Dieta semi-vegetariana: Como seguir e quais são seus benefícios

3 de março, 2021

A dieta semi-vegetariana chama a atenção por sua flexibilidade. Ela é ideal para quem deseja reduzir o consumo de carne, mas sem excluí-la da dieta por completo. Ou seja, promove uma maior inclusão de alimentos de origem vegetal no dia a dia. Sendo assim, é excelente para quem não possui o hábito de consumir, por exemplo, legumes, verduras, grãos e frutas regularmente.

Como seguir a dieta semi-vegetariana

A princípio, a dieta é bastante flexível e, por isso, pode ser diferente para cada pessoa. Porém, ela essencialmente implica na exclusão parcial do consumo de carnes. Assim, quem decide seguir a semi-vegetariana deseja diminuir quase que por completo o consumo de carne, mas não está 100% comprometido com a dieta vegetariana. Por exemplo, se houver vontade de comer carne, não há proibição. É ideal que o consumo aconteça, no máximo, em 3 refeições por semana.

Leia mais: Guia dos melhores substitutos veganos para a carne

Benefícios de seguir a dieta semi-vegetariana

Apesar de não excluir por completo a carne, como na dieta vegetariana, a semi-vegetariana promove alguns dos mesmos benefícios para a saúde. Por exemplo, seguindo uma alimentação majoritariamente baseada no consumo de vegetais, há menor risco de desenvolver doenças cardiovasculares. Além disso, segundo um estudo realizado em Taiwan, também reduz as inflamações do corpo, bem como ajuda no controle da pressão arterial e evita o acúmulo de gordura corporal. Ainda, previne o envelhecimento precoce da pele.

Leia também: Dietas à base de plantas ajudam a diminuir a pressão sanguínea

Alimentos para incluir na dieta semi-vegetariana

Leguminosas

As leguminosas são uma ótima adição à dieta semi-vegetariana, pois são algumas das mais ricas fontes vegetais de proteína. Em especial, a lentilha, o grão-de-bico, a ervilha e os feijões (branco, preto, carioca, azuki e mais). O feijão branco, por exemplo, é fonte de uma proteína chamada faseolamina.

Leia mais: Dietas ricas em proteínas vegetais podem reduzir o risco de morte

Frutas variadas

As frutas são ricas em nutrientes importantes para a saúde, como as vitaminas, as fibras e os antioxidantes. Por isso, é importante inclui-las na dieta. As frutas cítricas, por exemplo, são ótimas fontes de vitamina C. Não só, frutas como a manga são ricas em fibras, as quais ajudam no funcionamento do intestino. Já a banana, é fonte de potássio.

Folhas verdes

As folhas verdes escuras, como a couve e o espinafre, também são excelentes, pois contêm uma diversidade de vitaminas e minerais, como o ferro. O ferro previne a anemia, pois a falta desse mineral na corrente sanguínea é o que causa essa condição.

Leia também: Bons níveis de ferro no sangue podem retardar o envelhecimento

Grãos integrais

Ainda, os grãos integrais, como o arroz, a quinoa e outros, são outra boa ideia de alimento para se incluir na dieta. Eles são fontes de minerais, de vitaminas, como as complexo B, de fibras e de proteína.

Leia mais: Dieta plant-based: Lista de compras essencial para começar

Sobre o autor

Nathália Lopes
Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo