Dançar durante o trabalho de parto facilita o nascimento do bebê?

Ao estar à espera de um bebê e ser uma usuária assídua do TikTok, você provavelmente já se deparou com vídeos surpreendentes de gestantes dançando enquanto aguardavam a chegada do filho. Só que mais do que chamar atenção, este tipo de produção também traz o questionamento: dançar durante o trabalho de parto realmente traz benefícios para o nascimento do pequeno?

Segundo Shirley Silva, enfermeira obstétrica, a resposta é positiva. A especialista explica que o ato de dançar ameniza a ansiedade. Isso porque os movimentos ritmados levam o coração e os músculos a gastarem adrenalina e cortisol. Como resultado, o cérebro libera hormônios como endorfina, serotonina e dopamina. “Estas substâncias levam à sensação de prazer e relaxamento”, completa Shirley.

Carolina Curci, ginecologista e obstetra, especialista em reprodução humana, também lembra que a dança melhora a propriocepção do quadril, ou seja, faz com que ele fique mais “solto”, facilitando a descida e o encaixe do bebê para o seu nascimento. Além disso, ela atua nas articulações da gestante.

Leia mais: Conheça três técnicas de respiração para a hora do parto

Existe uma dança específica para este momento?

Já a escolha pelos movimentos que serão colocados em prática, de acordo com a doula Samara Barth, dialoga diretamente com a autonomia da grávida durante seu trabalho de parto. Portanto, a gestante deve ter liberdade para escolher os passos que trazem conforto e segurança a ela.

“O que recomendo é que, antes do parto, a grávida experimente movimentos diferentes, atenta onde sente o bebê, e com eles sempre alinhados a respiração correta”, completa Samara.

Até mesmo as coreografias que estão bombando no TikTok podem ser usadas a favor das gestantes, como mostra os seguintes vídeos da Shirley:

Leia mais: Fases do trabalho de parto: entenda cada etapa do parto normal

Dançar no trabalho de parto: quando é hora de parar?

Embora a decisão de parar de dançar caiba a cada gestante, a enfermeira obstetra explica que os passos ritmados costumam ser suspensos com a chegada dos oito centímetros de dilatação. “Isso ocorre devido ao aumento da frequência e intensidade das contrações”, completa Shirley.

Neste momento, outras medidas não farmacológicas podem ser usadas para aliviar a dor e trazer relaxamento à mãe, visto que o parto está cada vez mais próximo. As especialistas citam acupuntura, aromaterapia, massagem, musicoterapia bem como caminhadas, agachamentos e o manuseio da bola suíça. “Por exemplo, a gestante senta-se sobre ela e faz movimentos circulares”, detalha a enfermeira obstetra.

Leia mais: Afinal, como diferenciar as contrações de braxton hicks das verdadeiras?

Não se recomenda a dança durante o trabalho de parto caso…

Como lembra Carolina, não são todas as pacientes que vão se sentir confortáveis para dançar. Inclusive, o nascimento do bebê não deixará de acontecer caso a gestante opte por não se movimentar dessa forma. Como explicamos anteriormente, há outras medidas que auxiliam no trabalho de parto.

Além do querer, a obstetra também lembra que partos de emergência ou que a mãe já chegou à maternidade com a dilatação próxima dos dez centímetros podem fazer com que a dança não seja recomendada.

De acordo com Shirley, outras situações que podem vir a impedir que a dança aconteça são:

Fontes: Dra. Carolina Curci, ginecologista e obstetra, especialista em reprodução humana, Shirley Rose Silva, enfermeira obstétrica e Samara Barth, doula.