Conheça três técnicas de respiração para a hora do parto

13 de junho, 2022

As técnicas de respiração no parto favorecem tanto as mães quanto os bebês. Embora sejam simples e fáceis, elas fazem toda a diferença e, quando aliadas a outras estratégias, podem contribuir para o nascimento do pequeno sem intervenções desnecessárias. Inclusive, elas minimizam os desconfortos e estabilizam o estado emocional da gestante.

Neste momento, é importante lembrar também das mudanças do corpo durante a gravidez, como a do sistema respiratório. Além da demanda de oxigênio aumentada, o diafragma é o principal músculo da inspiração e tem o seu posicionamento modificado. Bem como ocorre um aumento da circunferência da caixa torácica como consequência do crescimento do bebê e a respiração abdominal fica limitada, principalmente no fim da gravidez.

Dessa forma, a Gestar, plataforma que conecta profissionais materno-infantis a famílias tentantes e gestantes, lista três técnicas de respiração para a hora do parto, que podem variar de acordo com a necessidade da parturiente. Confira:

Leia mais: Qual a diferença entre baby blues e depressão pós-parto?

Técnicas de respiração: é hora de se concentrar!

1. Respiração torácica lenta e profunda

A respiração torácica lenta durante o período das contrações ameniza o contato do músculo do diafragma com o útero. Como resultado, a gestante sente-se mais relaxada e consegue controlar o ritmo respiratório. Inclusive, isso alivia a sensação da dor e mantém a oxigenação. Portanto, essa respiração deve ser feita durante o trabalho de parto, o que evita fazer força muito cedo e a hiperventilação. 

Leia mais: Pós-parto: tudo o que você pode (e não pode) fazer após dar à luz

2. Respiração superficial leve

Com o avanço das contrações, é esperado que a dor aumente e a respiração fique mais acelerada. Assim, a superficial leve é para quando inspirar e expirar lenta e profundamente podem não ser mais suficiente para manter o relaxamento e conforto.

Essa técnica consiste em inspirações um pouco mais curtas, inalando uma quantidade menor de ar. Já a expiração continua sendo pela boca durante as contrações e, no intervalo, retoma-se à respiração lenta e prolongada. Afinal, o objetivo é evitar a fadiga muscular e manter a oxigenação adequada. 

Leia mais: 10 mitos e verdades sobre o parto

3. Respiração na fase expulsiva do parto

Na fase expulsiva do trabalho de parto, as contrações ficam longas, fortes e espaçadas e é importante ter atenção aos picos. Assim, este é um dos momentos mais importante da utilização da técnica de respiração e concentração. Neste momento, não é aconselhável prender o ar.

Em síntese, deve-se inspirar pelo nariz e expirar longamente, junto com a onda de força. Logo depois, no intervalo das contrações mais fortes, o indicado é retornar à respiração lenta e profunda. Dessa forma, auxilia-se no relaxamento para abertura da pelve a fim de que o bebê desça com mais facilidade.

Fonte: Gestar, plataforma que conecta profissionais materno-infantis a famílias tentantes e gestantes

Leia mais: Exercícios de respiração para amenizar a ansiedade

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.