Mudar hábitos é difícil para você? Teste estas ferramentas

Alimentação Bem-estar
20 de Dezembro, 2022
Mudar hábitos é difícil para você? Teste estas ferramentas

Emagrecer envolve muito mais do que “fechar a boca” e consumir menos calorias todos os dias. Primeiramente, é preciso apostar em uma verdadeira reeducação alimentar: isto é, transformar a sua relação com a comida. Isso porque somente após uma mudança de hábitos alimentares é possível passar pelo processo de forma segura e consistente — sem sofrimentos, culpa ou o famoso “efeito sanfona”.

Esse é o grande intuito, aliás, da chamada Nutrição Comportamental. “Na abordagem, o foco do atendimento não será apenas na prescrição sobre o que comer com relação aos nutrientes, sem levar em consideração os fatores que estão por trás desse comer — que, muitas vezes, fazem com que o paciente não consiga aderir ao tratamento. O terapeuta nutricional possui conhecimentos de psicologia, psiquiatria e de técnicas da terapia cognitivo-comportamental”, explica a nutricionista Flora Santos Edler, especialista no assunto.

Ao atuar de forma empática, colaborativa e flexível, o profissional cria um vínculo com a pessoa, e a ajuda a viver em paz com a comida, a lidar com as falhas do processo e a respeitar o seu tempo, o seu corpo e a sua mente. “Ele é um facilitador, e não apenas o prescritor que dita o que deve ou não ser feito.”

Leia também: Alimentação back to basic é o que defende a nutricionista Alê Luglio

Mas é claro que ele não atua sozinho. Existem diversas ferramentas de mudanças de hábitos que podem contribuir para a jornada do paciente. Entenda as principais a seguir:

Ferramentas de mudança de hábitos alimentares

Tratam-se de “exercícios” para avaliar a importância de mudar um hábito. “As ferramentas são fundamentais, pois elas irão tornar a consulta diferente”, explica a nutricionista.

1 – Balanço decisório

A primeira ferramenta é o balanço decisório. Com ela, o paciente pode analisar os prós e os contras de optar pela reeducação alimentar. Veja um exemplo:

mudança de hábitos

Ilustração: Julia Santini

No lado esquerdo, coloca-se todos os benefícios que uma transformação na alimentação pode proporcionar. Por exemplo:

  • Emagrecer;
  • Ter mais disposição no dia a dia;
  • Melhorar os indicadores de saúde (como colesterol e pressão arterial);
  • Diminuir os riscos de doenças crônicas (diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares e até alguns tipos de câncer);
  • Por fim, garantir mais autoestima.

Já o lado direito deve ser preenchido com os possíveis prejuízos que uma reeducação alimentar pode gerar:

  • Ter que abrir mão de comer coisas gostosas (mas gordurosas e calóricas) todos os dias;
  • Precisar diminuir o consumo de bebidas alcoólicas (o que pode ser difícil para algumas pessoas);
  • Ter que reservar um tempinho na agenda para preparar as próprias refeições (em vez de pedir delivery).

Ao final, a pessoa faz um balanço e entende melhor porque a mudança de hábitos pode ser benéfica para ela. “Os objetivos do balanço decisório são: gerar uma percepção de que as vantagens superam as desvantagens e trabalhar a motivação do paciente para mudar efetivamente”, complementa a profissional.

2 – Roda da vida

Em um primeiro momento, o gráfico em formato de pizza e os números podem assustar. Mas a roda da vida também é uma ferramenta bastante prática.

Com ela, é possível fazer uma autoavaliação da própria vida, elencar prioridades e entender quais pilares merecem mais atenção. Afinal, com a correria do dia a dia, é normal deixarmos algumas coisas de lado, como a vida social ou a saúde mental. Confira um exemplo:

mudança de hábitos

Ilustração: Julia Santini

Para preencher a roda, é preciso classificar quanta atenção é dada para cada “fatia” do círculo e, então, dar uma nota que vai de 0 a 10 (sendo 0 nenhuma atenção, e 10 muita atenção). Assim, o paciente consegue olhar para todas as facetas de sua vida (incluindo aquelas que não envolvem a saúde ou a nutrição) de forma mais racional.

3 – Ferramentas de mudança de hábitos: diário alimentar

O diário alimentar nasceu com a ideia de anotar tudo o que se consome — para, desse modo, calcular quantas calorias e quais nutrientes foram ingeridos. Contudo, Flora ensina um método que, segundo ela, é mais fácil de ser aplicado: assim que a fome dá as caras, o paciente escreve no caderno o que está sentindo, por que está se sentindo assim e o que ele pode fazer para diminuir o sentimento sem recorrer à comida.

mudança de hábitos

Divulgação Flora Edler

“É uma forma de monitorar o comer emocional, identificar os sentimentos envolvidos nesse momento e tentar buscar outra forma de lidar com eles”, ela diz. Como resultado, também dá para identificar padrões no comportamento e evitar possíveis episódios de compulsão alimentar.

Fonte: Flora Santos Edler, nutricionista (CRN 10 5332) capacitada em Nutrição Comportamental pelo Instituto de Nutrição Compostamental.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Por quanto tempo devo tomar ômega
Alimentação Bem-estar

Por quanto tempo devo tomar Ômega 3?

Muitas pessoas se perguntam: Por quanto tempo devo tomar ômega 3? Veja recomendações importantes sobre o consumo prolongado

Por quanto tempo devo tomar vitamina C
Alimentação Bem-estar Saúde

Por quanto tempo devo tomar vitamina C?

Aliada a imunidade e a beleza, a vitamina C está ligada a uma série de benefícios para a saúde. Veja recomendações sobre o consumo prolongado

ator Cauã Reymond segurando um garfo e uma faca e usando um babador
Alimentação Bem-estar

Cauã Reymond mostra jantar saudável com sopa, frango e legumes

Ator compartilhou em suas redes socais o que comeu na noite de Dia dos Namorados (12/06). Confira o jantar de Cauã Reymond