Escoliose: conheça os principais sintomas e os tratamentos

25 de July, 2022

Sem dúvidas, a má postura é responsável por causar diversos problemas na coluna. Entre tantas condições, existe a escoliose, que provavelmente você já deve ter ouvido falar.

O que é escoliose

A escoliose, popularmente chamada “coluna torta”, é uma curvatura lateral que deixa a coluna em forma de C ou S. De acordo com a Fundação Nacional para a Escoliose, dos Estados Unidos, a enfermidade atinge de 2% a 3% da população e é mais comum em adolescentes. Mas pessoas de qualquer idade podem sofrer com a alteração postural, inclusive idosos.

Causas da escoliose

Embora a maioria dos quadros seja idiopática, ou seja, sem uma origem definida, alguns fatores podem contribuir para a condição. Existem pessoas que nascem com a malformação devido a mutações genéticas, como uma assimetria das pernas que provoca o desajuste da coluna; uma deformidade específica da própria coluna; ou, ainda, outros tipos de problemas neuromusculares que ocasionam a descompensação postural. Além disso, a escoliose pode se manifestar durante a puberdade, quando se dá o “estirão” ou rápido crescimento. Sendo assim, entre os idosos, a alteração na coluna tem como principal fator o envelhecimento e as doenças decorrentes do processo, como a osteoporose.

Veja também: Por que é importante ter uma boa postura

Sintomas da escoliose

Dependendo do estágio da escoliose, é possível perceber a assimetria quando a pessoa está de frente ou de costas. Contudo, esses são os principais sintomas:

  • Um ombro mais alto que o outro.
  • Uma perna mais curta que a outra.
  • Mamilos assimétricos (um mais alto do que o outro).
  • Costelas e escápulas salientes em um dos lados do tórax.
  • Quadril e escápulas inclinados.
  • Dor nas costas de acordo com a posição.
  • Desconforto muscular.

Quadros mais graves podem reduzir a mobilidade da coluna e o espaço do tórax. Como resultado, o indivíduo pode ter dificuldade para respirar ou desenvolver mais riscos de problemas cardiorrespiratórios, devido à compressão exercida pela deformidade da postura.

Tipos de escoliose

A classificação varia de acordo com a possível causa e a região afetada da coluna. Dessa forma, o médico avalia se a curvatura é para a esquerda ou para a direita, se é em forma de C (com apenas uma curvatura), ou em forma de S (quando existem duas curvaturas). Basicamente, a escoliose possui os seguintes tipos:

  • Idiopática: quando não se conhece a causa (65% a 80% dos casos).
  • Congênita: bebê nasce com escoliose por causa de malformação das vértebras.
  • Degenerativa: surge na fase adulta devido a lesões e razões secundárias, como a osteoporose.
  • Neuromuscular: como consequência de condições neurológicas, como a paralisia cerebral.

Vértebras afetadas

  • Cervical: C1 a C6;
  • Cervico-torácica: C7 a T1;
  • Torácica ou dorsal: T2 a T12;
  • Toracolombar: T12 a L1;
  • Lombar: L2 a L4;
  • Lombossacral: L5 a S1.

Especialidades envolvidas no tratamento da escoliose

A princípio, o primeiro profissional que identifica e acompanha o paciente ao longo de sua jornada é o ortopedista. Logo, o médico pode ser cirurgião de coluna ou direcionar para um especialista da área. No decorrer do tratamento, é possível ter contato com fisioterapeutas, osteopatas e outros profissionais que intervêm com cuidados que ajudam na melhoria da escoliose, de acordo com seu grau. Por fim, é importante ter um especialista da educação física em contato com as outras áreas para oferecer um treinamento alinhado às necessidade e limitações da pessoa.

Perguntas frequentes

Maus hábitos podem influenciar o problema?

A princípio, não há consenso médico sobre o poder de determinados hábitos sobre a condição. Mas é fato que má postura, sedentarismo, passar muito tempo em uma única posição e realizar exercícios de forma errada podem agravar o quadro e acelerar o estágio evolutivo da doença. Demais causas secundárias como tumores, obesidade e acidentes que provocam traumas também são considerados no diagnóstico da escoliose.

Afinal, é possível prevenir a escoliose?

Se o desvio da coluna for congênito ou causado por traumas e outras enfermidades, como a paralisia infantil, algumas medidas desde a infância são capazes de prevenir ou reduzir as chances da doença:

  • Fazer atividades que fortalecem e estimulam a melhoria da postura: quanto mais cedo houver a consciência corporal, menores os riscos de desenvolvimento inadequado da coluna.
  • Controlar o peso: a obesidade pode ser um fator de risco para a escoliose e outros distúrbios e alterações não só da coluna, mas de todas as articulações.
  • Carregar objetos pesados com cuidado e atenção à postura. Distribuir o peso pelos dois lados do corpo e manter a coluna firme são essenciais nessas ocasiões.
  • Adotar uma alimentação saudável e rica em nutrientes como o cálcio, que possui uma participação importante na saúde dos ossos.

Tem cura?

Sim, a boa notícia é que, normalmente, existe cura para a escoliose. Contudo, o sucesso do tratamento vai depender de diversos fatores, principalmente pela gravidade da curvatura.

O que acontece se a escoliose não for tratada?

Assim como outros problemas de saúde, quando não há tratamento adequado, a escoliose pode trazer várias complicações, tanto para a saúde física quanto mental. Portanto, veja abaixo:

  • Problemas respiratórios;
  • Progressão da coluna;
  • Danos na medula ou nervo espinhal;
  • Autoestima baixa;
  • Dor na coluna lombar ou cervical;
  • Infecção na coluna.

Diagnóstico da escoliose

O diagnóstico da escoliose é feito pelo médico ortopedista a partir de exames físicos para testar a movimentação e a flexibilidade do paciente. Dessa maneira, juntamente com a análise clínica, o médico deve solicitar um exame de raio-X para identificar as vértebras alteradas, a coluna e o quadril. Além disso, pode ser feita uma ressonância magnética para se obter mais detalhes.

Tratamento

Será de acordo com o estágio da escoliose e vértebras afetadas. Os cuidados envolvem:

  • Fisioterapia: exercícios corretivos, terapêuticos, pilates clínico, manipulação vertebral, RPG (reeducação postural global), osteopatia. Indicada para escoliose com curvatura de até 30 graus.
  • Colete de Boston: além da fisioterapia, é necessário usar o acessório o tempo todo, exceto para o banho. Deve ser utilizado para escoliose entre 31 e 50 graus de curvatura.
  • Cirurgia: quando a coluna possui mais de 50 graus de curvatura, o médico considera a intervenção cirúrgica de reposicionamento ao eixo normal. Como medida, o cirurgião da coluna pode colocar placas ou parafusos que auxiliam na centralização da coluna. No entanto, o resultado é mais eficaz em crianças e adolescentes. Por isso, é menos indicada em outros casos.

Medicamentos para escoliose

São prescritos para controlar a dor, que varia com o avanço da doença. Por exemplo: aspirina, paracetamol, ibuprofeno, dipirona e diclofenaco de sódio. Mas se o incômodo for intenso, o médico poderá recomendar medicamentos de uso controlado.

Exercícios para escoliose

Após o controle do quadro inflamatório, é importante manter a fisioterapia associada a outras modalidades. É essencial promover o fortalecimento muscular, pois ajuda a aliviar as dores e melhorar a postura. Contudo, vale dizer que nem todos os exercícios são acessíveis para quem tem escoliose. Assim, para realizá-los, é importante ter a orientação de um profissional em relação ao movimento e postura adequada, para não comprometer ainda mais a saúde da coluna. Veja algumas modalidades a seguir e clique aqui para ver outros exercícios específicos para a escoliose.

  • Musculação: os exercícios com pesos e equipamentos pode ajudar a corrigir descompensações musculares e dar mais estabilidade à coluna.
  • Yoga: as posturas trabalham flexibilidade, mobilidade e força de forma equilibrada, além de proporcionar relaxamento e bem-estar. Em contrapartida, é essencial ter atenção às posturas de rotação da coluna, que podem sensibilizar e machucar a região.
  • Natação: de baixo impacto, estimula a força e o condicionamento e sua intensidade pode ser dosada.
  • Pilates: além do terapêutico, as aulas feitas em equipamentos são ótimas, pois têm o acompanhamento mais individualizado. Assim, o método preza o controle da respiração em conjunto com a realização dos movimentos, que ativam as musculaturas mais profundas.

Como ter uma boa postura?

Para ter uma boa postura é preciso entender que a coluna tem três curvas naturais: uma no pescoço (coluna cervical), outra no meio das costas (coluna torácica) e outra na parte inferior das costas (coluna lombar). Diante disso, uma boa postura deve apoiar essas curvas. Confira dicas de como adquirir esse hábito:

  • Quando estiver em pé: a cabeça deve estar posicionada acima dos ombros e a parte superior dos ombros acima dos quadris. 
  • Quando está sentado: as costas devem estar retas, ombros devem estar para trás e os glúteos devem tocar as costas da cadeira. Se você está acostumado a cruzar as pernas, saiba que isso altera o alinhamento pélvico, que também pode afetar a região lombar. 
  • Se movimentar: É importante fazer caminhadas pelo escritório, ou pausas a cada 30 minutos. 
  • Posição ao dormir: se o corpo não está em uma boa posição ao repousar, pode causar dor e rigidez. Você pode tentar dormir de lado ou de costas. É normal com o tempo você ainda acordar em uma posição diferente da que se deitou, mas com o tempo o corpo pode ser disciplinado e acostumar a descansar de uma maneira que coloca o mínimo de estresse possível. 

E no home office?

Desde o início da pandemia, muitas pessoas passaram a trabalhar em casa. Mas, pode ser difícil se acostumar com a configuração de trabalho no começo, pois o ambiente da sua casa não é como o escritório. Como consequência, é comum esquecer de se atentar para ter uma boa postura

Coloque o computador/notebook na altura dos olhos

Para manter o pescoço e os ombros na posição vertical, é fundamental colocar o computador altura dos olhos. Uma alternativa que pode ajudar é colocar um pedaço de fita adesiva na parede um pouco acima do nível dos olhos e, em 30 segundos a cada 15 minutos, observe a fita em vez da tela para que sua cabeça suba naturalmente. 

Apoie os pés no chão

É importante manter os pés apoiados no chão enquanto trabalhamos. As pessoas tendem a cruzar as pernas ou balançar durante o dia sem perceber. Mas, devemos prestar atenção. Isso porque se os pés estiverem no chão, você estará estável. Caso contrário pode prejudicar o arco na região lombar e causar dores nas costas.

Use uma cadeira de encosto reto

Trabalhar no sofá ou cama não é recomendado pois você não fica totalmente reto e afeta a região lombar e pescoço. Além disso, muitos estão acostumados com cadeiras de escritório que possuem apoio de pescoço – o que provavelmente não é algo que você tenha em casa. Dessa forma, o recomendado é fazer alongamentos no pescoço durante o dia para evitar dor e tensão. 

Leia também: Alongamento para diminuir a tensão no pescoço

Coloque os braços em 90 graus

Ao digitar, é importante garantir que seus cotovelos estejam dobrados a 90 graus para que suas mãos cheguem ao teclado. Também é essencial continuar em movimento, não importa a configuração de trabalho. Ou seja, levante a cada hora para beber água, ir ao banheiro ou apenas para se mover. 

Programas Vitat – Linha de cuidado para escoliose

Pilates em casa

Clique aqui para saber mais

Links úteis

American Association of Neurological Surgeons; Revista Brasileira de Ortopedia (RBO)

Associação de Escoliose do Reino Unido.

ITC Vertebral

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.