Asma e rinite: alergias ocorrem ao mesmo tempo na maioria dos casos

1 de junho, 2022

Asma e rinite, duas inflamações respiratórias que atrapalham a qualidade vida, podem se manifestar simultaneamente — estima-se que a rinite alérgica ocorra em cerca de 75% dos pacientes com asma. Afinal, ambas constituem uma via aérea única. Então, ao respirarmos, o ar entra pelo nariz junto com os alérgenos, causando espirros e coceiras no nariz e olhos, além da hiper-reatividade no brônquio, que provoca a asma.

Veja também: Como preparar a casa para um inverno livre de alergias

Além disso, levantamento realizado pela Fundação PROAR mostrou que quase 90% dos pacientes com asma grave, um quadro mais severo da alergia, também têm rinite. “Por isso, é muito importante controlar a rinite para se obter o controle da asma”, comenta Adelmir de Souza Machado, membro do Departamento Científico de Asma da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI).

“Da mesma forma, pessoas com rinite mais grave podem desenvolver a forma mais grave de asma. Pacientes com rinite ainda podem ter polipose nasal (pequenos tumores não cancerosos que crescem nas vias internas), e alergia a medicamentos como a aspirina. Tudo isso pode desencadear ou exacerbar a asma”, explica o médico.

Asma e rinite: veja como tratá-las

O tratamento deve ser conjunto para atuar nos sintomas de ambas as doenças. De acordo com Machado, anti-histamínicos e descongestionantes podem beneficiar pacientes com asma. Assim como o corticoesteroide em forma de spray, que ajuda no controle da inflamação e dos desconfortos da rinite.

Por sua vez, para quem possui polipose nasal, é comum utilizar imunobiológicos, como omalizumabe. “Já na asma de moderada à grave, os corticosteroides inalados não são indicados. Na asma leve, o tratamento é com corticoides inalados. Para quem tem asma e rinite leves podem também receber a vacina para alergia”, completa. Além do uso de fármacos, algumas medidas auxiliam na melhoria das crises. Por exemplo, controle ambiental, atividade física e alimentação saudável são práticas que previnem a recorrência alérgica.

Dúvidas frequentes sobre asma e rinite

Existem outras doenças que podem causar a asma?

Sim, a rinite não é a única que influencia a condição. Faringite alérgica, otite e a aspergilose broncopulmonar alérgica, uma sensibilização ao fungo da família dos aspergilos, também podem ter relação com a asma. “Doenças alérgicas não respiratórias, como a dermatite atópica e a conjuntivite podem estar associadas à asma alérgica em algum momento da vida. Há pessoas que desenvolvem a Marcha Alérgica, uma sequência de doenças alérgicas, respiratórias ou não, desde a primeira infância até, mais ou menos, os 10 anos”, explica Machado.

Asma e asma alérgica são a mesma coisa?

A asma é uma doença inflamatória crônica que causa falta de ar, tosse, chiado no peito e opressão torácica. A princípio, ela pode ter origem alérgica, ou seja, dependente de um anticorpo chamado IgE, ou ser não alérgica. Mas o que diferencia uma e outra é a sensibilização do paciente a determinados antígenos ou substâncias, como poeira, polens, alimentos e medicamentos. A detecção da asma alérgica é feita por meio de testes cutâneos de leitura imediata ou de IgE específica dosada no sangue periférico para um desses alérgenos.

Qual a diferença entre asma e rinite?

A rinite é uma inflamação que afeta as mucosas nariz. Como resultado, o indivíduo pode ter crises fortes de espirros, coceira ou sensação de corpo estranho dentro do nariz, constipação nasal e excesso de coriza. Não raro, é comum sentir coceira e sensibilidade nos olhos, que ficam irritados. Já a asma ataca os brônquios pulmonares e tem sintomas diferentes, já citados aqui: falta de ar leve ou intensa, chiado no peito e cansaço para caminhar ou fazer atividades mais exigentes.

Fonte: Adelmir de Souza Machado, membro do Departamento Científico de Asma da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI).

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.