Autocuidado: O que é, como praticar e benefícios desse hábito

Beleza Bem-estar Equilíbrio
13 de Abril, 2022
Autocuidado: O que é, como praticar e benefícios desse hábito

Cuidar da gente mesmo pode parecer um desafio em meio à rotina corrida que costumamos enfrentar diariamente. Isso porque acordar cedo, trabalhar, estudar, cuidar da casa e da família tomam grande parte do tempo, o que faz com que muitos se esqueçam de uma tarefa de extrema importância: o autocuidado.

Ao contrário do que muitas pessoas podem pensar, chamar a atenção de alguém para o autocuidado não é uma ofensa, mas sim um lembrete de que sua saúde e bem-estar são tão importantes – ou mais! – quanto tudo aquilo que se costuma “dar conta” em seu dia a dia.

O que é autocuidado?

Como o próprio nome se refere, o significado de autocuidado pode ser resumido como um conjunto de ações que cada indivíduo realiza para manter a própria saúde e o bem-estar. Ou seja, ele é tudo aquilo que você faz para si mesmo, com o intuito de ter uma melhor qualidade de vida.

Neste conceito, entram não só os cuidados médicos, como manter as consultas de check up e a terapia em dia, mas também pequenas atitudes que geram satisfação pessoal, como ir à manicure, praticar atividades físicas ou comprar uma roupa nova, por exemplo.

Leia também: Dicas para melhorar a concentração

Para que serve o autocuidado?

Precisamos estar bem com o nosso “eu”, tanto no aspecto físico, como emocional. Sem esse equilíbrio, portanto, não conseguimos dar o nosso melhor para as atividades do dia a dia e para as pessoas que nos cercam.

“Ao fazer as coisas que gostamos, nossa produtividade aumenta, assim como a disposição. Portanto, a saúde mental melhora e nos tornamos mais positivos e resilientes diante de situações difíceis e inevitáveis”, explica a psicóloga Marina Justi, de São Paulo.

Tipos de autocuidado

São diversas as maneiras com que as pessoas podem cuidar de si, buscando mais bem-estar e melhor qualidade de vida.

Confira os quatro tipos de autocuidado e os benefícios de cada um deles:

Autocuidado físico

Um dos tipos mais comuns e fáceis de entender. Isso porque o corpo geralmente dá sinais claros de que precisa de atenção: o cabelo cresce demais e você sabe que é hora de cortar, as dores nas costas surgem e você começa a se movimentar mais… E por aí vai.

Ele é muito importante para deixar a nossa saúde em dia. Isso porque a alimentação equilibrada, a prática de exercícios físicos, as idas ao médico e o sono de qualidade aumentam a imunidade e nos protegem contra diversas doenças.

Aqui estão mais algumas opções de autocuidado físico:

  • Dançar ou cantar a sua música favorita;
  • Assistir a uma série que você gosta;
  • Tomar um banho relaxante;
  • Aprender algo novo;
  • Ir ao salão ter um “dia de princesa”;
  • Caminhar por um parque.

Autocuidado emocional

Não é só o corpo que merece um tempinho só para ele. A nossa mente também precisa estar saudável para que consigamos enfrentar os desafios do dia a dia – e é aí que o autocuidado emocional entra.

Trata-se de um conjunto de hábitos que desenvolvem a nossa inteligência emocional e nos preparam para lidar melhor com diferentes sentimentos, nos conectando com nossas emoções e levando a um maior autoconhecimento. Desse modo, conseguimos ter mais clareza e controle dos nossos atos.

Exemplo disso é:

  • Fazer psicoterapia;
  • Ter um diário só seu;
  • Conversar com amigos ou familiares sobre o que você está sentindo;
  • Reservar um tempo para traçar planos futuros;
  • Desenvolver o sentimento de gratidão;
  • Por fim, ter uma rede de apoio.

Leia também: Saúde emocional: O que é e como cuidar da sua

Autocuidado espiritual

O autocuidado espiritual não diz respeito apenas a manter uma rotina espiritual, mas também aos valores e crenças. Isso porque, para muitas pessoas, esta é mais uma forma de se conectar com os sentimentos de paz, amor próprio e propósito de vida.

Mais do que apenas costumes religiosos, ele tem a ver com o que fazemos para garantir a integridade do nosso caráter. Por exemplo:

  • Meditar;
  • Orar;
  • Visitar um templo;
  • Viajar e conhecer novas culturas (e aprender com elas);
  • Rever os seus valores;
  • Ressignificar os próprios preconceitos;
  • Aceitar seus erros e evoluir a partir deles;
  • Se conectar com a natureza;
  • Mudar comportamentos que você não gosta em si mesmo.

Autocuidado social

Por fim, a conexão com outras pessoas também é algo importante, uma vez que é por meio dela que nos relacionamos e criamos convivências que geram impactos significativos para a nossa vida.

Pensando nisso, construa bons relacionamentos! Boas relações contribuem para uma sensação de bem-estar.

Leia também: Responsabilidade afetiva: A importância nas relações humanas

Dicas de como praticar o autocuidado

  • Crie rituais e compromissos com você

Estabeleça um compromisso em ter pequenos momentos de prazer e satisfação no dia. Isso precisa ser honrado. Por exemplo: quinta-feira é dia de esticar o almoço e fazer uma caminhada pelas ruas perto do seu trabalho. Ou, ainda, trace uma meta de ir à academia três vezes por semana. Além disso, comer um docinho fora de hora, levantar da mesa e fazer alguns alongamentos também podem fazer parte dessa listinha de autocuidado. Tudo é válido para se sentir bem – inclusive ligar para alguém querido com quem você não conversa há um tempão.

  • Faça atividades que tragam prazer

Encontre atividades que proporcionem bem-estar. Se você está em uma fase sedentária, vá frequentar aulas estimulantes. Pode ser dança, yoga, spinning ou algum tipo de luta. O exercício físico tem o poder de mexer com a química do nosso corpo, pois estimula a produção de diversas substâncias que causam alegria e disposição, como endorfina, serotonina e adrenalina, além de ajudar a regular o sono e outras funções do organismo.

  • Experimente algo que nunca fez antes

Quando foi a última vez que você fez algo novo? Essa é uma forma de autocuidado que traz mais emoção e sentido para a vida. Aprender algo diferente, como um idioma, um instrumento musical ou qualquer outra atividade fora de seu “trajeto autorizado” pode ser divertido e terapêutico.

Leia também: Autoestima: O que é e como melhorar a sua
  • Atente-se ao seu corpo

Vá a um massagista, faça um tratamento facial, experimente novos cortes de cabelo. É preciso permitir-se um tempo para relaxar e deixar que alguém cuide de você.

  • Caia na gargalhada

Rir fortalece o sistema imunológico, combate o estresse e elimina até mesmo rugas. Por isso, para estimular o riso fácil, assista a uma comédia, leia algo que lhe faça gargalhar e se divirta.

  • Acorde mais cedo

Hal Elrod, autor do best-seller O Milagre da Manhã (Editora Best Seller), encoraja as pessoas a acordarem mais cedo para planejar e mentalizar “o dia perfeito”. Essa mudança de hábito, de acordo com Elrod, é um grande passo para conquistar o que deseja e ter mais tempo para você mesmo. “Ao acordar mais cedo e me dedicar a atividades que me dão prazer elimina as desculpas que se acumulavam durante o dia (‘estou cansado’, ‘não tenho tempo’ etc)”, afirma o escritor em um trecho do livro.

Outra razão para acordar mais cedo é não ter o risco de ser interrompido por alguém que levanta com você (companheiro(a), filhos, pais). O início pode ser um pouco difícil, mas a ciência diz que a formação de um hábito dura em torno de três semanas. Então, tenha paciência: com o tempo, você terá mais energia, disposição e vontade de acordar mais cedo e ter uma horinha a mais para se dedicar a algo que você curte.

Leia também: Como a qualidade do sono afeta a saúde mental
  • Reprograme sua rotina

Não adianta acordar cedo e se sentir cansado porque dormiu pouco. Volte uma casa e reprograme sua rotina: tentar dormir mais cedo e desacelerar nas últimas horas da noite é uma estratégia. Portanto, experimente se desconectar das redes sociais depois do horário de trabalho e foque em atividades mais tranquilas e prazerosas, como tomar um banho mais demorado, cozinhar, brincar com os filhos e assistir a um episódio da sua série favorita.

  • Respire

Isso mesmo. O mestre do yoga e do autoconhecimento Paramahansa Yogananda ensina em suas publicações que a melhor forma de olhar para dentro é respirar. É normal se esquecer da respiração, principalmente em momentos de ansiedade e estresse. Prestar atenção ao modo como o ar entra e sai pelas narinas, à duração da respiração e em outras sensações físicas – postura, se há algum ponto de tensão no corpo – são pequenos, mas significativos gestos de autocuidado que não custam nada.

O que não é autocuidado?

Que atire a primeira pedra a pessoa que nunca precisou enfrentar uma situação apenas por obrigação e sem qualquer motivação. Por mais que, em algum momento, possa parecer uma ação benéfica para você, ela não é um autocuidado.

Afinal, este conceito consiste em cuidar melhor de si mesmo, e se forçar a fazer algo contra a sua vontade, ainda que seja visto como vantajoso, pode ter efeito contrário.

Leia também: Autossabotagem: O que é e como fugir desse inimigo

“Todos os extremos precisam ser revistos. A vaidade que ultrapassa a linha do cuidado quando as pessoas deixam de comer para emagrecer ou fazem exercícios em excesso para entrar em um padrão, por exemplo, não é um autocuidado”, alerta a psicóloga Maisse Catunda, do Ceará.

Pensando dessa forma, não são consideradas medidas de autocuidado:

  • Atitudes e cuidados que são feitas por obrigação;
  • Ações que geram sobrecarga e/ou que dão a sensação de “sugar” as suas energias;
  • Seguir a opinião do que os outros consideram ser melhor para você;
  • Deixar nas mãos dos outros o cuidado que precisa ter consigo.

Como saber se preciso me cuidar?

“O autocuidado preserva, acima de tudo, nossa saúde emocional. Quando você se expõe para ser aceito ou incluído em grupos que considera importante, por exemplo, muitas vezes abre mão do autocuidado. Quando percebe que uma situação está boa para todo mundo, menos para você, é um indício de que o autocuidado precisa existir. Desse modo, se preservar e avaliar que a situação é agradável para você, evitará aborrecimentos e frustrações”, explica Silvia Donati, Personal & Professional Coach e Leader Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching.

Um exemplo prático: você se sente sobrecarregado com as tarefas de casa, enquanto os demais membros da família, não? No trabalho, sente que um colega se esforça pouco, enquanto você precisa provar seu valor para os gestores? São perguntas simples que lhe permitem analisar a vida que está vivendo e o que não anda bem e precisa de ajustes.

Quais profissionais procurar

Quando nos referimos ao autocuidado emocional, o psicoterapeuta é o melhor profissional para orientar e ajudar o paciente a lidar com diferentes sentimentos. Psicólogos, Psicanalistas e Psiquiatras são alguns que entram nesta categoria, de acordo com a necessidade de cada indivíduo.

Já quanto ao autocuidado físico e espiritual, a lista pode ser extensa, uma vez que existem várias possibilidades distintas para os mais variados tipos de pessoas e gostos.

Neste caso, a dica é procurar atividades que lhe façam bem e, a partir daí, buscar profissionais que combinem com seu estilo de vida e ideologias, e que te acompanhe nesta busca pelo bem-estar.

Fontes:

Marina Justi, psicóloga de São Paulo;

Maisse Catunda, psicóloga do Ceará;

Silvia Donati, Personal & Professional Coach e Leader Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching.

Conselho Federal de Psicologia

Saúde Brasil

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

ator Cauã Reymond segurando um garfo e uma faca e usando um babador
Alimentação Bem-estar

Cauã Reymond mostra jantar saudável com sopa, frango e legumes

Ator compartilhou em suas redes socais o que comeu na noite de Dia dos Namorados (12/06). Confira o jantar de Cauã Reymond

personal ajudando aluno a fazer o exercício crucifixo inclinado na academia
Bem-estar Movimento

Crucifixo inclinado: como fazer corretamente para evitar dores

A posição do banco no crucifixo inclinado faz com que o exercício enfatize bem os músculos do peitoral. Confira o passo a passo

criança nadando na piscina
Bem-estar Movimento

Crianças podem (e devem) fazer natação no inverno!

Prática deve ser contínua mesmo no frio, pois aumenta imunidade e o gasto calórico. Veja os benefícios da natação no inverno para as crianças!