissional:

  • Falta de apoio da família e amigos;
  • Estresse;
  • Falta de planejamento da gravidez;
  • Depressão já diagnosticada anteriormente;
  • Histórico de transtornos mentais na família.

Por isso, é preciso ficar de olho nos sintomas. Sentimento de culpa, insônia ou excesso de sono, cansaço extremo e até mesmo a vontade de fazer mal ao bebê ou a si própria são alguns deles.

“Superar essa tristeza é essencial para a saúde da mãe e para o seu relacionamento com o filho. Por isso, existem estratégias que podem ajudar, como: fazer terapia, procurar apoio familiar, distrair-se com atividades de lazer, repousar, fortalecer a autoestima e reconhecer e aceitar as mudanças na gravidez.”

Leia também: Depressão tem origem genética? Entenda