Alimentação back to basic é o que defende a nutricionista Alê Luglio

Alimentação Bem-estar
15 de Dezembro, 2022
Alimentação back to basic é o que defende a nutricionista Alê Luglio

Criada em contato com a natureza e bastante próxima aos animais, Alessanda Luglio se formou em Nutrição pela Universidade de São Paulo (USP) e, hoje, é referência no ativismo vegano. Durante a nona edição do Congresso Vegetariano Brasileiro, que aconteceu entre os dias 8 e 11 de dezembro na cidade de São Paulo, a profissional falou sobre a importância de repensar as escolhas alimentares, levando em consideração não somente interesses pessoais, mas os de outros seres e do planeta que se habita também. Acima de tudo, ela defende que a alimentação back to basic (de volta ao básico) é a solução na construção de uma sociedade saudável, equilibrada e harmônica.

“O nosso futuro como humanidade é ancestral”

Única vegetariana da turma da faculdade, Alê levou um tempo até de fato se encontrar na nutrição. Durante um período, ficou conhecida como a nutricionista das celebridades. Para conseguir uma consulta, era preciso garantir lugar na fila e ter paciência para esperar. Tudo isso porque, segundo ela, havia uma “fórmulazinha mágica” que ela aplicava com seus pacientes para que eles conseguissem emagrecer e conquistar o tão desejado corpo dos sonhos para o verão.

“Eu me senti mal fazendo as pessoas emagrecerem a qualquer custo. Isso fazia com que elas não entendessem o que estavam comendo e não tivessem a mínima conexão com a comida. Então, eu fui deixando o consultório porque eu comecei a entender que a nutrição ia muito além”, declarou.

O que é nutrir

Nesse momento, a nutricionista se reconectou com a menina que um dia foi e que brincava no campo, plantava o próprio alimento e abraçava os animais. Para ela, hoje, a nutrição tem um sentido muito mais amplo quando vista como uma proximidade com o que vem da terra. Ela reforça que entendeu que fazia parte de algo muito maior. Por isso, defende que a nutrição é muito mais do que pensar em um cardápio alimentar ou nas calorias que se ingere.

Depois de muitos estudos e de dedicação para expandir a consciência, Alê passou a investigar mais sobre os impactos da indústria alimentícia e da agropecuária em todo o ecossistema – desde questões relacionadas à saúde individual até problemas ambientais e os ataques à vida animal.

“Todo esse conhecimento me trouxe uma sensação de pertencimento ao planeta. Eu me senti parte de algo muito grande. Entendi que as minhas atitudes e as minhas ações não agem sozinhas. E as consequências delas não são só para mim”, diz.

Por que devemos repensar?

De acordo com a nutricionista, é preciso começar a relacionar as escolhas alimentares a questões maiores do que o próprio prato. Durante a palestra, ela cita itens, como: desertificação do solo, perda de biodiversidade, desmatamento e uso intensivo de agrotóxicos. Pontos que estão diretamente ligados com a forma de produzir o alimento e a maneira com a qual o consumimos.

“Nós estamos de uma forma extremamente cruel danificando as estruturas básicas que mantêm a vida na Terra para a gente comer do jeito que a gente está comendo”, opina. 

Ela explica, ainda, que o sistema atual de produção de alimento é ineficiente, uma vez que ao alimentar o animal com um alimento natural, como o milho, perdem-se muitas calorias que poderiam ter sido aproveitadas para consumo humano. “De cada 9 calorias que nós plantamos de vegetais, a gente recebe 1 caloria por meio da carne. No caso do frango, 11% é convertido, enquanto 89% de toda aquela área e de todas aquelas calorias simplesmente evaporaram”, esclarece.

Além disso, a nutricionista comenta que apenas 16% das proteínas vegetais cultivadas são direcionadas para consumo humano. A maior parte é usada para alimentar os animais em criação.

“Hoje a gente planta muito mais comida para bicho do que comida para a gente.”

Leia também: Veganismo popular: é possível tirar a carne sem gastar muito?

Alimentação back to basic

Segundo a profissional, diante de uma realidade em que 75% das mortes do mundo são de doenças crônicas não transmissíveis, isto é, condições evitáveis relacionadas ao estilo de vida, muitas inclusive associadas ao sobrepeso e a obesidade, e em que 33 milhões de brasileiros passam fome, é urgente a necessidade de repensar a relação com a comida.

A alimentação back to basic, como defende Alê, significa um maior consumo de alimentos que vêm da terra – por exemplo vegetais, frutas, grãos, etc. Aqui, ela ressalta que o consumo de carne é uma escolha e não uma necessidade. “Tudo o que a gente precisa está no ambiente”, diz.

Ela ainda cita a importância do movimento Segunda sem Carne, uma iniciativa de conscientização que chegou ao Brasil em 2009 e incentiva as pessoas a ficarem sem produtos de origem animal durante um dia da semana. A ideia não é focar em tirar a carne do prato, mas em abrir espaço para descobrir novos sabores.

“Essa monotonia de priorizar e protagonizar pratos com alimentos de origem animal traz um problema seríssimo em toda a cadeia e para todas as pessoas. A gente vive em um país com uma diversidade de plantas absurdamente rica, mas ficamos comendo sempre a mesma coisa”, declara.

Pensar o futuro

Nesse sentido, Alê convida todos a entenderem, sobretudo, que os impactos das ações individuais são coletivos – e que, por isso, vale a pena repensar as próprias escolhas alimentares e se tornar um agente de transformação.

“A gente tem que ter a responsabilidade de libertar os outros porque não é justo usarmos a nossa liberdade para tirar a liberdade dos outros. Isso é sobre comida. Sobre entretenimento. Isso é sobre vestuário. É sobre as coisas que fazemos muitas vezes no piloto automático e que não dá mais tempo”, finaliza.

Fonte: palestra “Muito Além do Prato”, ministrada pela nutricionista Alessandra Luglio durante a nona edição do Congresso Vegetariano Brasileiro

Descubra seu peso ideal. É grátis! Saiba se seu peso atual e sua meta de peso são saudáveis com Tecnonutri.
cm Ex. 163 kg Ex. 78,6

Leia também:

lata de leite condensado cozida aberta com abridor
Bem-estar Casa

Doce de leite na air fryer dá certo? Pode explodir?

Uma receita de doce de leite na air fryer viralizou recentemente no TikTok. Mas será que realmente dá certo? Confira

foto de folhas de citronela em uma bandeja de bambu
Bem-estar Casa Saúde

Planta citronela espanta mosquito da dengue?

A planta possui um óleo essencial desagradável para alguns insetos. Contudo, a citronela não deve ser a única estratégia para espantar o mosquito da dengue

ovo ajuda no ganho de massa
Alimentação Bem-estar

Aumentar o consumo de ovos ajuda no ganho de massa muscular?

Um adulto deve ingerir cerca de 1 a 3 ovos por dia, mas recomendação pode mudar dependendo individuais