Medicina de precisão na gravidez pode salvar a vida do bebê

Gravidez e maternidade Saúde
21 de Outubro, 2021
Medicina de precisão na gravidez pode salvar a vida do bebê

A medicina de precisão é uma abordagem que usa informações genéticas e análise de dados para prever doenças e oferecer tratamento personalizado. Ela vem sendo cada vez mais utilizada antes e durante a gestação para predizer o risco de doenças nos bebês (segundo o DNA familiar), diagnosticar alterações genéticas nos fetos e até salvar a vida de crianças com problemas no crescimento intrauterino.

A investigação do DNA do feto pode ser ferramenta importante para a definição de um prognóstico médico – que é a avaliação de como essa alteração pode interferir na saúde da criança e das possibilidades terapêuticas a partir daí. Já a análise de dados utiliza recursos, como a inteligência artificial, para a criação de modelos preditivos. Desse modo, permite que as equipes médicas tomem decisões mais assertivas para preservar a vida das gestantes e dos fetos.

“A medicina de precisão é importante para determinar um diagnóstico. E ter um caminho bem delineado em termos de acompanhamento médico do paciente e aconselhamento da família, uma vez que ela precisa estar preparada para os possíveis cenários”, explica a médica geneticista Mirlene Cernach, professora titular da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes).

Leia também: Pré-natal psicológico: Cuidar da mente durante a gestação

Quais condições a medicina de precisão pode prever?

Entre as alterações genéticas que a medicina de precisão ajuda a diagnosticar precocemente está a síndrome de Down (trissomia do cromossomo 21). Além disso, podem ser identificadas alterações nos cromossomos 13, 18, X e Y. “Estes são os cromossomos mais acometidos por trissomias (presença de três cromossomos em vez de dois). As alterações nos cromossomos 13 (Síndrome de Patau) e 18 (Síndrome de Edwards) resultam em quadros mais graves no desenvolvimento do feto, que podem levar ao aborto espontâneo, problemas cardíacos ou malformações sérias”, explica a médica.

Ademais, o acompanhamento da gestação com o pré-natal e a realização de exames de imagem – ultrassom – são passos importantes para a identificação da necessidade do uso da medicina de precisão.

“Em muitos casos, o ultrassom, principalmente o morfológico, dá aos médicos indicativos da necessidade de exames genéticos ou do uso de análise de dados. Um deles é o desenvolvimento do feto na barriga da mãe. Histórico familiar de doenças genéticas ou outro fator de risco na gestante, como idade acima dos 35 anos ou alguma malformação gestacional anterior, também são indicativos para uso da medicina de precisão”, diz Mirlene.

Dentro dessa abordagem médica, o uso da análise de dados e da inteligência artificial pode salvar a vida de bebês em casos de restrição de crescimento fetal intrauterino, quadro que ocorre entre 7% e 15% das gestações e é a segunda principal causa de mortes de bebês durante a gravidez. O problema é causado principalmente pela dificuldade de passagem de nutrientes e oxigênio através da placenta para o feto, chamada de insuficiência vascular uteroplacentária.

Leia também: Hiperêmese gravídica: Os riscos do excesso de enjoos na gestação

Estudo

Um estudo realizado por pesquisadores do Hospital Israelita Albert Einstein ajuda a identificar o momento em que o crescimento do feto começa a ser prejudicado. “Com o uso da inteligência artificial, conseguimos criar um modelo matemático que nos diz se a paciente está bem. Ou, então, se é necessário antecipar o parto para evitar o sofrimento agudo do feto e até a sua morte”, explica Linus Pauling Fascina, gerente médico da área materno-infantil do Einstein e um dos autores da pesquisa.

O estudo utiliza como base de dados imagens de ultrassom de 28 mil gestações e seus desfechos para predizer a possibilidade de um cenário de interrupção de fluxo de transporte de nutrientes ocorrer em uma gestação atual.

Além disso, o cruzamento das informações, via inteligência artificial, permite prever qual o resultado de cada tipo intervenção médica. Ou seja, em que casos é possível pensar em soluções que melhoram o fluxo de chegada do alimento ao feto. E quando é mais seguro – para a mãe e para o bebê – optar por um parto prematuro.

“O mais importante não é o motivo pelo qual o feto está com retardo no crescimento intrauterino. Mas sim a identificação do melhor momento para uma intervenção médica de forma personalizada. A análise de dados nos permite comparar as informações de uma gestação com milhares de outros casos similares. Com isso, há a redução de chances de sofrimento do feto e do número de mortes por esta causa”, continua o médico.

De acordo com o especialista, estudos como esse têm grande potencial para serem reproduzidos também em instituições de saúde da rede pública. “É replicável, confiável e permite incremento de informações constante”, conclui.

Leia também: Gravidez depois dos 40 anos: Dicas para uma gestação saudável

(Fonte: Agência Einstein)

Leia também:

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

doação de óvulos qualidade dos óvulos
Gravidez e maternidade

É possível melhorar a qualidade dos óvulos de uma mulher?

O DNA dos óvulos que uma mulher libera ao longo da vida forma-se antes mesmo do nascimento dela. Mesmo assim, é possível melhorar a qualidade dos

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante