Dieta para pancreatite: O que comer e o que evitar

Saúde
09 de Julho, 2021
Dieta para pancreatite: O que comer e o que evitar

Você sabia que existe uma dieta ideal para quem tem pancreatite? Isso mesmo: o que a gente come pode influenciar diretamente no avanço da condição. Entenda melhor a seguir:

A pancreatite é a inflamação do pâncreas, glândula importante para os sistemas digestivo e endócrino, sendo responsável por produzir o suco digestivo e hormônios como a insulina.

A causa do problema está ligada principalmente ao consumo excessivo de álcool, e tem dois tipos: a aguda e a crônica. Ambas trazem consequências negativas para a saúde e possuem sintomas desconfortáveis, como dor abdominal, vômitos, náuseas e diarreia.

No caso da crônica, pode levar ao diabetes, pois o pâncreas fica com a produção da insulina comprometida, assim como a de outros hormônios que metabolizam o açúcar.

Leia também: Melhores alimentos para a saúde do pâncreas

Dieta para a pancreatite

Uma das medidas para o tratamento da pancreatite é a alteração na dieta e no estilo de vida. Então, a primeira recomendação é cortar o álcool, o principal culpado pela doença. Veja o que riscar ou moderar o consumo:

Carne

Amantes da carne vermelha, com aquela camadinha de gordura, atenção. Isso porque uma revisão feita pelo Saudi Journal of Gastroenterology alerta que dietas hiperproteicas e ricas em gordura podem ser responsáveis pelo desenvolvimento de cálculos biliares, que geram pancreatite.

Portanto, reduzir o consumo no dia a dia e optar por fontes mais magras, como frango grelhado e peixes, pode ajudar a melhorar o quadro.

Leite e derivados

Possuem altos teores de gordura e açúcares. Além disso, têm um poder inflamatório muito elevado. Como a pancreatite é a inflamação do pâncreas, qualquer alimento com potencial inflamatório deve ser evitado.

Alimentos fritos e refogados em geral

O modo de preparo faz toda a diferença na saúde de quem sofre com a pancreatite, principalmente a crônica. Desse modo, a gordura utilizada nas frituras ataca o pâncreas e influencia no desequilíbrio de suas funções.

Leia também: Quanto tempo o corpo leva para fazer a digestão dos alimentos?

Alimentos embutidos e ultraprocessados

A quantidade de conservantes, corantes, diversos tipos de açúcares, gorduras e outros ingredientes artificiais também comprometem as atividades do pâncreas. Por isso, evite-os ao máximo!

No caso dos pacientes crônicos, a glândula torna-se extremamente sensível a inflamações e alterações funcionais. Exemplos para passar longe: salsicha, sorvetes, salgadinhos, alimentos industrializados congelados, molhos de salada, ketchup, mostarda e alimentos que contenham gordura vegetal hidrogenada.

Alimentos ricos em açúcar

No caso da pancreatite crônica, a insulina, que controla os níveis de açúcar no sangue, tem sua produção prejudicada. Isso acontece pois ao consumir açúcar em quantidades excessivas, esse açúcar tende a se acumular no sangue por não ter insulina suficiente. O processo pode causar diabetes e complicar a saúde da pessoa.

Dieta para crises de pancreatite aguda

Em crises desse tipo, a pessoa costuma ter náuseas, vômitos e dificuldade para se alimentar. Alguns especialistas recomendam não ingerir nenhum tipo de alimento até que a pessoa melhore — apenas beber água para evitar desidratação. Isso pode levar de 24 a 48 horas, e é necessário acompanhamento médico para introduzir a alimentação quando a crise estiver controlada.

E os alimentos permitidos na dieta para pancreatite?

Após um episódio de pancreatite aguda, é recomendado comer em pequenas quantidades alimentos em forma de suco ou sopa, tudo com pouquíssimas porções de gordura para facilitar a digestão. Veja alguns alimentos com sinal verde para os dois tipos de pancreatite.

Alimentos cozidos ou preparados no vapor

Geralmente, pessoas com pancreatite crônica têm mais dificuldade em absorver macro e micronutrientes. Então, esses modos de preparo conservam melhor as propriedades e os nutrientes dos alimentos.

Temperos naturais na dieta para pancreatite

Cebola, alho, cebolinha, salsa, manjericão, tomilho. Apostar em temperos que vêm da natureza reduz a chance de irritar o pâncreas e o intestino. Sem contar que eles possuem propriedades importantes para o organismo.

Legumes cozidos

Batata inglesa, cenoura, beterraba, abóbora, chuchu. Dependendo do caso, o nutricionista pode sugerir que os legumes sejam consumidos em forma de purê ou sopa.

Frutas

Banana, maçã, uva, pera… A maioria das frutas é permitida, desde que os alimentos sejam apreciados sem casca e sem bagaço para não dificultar a digestão.

Clara de ovo

Uma sugestão é consumir a omelete, preparada com pouquíssima gordura (um fiozinho de azeite é o bastante). Entretanto, alguns especialistas podem liberar o consumo de ovo cozido.

Leguminosas na dieta para pancreatite

Feijões, lentilhas e grão-de-bico são ricos em nutrientes. Porém, deixe-os de molho por, no mínimo, 24 horas. Isso ajuda a eliminar os fitatos que causam dificuldade na absorção de nutrientes, gases e desconfortos abdominais.

Ademais, lembre-se de que este conteúdo é informativo e não substitui o aconselhamento médico. Consulte um profissional para o diagnóstico e tratamento adequados.

Fonte: Diana Dall Agnol, nutricionista da academia Bodytech, unidade Mont’ Serrat, em Porto Alegre/RS.

Seja qual for o seu objetivo, a nutri pode te ajudar!

Agende uma consulta online com as especialistas da Vitat e tenha orientações e dicas focadas nas suas necessidades. Melhore sua alimentação comendo bem e com prazer!

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante

Mortes por AVC
Saúde

Mortes por AVC podem ser associadas às temperaturas extremas

Mais de meio milhão de pessoas tiveram AVC relacionados às temperaturas extremas – muito calor ou muito frio