Consumo de ovos na infância ajuda no desenvolvimento do cérebro

1 de agosto, 2022

Um dos alimentos mais comuns no prato dos brasileiros, o ovo é também um dos mais ricos em termos nutricionais. Além disso, o consumo de ovos na infância, em suas diversas formas, garante vitaminas que ajudam a aumentar a imunidade e até a desenvolver o cérebro!

“O ovo apresenta em sua composição um composto de nutrientes, como vitaminas do complexo B representados por tiamina, riboflavina, colina, vitamina B12, ácido fólico, piridoxina, biotina e vitaminas lipossolúveis A, D, E e K”, relata Lúcia Endriukaite, nutricionista do Instituto Ovos Brasil.

Por isso, para falar mais sobre o assunto, a especialista dá mais detalhes sobre a importância do ovo na alimentação e como seus nutrientes são poderosos aliados para manter a saúde. Acompanhe:

Quais outros nutrientes estão presentes no ovo?

O ovo é uma ótima fonte de proteínas e apresenta em sua composição vitaminas do complexo B e vitaminas lipossolúveis A, D, E e K. Além disso, contém os carotenoides luteína e zeaxantina e minerais como ferro, selênio, magnésio e zinco.

Qual a ligação de cada nutriente para a saúde do cérebro?

As vitaminas do complexo B atuam de forma conjunta em reações bioquímicas para a produção de energia, e a tiamina, por exemplo, age como uma coenzima no fornecimento de energia e na produção de aminoácidos.

Por outro lado, o ovo é um alimento fonte de colina, uma vitamina do complexo B que apresenta ações relativas à cognição. A colina é matéria-prima para a produção de acetilcolina, um neurotransmissor relacionado ao impulso nervoso, à coordenação e ao movimento. A colina tem uma importante função cerebral relacionada à memória.

Além disso, o cérebro necessita de ingredientes como ácido fólico, zinco e magnésio para a produção de neurotransmissores como a serotonina.

Leia também: Existe leite materno fraco? Especialistas respondem principais dúvidas sobre amamentação

É verdade que o consumo de ovos ajuda na performance cognitiva?

A colina tem sua importância já na vida intrauterina, quando ocorre o fechamento do tubo neural e a formação de hipocampo relacionado à memória.

Após o nascimento, ela tem um papel fundamental no desenvolvimento cerebral nos primeiros anos de vida, que pode estar relacionado à melhor cognição ao longo da vida.

Estudos mostram que a luteína e a zeaxantina, carotenoides presentes na gema do ovo, estão relacionados à cognição, pois apresentam ação antioxidante e protegem a bainha de mielina, estrutura composta por gordura que envolve a célula nervosa e favorece a transmissão do impulso nervoso.

A partir de qual idade uma criança pode consumir ovo?

A partir dos 6 meses de idade o ovo pode entrar na alimentação do bebê como parte da introdução alimentar e na forma de papa. Depois, alterações de textura promovem o desenvolvimento da criança e irão prepará-la para os hábitos da família.

Leia também: Introdução alimentar precoce: entenda os riscos para o bebê

Qual o consumo ideal de ovos na infância?

De acordo com a RDA (Ingestão Dietética Recomendada), o consumo de proteínas varia de acordo com a faixa etária das crianças. Considera-se 1,1g/kg de peso corporal para crianças de 1 a 3 anos e 0,95 g/kg de peso para a faixa etária de 4 a 13 anos. Desse modo, o consumo de 1 a 2 ovos por dia é adequado, tendo em vista outras fontes proteicas na alimentação.

Fonte: Lúcia Endriukaite, nutricionista do Instituto Ovos Brasil.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.