Dor pélvica crônica: o que é, causas e como tratar

8 de abril, 2022

A dor pélvica crônica causa um desconforto na região da pelve, que pode incomodar por mais de seis meses. A dor é intensa e tem o poder de interferir negativamente em atividades do dia a dia. 

O diagnóstico pode ter relações com a menstruação, mas existem ainda diversos motivos, como problemas no sistema gastrointestinal, urinário, reprodutor, neurológico, endócrino e musculoesquelético.

Diante de tantas possibilidades, o diagnóstico não é fácil e pode ser necessário aguardar um bom tempo para chegar a uma conclusão. Por isso, para resolver o problema, o paciente pode lidar com tratamento clínico ou cirúrgico em alguns casos específicos. Entenda melhor a condição.

Leia mais em: Vaginose bacteriana: O que é, sintomas e tratamento

Quais são os sintomas da dor pélvica crônica? 

De acordo com o Dr. Gustavo Barisan, ginecologista do hospital Santa Catarina, a doença pode apresentar os seguintes sintomas: 

  • Dor na relação sexual, bem como dor para urinar e evacuar;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Sangramento para evacuar;
  • Distensão abdominal;
  • Diarréia.

A ginecologista Juliana Ribeiro acrescenta as principais causas da doença:

Leia mais em: Hérnia de disco: Quem tem, pode correr? Saiba mais

Quais são os fatores de risco da dor pélvica crônica? 

Assim como a dor pélvica pode ter causas distintas, os fatores de risco também são variáveis. Assim, uma das principais doenças que causa a dor pélvica é a endometriose, que tem como principal fator de risco a maior exposição estrogênica (exposição hormonal). Além disso, existem outros grupos que têm mais chances de ter o problema, de acordo com o Dr. Gustavo Barisan:

  • Mulheres que menstruam precocemente;
  • Pacientes que têm a menopausa mais tardiamente;
  • Mulheres que tardam o início de sua vida reprodutiva, pois elas podem ter mais risco de desenvolver a endometriose, por exemplo. 

Como é feito o diagnóstico? 

A princípio, o diagnóstico é feito de acordo com os sintomas que são listados pelo paciente. Além disso, em casos que necessitam de mais estudos, o profissional analisa a história clínica detalhada e faz um exame físico minucioso. 

No entanto, é fundamental deixar claro que, em alguns casos, os exames complementares podem ser recomendados, como o ultrassom com preparo intestinal (para pesquisa de Endometriose) e as cistoscopias (exame do interior da bexiga). 

Dessa forma, uma equipe multidisciplinar composta por urologistas, gastroenterologistas e cirurgiões vasculares também pode ajudar na avaliação.

Como é feito o tratamento da dor pélvica crônica? 

O objetivo do tratamento da dor pélvica crônica é melhorar a qualidade de vida do paciente. Assim, ele pode variar de acordo com as necessidades de cada indivíduo ou conforme a patologia diagnóstica. “O tratamento do fator inflamatório da pelve, por exemplo, muitas vezes pode fazer uso de medicações, como os anti-inflamatórios e analgésicos. No caso da endometriose, medicações hormonais também podem também ser utilizadas. Existe ainda um papel muito importante da fisioterapia pélvica, já que muitos distúrbios de assoalho pélvico podem estar relacionados à dor pélvica crônica”, explica o ginecologista. 

Já nos estágios mais avançados da endometriose, a cirurgia pode ser executada para melhorar a qualidade de vida do paciente. A médica Juliana Rabelo destaca ainda outros tipos de tratamentos para a doença:

  • Injeções com medicamentos para administração da dor em pontos gatilho;
  • Terapia miofascial pélvica, com fisioterapia pélvica, estímulos elétricos, treinamento da musculatura pélvica, entre outros;
  • Terapia com psicólogos ou psiquiatras;
  • Acupuntura;
  • Atividades físicas, como yoga ou pilates;
  • Mudanças na alimentação, ou seja, a retirada de alimentos sabidamente inflamatórios, que podem aumentar a intensidade do desconforto. 

Por fim, é fundamental procurar um profissional de sua confiança para que orientá-la em relação ao melhor tratamento para o cenário de cada paciente. 

Fonte: Dr. Gustavo Barisan, Ginecologista do Hospital Santa Catarina – Paulista.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.