Síndrome do Pânico: Carlinhos Maia se afasta da internet por causa da doença

Bem-estar Equilíbrio
16 de Setembro, 2022
Síndrome do Pânico: Carlinhos Maia se afasta da internet por causa da doença

Na última quinta-feira (15), o humorista Carlinhos Maia usou o Instagram para explicar o porquê de estar fazendo uma breve pausa em relação as redes sociais. O influenciador digital contou que enfrenta a síndrome do pânico há anos e o transtorno psicológico se agravou após o assalto do seu apartamento em maio deste ano. “Já já estou 100% para vocês e principalmente para mim”, escreveu em um story logo após contextualizar a situação.

Leia também: Síndrome de Burnout: O que é e como evitá-la

Mas, afinal, o que é síndrome do pânico?

A síndrome do pânico está relacionada à ansiedade, sendo mais comum em pessoas que já sofrem de ansiedade intensa. Ocorrem crises de medo agudo, de modo recorrente e inesperado, perante alguma situação mesmo que não haja motivo para isso ou sinais de perigo iminente. 

Assim, pode ocorrer em qualquer idade, porém, costuma manifestar-se na adolescência ou no início da fase adulta, sem motivo aparente. Dessa forma, as causas específicas do transtorno ainda são desconhecidas. “[A pessoa pode tê-lo] devido a algum trauma, estresse excessivo, alterações emocionais, genética, e mudanças pessoais radicais” explica Priscila Fialho Dias, psicóloga.

Leia mais: Prevenção ao suicídio: o papel da família das vítimas

Sintomas da síndrome do pânico

Os sintomas deste transtorno podem variar dependendo de cada pessoa, mas os mais comuns incluem:

  • Taquicardia;
  • Sudorese (transpiração em excesso);
  • Tremor;
  • Angústia;
  • Choro excessivo;
  • Sufocamento;
  • Falta de ar;
  • Sensação de que vai morrer;
  • Desarranjos intestinais ou urinários;
  • Formigamento;
  • Fraqueza.

Leia mais: Dia do psicólogo: guia para a primeira consulta com o especialista

Causas da síndrome do pânico

Não se sabe ao certo quais são as causas exatas da síndrome do pânico. Mas existe uma possibilidade de que o cérebro possui sensibilidade em resposta ao medo. Além disso, acredita-se que outros fatores estão relacionados com o desenvolvimento do transtorno:

  • Depressão;
  • Abuso de álcool e drogas;
  • Experiências traumáticas, como a morte de alguém próximo, por exemplo;
  • Familiares com o transtorno;
  • Estresse excessivo.

Diferenças entre crise de ansiedade e ataque de pânico

Apesar de alguns sintomas serem parecidos, crise ansiedade e ataque de pânico não são a mesma coisa. No entanto, a ansiedade é mais regular, acarretando mais variações para o indivíduo, é mais intensa e persistente. Surge diante de uma situação ou momento difícil da vida,

Já o ataque de pânico na maioria dos casos é derivado de crises de ansiedade. Aparece quando você menos espera, por exemplo quando o indivíduo está dormindo, dura poucos minutos e, pode até ser confundido com um infarto ou AVC. A pessoa não está esperando por aquela sensação, é incontrolável, com durações menores; há perda de controle e iniciam-se os sintomas físicos

Agorafobia

A agorafobia é um tipo de fobia caracterizada pelo medo de lugares e situações que possam causar pânico. Assim, surge sintomas como sensação de aprisionamento e até mesmo constrangimento, levando a tremores e ataques de pânico. A pessoa tem medo de ficar sozinha em casa, de estar em multidões, de esperar em filas e lugares fechados como elevadores, lojas pequenas, cinemas.

Diagnóstico da síndrome do pânico

Segundo a especialista, é possível diagnosticar a síndrome com exames físicos como o de sangue, para verificar o funcionamento do organismo, e eletrocardiograma (devido aos sintomas físicos o indivíduo busca um médico por acreditar ser algo cardíaco). Se não há alterações nos exames, é encaminhado ao psicólogo e psiquiatra, pois já é uma suspeita de ser alguma disfunção emocional.

Leia também: Síndrome do Impostor: O que é e como evitar

Quais são os tratamentos para a síndrome do pânico?

Após o diagnóstico, o psiquiatra irá auxiliar com medicamentos antidepressivos em conjunto com psicólogo. O mais recomendado atualmente é o tratamento com o profissional que atua na área comportamental, na abordagem Cognitiva Comportamental, por exemplo, que trabalha com os pensamentos, sentimentos e comportamentos para compreender suas crises e os fatores que levaram a esta situação. Com a ajuda desses profissionais da saúde o tratamento é mais eficaz e sem longa duração.

O recomendado é procurar ajuda de profissionais assim que sentir sintomas de ansiedade, para que isso não chegue em um grau maior, de crises ou transtornos. Portanto, a terapia é essencial nisso, para prevenir sintomas e incômodos, auxiliando a lidar com situações, problemas, sentimentos e comportamentos. 

Você também pode prevenir a síndrome do pânico com algumas atitudes simples. Dessa forma, veja como:

Pratique meditação

Uma revisão de estudos da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, avaliou que a meditação pode ajudar em casos de ataque de pânico, ansiedade, depressão e dores. Existem várias linhas meditativas, mas todas com a mesma proposta: conexão consigo mesmo e com o momento presente.

Desse modo, reserve de cinco a 10 minutos diários do seu dia, preferencialmente pela manhã, para ficar em silêncio e observar sua respiração e o seu corpo. Contudo, caso você não saiba por onde começar, existem diversos aplicativos com programas de meditação que auxiliam a firmar esse hábito. Tente fazer isso hoje.

Reserve um tempo para fazer as coisas que você gosta

Isso inclui passar um tempo com os amigos, família, ler um livro, jogar videogame. Portanto, faça uma lista de momentos que trazem paz, tranquilidade e satisfação – e coloque-os em prática.

Respire

Dificilmente prestamos atenção à nossa respiração. Por isso, em situações ansiosas, pare tudo o que está fazendo e respire profundamente por alguns minutos. A respiração nos conecta ao momento presente e ajuda a acalmar os ânimos. 

Tome menos café

A cafeína tem muitos pontos positivos. De acordo com estudos da Faculdade de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos, a substância é boa para o coração, ajuda a prevenir o mal de Alzheimer e combate o diabetes, ao reduzir o nível de açúcar no sangue. Mesmo assim, a principal substância do café ainda é um estimulante e, por isso, deve ser evitada nos dias de maior apreensão. E não vale substituir a bebida por refrigerante, chá preto ou chocolate, que também contêm cafeína. Por outro lado, prefira o chá-verde ou um belo smoothie de frutas e alfarroba

Durma mais

Afinal, a falta de sono está diretamente relacionada a níveis mais altos de ansiedade e pânico. Portanto, vá para a cama mais cedo – quem sabe depois de meditar -, apague todas as luzes e deixe os problemas bem longe do travesseiro.

Especialidades envolvidas no tratamento da síndrome do pânico

  • Clínico geral: costuma pedir exames de sangue, por exemplo, para detectar que não há nada de errado com a saúde física. Assim, é o médico responsável por encaminhar o paciente ao psiquiatra;
  • Psiquiatra: realiza o diagnóstico do transtorno, descobrindo as raízes do problema, além de receitar medicamentos específicos.
  • Psicólogo: trabalha em conjunto com o psiquiatra durante as sessões de psicoterapia, e auxilia o paciente a lidar com os gatilhos.

Programas Vitat para síndrome do pânico

Jornada da leveza

ansiedade jornada da leveza

Mudando hábitos

ansiedade mudando hábitos

Técnicas de respiração

Fonte

Priscila Fialho Dias, psicóloga da Clínica Maia

Links úteis

Web MD

Mayo Clinic

NHS

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.

Leia também:

poke é saudável
Alimentação Bem-estar

Poke é saudável? Veja dicas na hora de consumir

Veja dicas de alimentos que não vão interferir no seu objetivo, seja emagrecer ou ganhar massa magra

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas