Tireoidite de Hashimoto: Sintomas, diagnóstico e tratamentos

23 de junho, 2021

A tireoidite de Hashimoto é uma doença autoimune que causa a inflamação da tireoide. Dessa forma, a glândula, que tem como função liberar hormônios para o corpo, pode trabalhar em excesso, como é o caso do hipertireoidismo; ou, então, pode liberar as substâncias em quantidades insuficientes, o hipotireoidismo.

A doença de Hashimoto é uma das causas mais comuns do hipotireoidismo, especialmente em mulheres adultas. O aumento indolor da tireoide é o primeiro alerta.

Ainda não se sabe o que faz a glândula inchar e funcionar incorretamente. Mas a ciência já tem conhecimento de que o organismo começa a produzir anticorpos que atacam suas próprias células, e que as mulheres adultas são as mais afetadas.

Leia também: Tireoide e depressão: Conheça a relação

Sintomas da tireoidite de Hashimoto

  • Depressão;
  • Aumento do colesterol;
  • Cansaço excessivo;
  • Aumento de peso;
  • Prisão de ventre;
  • Pele fria e pálida;
  • Cabelo e unhas fracas;
  • Dores musculares ou articulares;
  • Baixa tolerância ao frio.

Diagnóstico

A melhor forma de diagnosticar a tireoidite de Hashimoto é consultar um endocrinologista e realizar o exame de sangue para avaliar os hormônios: T3, T4 e TSH. Além disso, também é indicada uma pesquisa dos anticorpos antitireoidianos (anti-TPO). No caso da tireoidite, o TSH geralmente fica aumentado.

Principais tratamentos da doença de Hashimoto

O tratamento é indicado quando há alterações dos valores de TSH ou quando surgem sintomas. Então, durante seis meses, é feita a reposição hormonal com Levotiroxina. Em seguida, o paciente deve voltar em consulta com o endocrinologista para avaliar os resultados e optar ou não pela continuidade da medicação.

A principal estratégia para recuperar a saúde da tireoide é acalmar o sistema imune, que está ativamente atacando a glândula, e manter o funcionamento do intestino.

Por fim, a remissão da doença pode acontecer a partir de uma dieta personalizada e muita disciplina para seguir os protocolos. Assim, o primeiro passo é remover alimentos inflamatórios e intolerantes do cardápio. Mas, caso o inchaço na glândula dificulte a respiração ou a alimentação, o médico pode indicar uma tireoidectomia, que é a cirurgia para a remoção total da glândula.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.