Aumento de casos da Covid: crianças devem continuar indo à escola?

Saúde
15 de Junho, 2022
Aumento de casos da Covid: crianças devem continuar indo à escola?

Quando a pandemia causada pela coronavírus se instaurou no país, pais vivenciaram a dura realidade de precisarem suspender a ida dos filhos à escola. Inclusive, as instituições de ensino foram um dos primeiros estabelecimentos a serem fechados. Com este histórico, não é incomum que cuidadores voltem a se perguntar se as crianças devem continuar indo presencialmente à aula mesmo com o aumento de casos da Covid-19.

A resposta do pediatra Fausto Carvalho, presidente do departamento escolar da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), é positiva. Segundo o especialista, o ambiente educacional continua sendo um local seguro para os pequenos.

“Apesar de estarmos tendo aumento dos casos, não estamos com o índice pandêmico como em 2020 e 2021, em que o nível de transmissão era muito alto”, defende Fausto.

Leia mais: Aumento nos casos de Covid-19: afinal, pode ser uma nova onda?

Cuidados necessários para preservar a saúde das crianças

Só que para que o ensino presencial continue sendo possível, é necessário que os cuidados básicos, aprendidos com a pandemia, sejam reforçados tanto pelas escolas quanto pelos próprios cuidadores. São eles:

  • Lavar as mãos frequentemente;
  • Fazer uso do álcool em gel;
  • Manter distanciamento social de 1,5m²;
  • Garantir que os ambientes estejam ventilados;
  • Priorizar atividades ao ar livre.

Ainda assim, com a chegada das baixas temperaturas, a tendência natural é que se deixe os ambientes mais fechados. Todavia, neste momento, é importante que os pais dialoguem com a escola para evitar este tipo de situação e preservar a saúde dos filhos.

Leia mais: Frio intenso: como proteger a saúde?

Aumento de casos da Covid: repense o uso de máscara!

Além dos cuidados citados acima, Fausto orienta pais a repensarem sobre os pequenos utilizarem o dispositivo de proteção facial nas escolas. “A SPSP recomenda o uso da máscara, principalmente em ambientes fechados”, destaca o especialista. Este é o caso, por exemplo, das salas de aula.

O dispositivo ideal, de acordo com o pediatra, seria a máscara cirúrgica. No entanto, se não for possível, indica-se a de pano. “Dessa forma, reduz-se bastante as chances da criança ser contaminada pela doença e, caso seja, normalmente acontece com uma carga viral menor”, conclui o médico.

Além da proteção contra a Covid-19, vale lembrar que a máscara também blinda os menores de outras doenças respiratórias que estão circulando no país, como a gripe.

Leia mais: Flexibilização do uso de máscaras e ansiedade: afinal, como lidar?

Quando a criança não deve ir à escola neste momento?

Em síntese, estes cuidados somados ao esquema vacinal completo tornam o ambiente escolar seguro mesmo com o aumento de casos de coronavírus. Todavia, pode ser necessário repensar a ida do pequeno à instituição em casos específicos, como acontece com aqueles que têm menos de cinco anos e ainda não foram imunizados.

Nesta fase pré-escolar, é preciso que os pais redobrem a atenção diante dos protocolos sanitários seguidos pelas escolas para que elas continuem sendo frequentadas. Por exemplo, recomenda-se averiguar quantas crianças estão sendo cuidadas por cada profissional e se o ambiente é bem ventilado.

Caso os cuidadores percebam que algo não está dentro do esperado, tornando o local de risco, pode ser hora de repensar a ida do filho à instituição de ensino. O mesmo vale para caso a criança não seja vacinada e tenha problemas crônicos de saúde, como as que fazem tratamentos relacionados a imunidade. “Talvez essas crianças devam ficar em casa”, pondera o especialista.

Leia mais: Vacinação infantil da Covid-19: tudo o que você precisa saber

Aumento de casos da Covid: sintomas exigem isolamento!

Além disso, o monitoramento também precisa ser feito em relação a saúde da criança dia após dia. Fausto orienta suspender a ida presencial dos pequenos à escola caso eles apresentem sintomas associados à Covid-19. Os principais sinais são:

“Embora aparentemente seja uma rinite, crise de asma ou bronquite, deve-se ficar em casa porque o risco de transmissão é maior”, enfatiza o pediatra.

Fonte: Dr. Fausto Flor Carvalho, pediatra e presidente do Departamento Escolar da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP)

Leia também:

profissional de saúde segurando um DIU no pós-parto
Gravidez e maternidade Saúde

DIU no pós-parto: como funciona, quando colocar e cuidados

Com alta eficácia, o DIU no pós-parto oferece uma solução prática para o planejamento familiar após uma gestação.

Como manter a saúde digestiva no inverno?
Saúde

Como manter a saúde digestiva no inverno? 7 dicas para os meses mais frios

Confira sugestões compartilhadas por gastrocirurgião e nutricionista de como garantir o bom funcionamento do aparelho digestivo nos meses mais frios do ano

Silvio Santos e H1N1
Saúde

Silvio Santos é internado com H1N1. Como prevenir?

O apresentador de 93 anos, está internado com H1N1, uma mutação do vírus da gripe. Entenda mais sobre a doença.