Doença de Crohn e o poder da alimentação

5 de agosto, 2021

A doença de Crohn é um processo inflamatório que afeta o trato gastrointestinal. Os principais sintomas são diarreia, presença de sangue nas fezes e dores abdominais. Não existe uma causa principal esclarecida para a manifestação da doença de Crohn. Mas sabe-se que ela é associada a fatores genéticos, questões imunes, alteração da microbiota, fumo e até a problemas emocionais.

De acordo com a psicóloga e coordenadora da clínica de Psicologia da Faculdade Anhanguera, Joice Gomes Cavalcante, doenças inflamatórias intestinais, como a doença de Crohn, têm relação com o estado psicoafetivo, em maior ou menor grau. “Um dos gatilhos para uma crise, por exemplo, pode ser ansiedade ou depressão. Isso porque falta de compreensão da doença, a qualidade de vida afetada, os remédios, as dores e os sangramentos podem ocasionar modificações químicas no cérebro. O que causa ansiedade e, consequentemente, afeta o intestino.”

Atenção à alimentação

Quem sofre com a doença de Crohn deve estar atento à alimentação, que deve ser sempre equilibrada. De acordo com a nutricionista Juliana Le Luec, é fundamental evitar alimentos inflamatórios e muito pesados para diminuir o desconforto e a irritação. Ou seja, o paciente deve fugir de itens como café, chá preto, refrigerantes com cafeína, chocolate e alimentos gordurosos.

Leia também: Gastrite nervosa: O que é, sintomas e tratamentos

Menos fibra e mais refeições em pequenas porções

A especialista também explica que é importante reduzir o consumo de fibras para que elas não provoquem ainda mais dor intestinal e não retardem a cicatrização da área afetada. “Para diminuir o conteúdo de fibra das frutas e dos vegetais, pode-se tirar a casca, cozinhá-los e deixá-los na consistência de purê. Além disso, alimentos devem ser preparados com temperos naturais, podendo ser grelhados, cozidos ou levados ao forno”, afirma.

Juliana também ressalta que quem sofre com a doença de Crohn deve cuidar da hidratação, pois um dos sintomas, que é a diarreia, pode causar desidratação. Além da água mineral ou filtrada, aposte na água de coco. “Pode ser também conversado com o nutricionista a possibilidade de suplementação de ômega 3, glutamina e probióticos por serem boas para a regeneração intestinal.”

Outra recomendação é o paciente fazer diversas refeições pequenas durante o dia, evitando ficar longos períodos em jejum para que o intestino mantenha seu trânsito sempre regular. “O intervalo menor entre uma refeição e outra é melhor para repor os nutrientes perdidos na diarreia e controlar a perda de peso. Ademais, é muito importante mastigar bem os alimentos para ajudar no processo digestivo, evitando os episódios de irritação intestinal. As refeições devem ser feitas em ambientes calmos”, diz a nutricionista.

Alimentação, sono e doença de Crohn

Um ponto importante em relação aos pacientes com a doença de Crohn é evitar comer muito próximo à hora de dormir, pois esse hábito pode causar desconforto ou irritação no estômago e interromper o sono, deixando o paciente cansado ao longo do dia seguinte. “O ideal é comer, pelo menos, uma hora antes de deitar. Também recomendo dormir para o lado esquerdo, evitando que o suco gástrico volte para o esôfago e cause incômodo”, conclui Juliana.

Leia também: Colite ulcerativa: saiba o que é e quando procurar um médico

Fontes: Joice Gomes Cavalcante, psicóloga e coordenadora da clínica de Psicologia da Faculdade Anhanguera; e Juliana Le Luec, nutricionista.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.