Saúde emocional: O que é e como cuidar da sua

16 de julho, 2019

Não é de hoje que existe uma preocupação em estar fisicamente saudável e, recentemente, cada vez mais pessoas estão em busca do bem-estar mental. Entretanto, como anda o lado emocional? Saúde emocional nos ajuda a entender as raízes das nossas emoções, a reagir às situações de maneiras que possam nos ensinar mais acerca de nós mesmos e das outras pessoas, e a encarar os altos e baixos inevitáveis da vida com mais confiança e equilíbrio. 

Tão importante quanto se alimentar bem e fazer exercícios físicos, a saúde emocional, na verdade, é que vai dar sentido para sua vida, principalmente durante os momentos difíceis. 

Leia também: Meditação: Tudo o que você precisa saber sobre a prática

A saúde emocional é quase sempre confundida com a mental. Sua principal característica que se diferencia da saúde mental é a aptidão em controlar e gerenciar as mudanças de comportamento que são normais no dia a dia. 

Antes de tudo, é importante entender o que é emoção. As emoções são reações específicas a um evento particular que, geralmente, são de curta duração. Elas são muitas vezes chamadas de sentimentos e incluem experiências como amor, ódio, raiva, confiança, alegria, pânico, medo e tristeza”, explica Yuri Busin, psicólogo doutor em neurociência do comportamento e diretor do Centro de Atenção à Saúde Mental – Equilíbrio (CASME).

Como sei que preciso cuidar da minha saúde emocional?

É normal acordar alegre e disposto e se aborrecer ou perder um pouco da motivação durante o dia por alguma razão no trabalho, notícias ruins e outros imprevistos. Até aí, tudo bem. Mas quando isso foge do controle, gerando descompensações no seu comportamento e na relação com as pessoas de seu convívio, é hora de olhar para dentro de si e até buscar ajuda profissional. 

“Durante a evolução humana, o cérebro se desenvolveu para responder a pensamentos negativos de forma mais ágil do que os sentimentos positivos, com o intuito de ajudar o homem a tomar decisões diante de ameaças, garantindo sua segurança e sobrevivência”, afirma o psicólogo.

Isso explica a normalidade da nossa tendência pessimista, mas não lhe isenta da responsabilidade de estar atento à qualidade dos seus pensamentos. Afinal, o mundo é da forma como o enxergamos. Se você sempre enxergar o lado negativo das coisas, será difícil extrair sentimentos e pontos positivos de algo. 

Leia também: O que é inteligência emocional e os benefícios de desenvolvê-la

“O pensamento negativo persistente pode ser considerado um vício, sendo responsável por outros hábitos ruins das pessoas. Afinal, quando alguém é viciado em comida, drogas ou jogos, elas estão apenas tentando escapar de seus próprios sentimentos”, acrescenta.

Sintomas de que a saúde emocional não vai bem

  • Procrastinação para fazer atividades simples e complexas;
  • Problemas e desconfortos físicos, como dor muscular, gastrite, dores de cabeça e insônia;
  • Dificuldade de concentração;
  • Alteração constante do estado emocional. Uma hora está triste, momentos depois, feliz. Isso leva a extremos de choro constante, desabafos, reclamações;
  • Esgotamento mental, que pode levar a distúrbios mentais e comportamentais que englobam o espectro da saúde mental;
  • Pensamentos negativos durante a maior parte do tempo. Dificuldade em visualizar o lado bom de uma situação – o copo está sempre “meio vazio”;
  • Baixa autoestima, frustração e solidão.

Como tratar a saúde emocional

A primeira coisa a ser feita é aceitar suas emoções e reconhecê-las, mesmo que elas sejam negativas. O estresse, por exemplo. “Até certo ponto, o estresse pode ser benéfico, pois gera uma reação química no corpo para protegê-lo do pior. O ritmo cardíaco aumenta, a respiração acelera, os músculos se contraem e a pressão sanguínea sobe. Na pré-história, esse mecanismo ajudava o homem a realizar tarefas e se proteger de lesões provocadas por predadores”, esclarece o especialista. 

Passado do ponto considerado saudável, o estresse pode ser a causa dos sintomas do tópico anterior. Por isso:

  • Faça atividades e pausas prazerosas durante o dia. Isso ajuda a aliviar a tensão. Levante-se a cada hora de sua mesa de trabalho, dê uma caminhada, tome um café e leia algo de seu interesse.
  • Reserve, pelo menos, uma hora do seu dia apenas para si. Utilize esse tempo para se dedicar a algum hobbie, atividade física ou aprender algo novo. Estabelecer uma rotina de autocuidado ajuda a relaxar e a olhar com mais carinho para você.
  • Alimente-se bem. Consumir alimentos com muito açúcar e cafeína, por exemplo, são estimulantes e podem lhe deixar ainda mais ansioso. Priorize alimentos nutritivos e beba bastante água.
  • Suas amizades dizem muito sobre seu estado emocional. Cerque-se de amigos capazes de agregar algo em sua vida, que te “joguem para cima”. Risque de sua lista pessoas com potencial de minar sua autoestima. 
  • Procure ajuda profissional. Fazer terapia e se utilizar de meios para buscar o autoconhecimento é um meio de manter suas emoções equilibradas mesmo que esteja enfrentando uma fase turbulenta da vida.
  • Identifique as situações que estão sob seu controle e as que não dependem de suas atitudes. Isso ajuda a tirar pesos desnecessários que muitas vezes carregamos. 

Leia também: Autoestima: O que é e como melhorar a sua

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.