Dermatite perioral: o que é, sintomas, causa e tratamentos

25 de julho, 2022

A pele pode ter uma série de problemas ao longo da vida, e um dos mais comuns é a dermatite, que se divide em vários tipos, como de corpo, cabeça etc. Aqui, vamos falar sobre a dermatite perioral.

Como o nome indica, ela é uma doença que surge no rosto, especialmente ao redor da boca e do nariz. Saiba mais!

Leia também: Dermatite solar: sintomas, causas e como tratar

O que é dermatite perioral?

A dermatite perioral é uma doença de pele que aparece na região da face.

“As lesões parecem pequenas espinhas e acontecem, principalmente, ao redor da boca e nariz”, explica Geisa Costa, médica dermatologista, de São Paulo.

Apesar de poder acontecer em pessoas de qualquer idade, o problema é mais comum em mulheres na faixa entre 15 e 45 anos.

Além disso, a doença também pode ocorrer em crianças, normalmente dos 6 a 7 anos de idade. Nos pequenos, a incidência segue sendo maior nas meninas, mas com uma diferença não tão grande quanto com os adultos (cerca de 58% dos casos infantis ocorrem em meninas).

Leia também: Dermatites e assaduras no bebê: sintomas, porque aparecem e como prevenir

Causas

De acordo com a médica, ainda não existe uma causa definida para a dermatite perioral. O problema, contudo, pode ter relação com disfunções da camada de barreira da pele, alterações da microflora cutânea e com o sistema imune da pele.

As causas mais conhecidas até então são:

Uso de produtos de uso tópico

Trata-se daqueles produtos que aplicamos direto na pele. Seu uso por certo tempo pode acabar mudando o sistema imunológico da pele. Exemplo disso são os cremes para acne, porque quando usados por um período longo, podem fazer com que a pele ao redor da boca e nariz descasquem e fiquem mais sensíveis.

Leia também: Neurodermatite: O que é e como tratar a condição

Creme dental com flúor

O uso diário do creme dental com flúor pode causar a dermatite perioral por causa de um componente chamado olaflur.

Anticoncepcional

Normalmente a pílula diminui a oleosidade da pele, melhorando a acne no corpo. Contudo, ela também pode acabar ressecando demais a pele, levando à dermatite perioral.

Problemas respiratórios

Pessoas com doenças respiratórias e com o alinhamento anormal dos dentes também têm mais chances de ter este tipo de dermatite, porque a salivação excessiva acaba piorando o problema na pele.

Leia também: Entenda porque a dermatite atópica e a saúde mental têm relação

Uso de máscara

O uso diário de máscaras, especialmente durante o período da pandemia, fez com que a região da boca e nariz ficassem muito abafada, causando uma mudança da pele e, consequentemente, a dermatite.

Por fim, há ainda outros motivos que levam ao surgimento da dermatite perioral, mas não tão comuns quanto os apontados acima:

  • Uso de protetor solar;
  • Colonização da pele por fusobactérias;
  • Infecção por Candida albicans;
  • Gravidez;
  • Exposição solar.

Vale ressaltar, ainda, que a dermatite perioral não é uma doença contagiosa e não tem relação com nenhum tipo de dieta.

Leia também: Afinal, o que causa a brotoeja e como tratar esse tipo de dermatite?

Sintomas

Assim como os sintomas dos outros tipos de dermatite, este quadro costuma aparecer através da erupção de pequenas bolinhas vermelhas ou rosadas, com ressecamento e descamação da pele.

Em resumo, as principais características da dermatite periorificial são:

  • Erupção no queixo, lábio superior e pálpebras;
  • Grupos de lesões avermelhadas;
  • Superfície da pele seca e escamosa;
  • Irritação com sensação de queimação ou ardência.

Leia também: Por que o estresse pode causar dermatite?

Dermatite Periorificial Granulomatosa

A dermatite periorificial granulomatosa é uma variante da perioral que acontece em crianças pouco antes da fase da puberdade.

Este quadro apresenta lesões inflamatórias pequenas em tons de vermelho, marrom ou amarelo na região do nariz, boca e olhos. É possível, contudo, que outras áreas além do rosto também possam ser afetadas.

Leia também: Dermatite atópica em crianças pode piorar desenvolvimento escolar. Entenda porque!

Diagnóstico e tratamento da dermatite perioral

De acordo com Geisa, o diagnóstico é feito pelo dermatologista com base nos sintomas do paciente. Contudo, também é levado em consideração o aspecto da erupção e em que parte o corpo ela se manifesta.

Após confirmar a presença da dermatite perioral, o médico deve avaliar a intensidade da doença para indicar o melhor tratamento.

Normalmente, há dois caminhos a seguir:

Hidratação

“Nos casos mais leves, hidratantes com a capacidade de restaurar a barreira cutânea podem resolver”, diz a profissional.

A hidratação da pele é muito importante, até mesmo para que a barreira que protege a pele mantenha a sua função, ajudando a diminuir a inflamação. Séruns e cremes leves também são boas alternativas, desde que indicados pelo profissional da saúde. Há várias opções no mercado, como agentes emolientes e umectantes, fundamentais para esse processo.

Leia também: Afinal, o que é dermatite de contato?

Uso de antibióticos

“Quando a dermatite está mais grave, o dermatologista pode recomendar o uso de antibióticos por períodos de até 30 dias”, ela aponta.

Os mais comuns costumam ser tetraciclina e limeciclina, porque atuam também como anti-inflamatórios que inibem que as células inflamatórias cheguem até a área da pele com o problema.

Vale destacar, ainda, que mesmo que o tratamento seja eficaz, o problema pode voltar a se manifestar no futuro.

“Nestes casos, o tratamento precisa ser feito novamente”, acrescenta.

Leia também: Sol também pode causar dermatite: saiba como, porque e como tratar!

5 cuidados com a dermatite perioral

Confira a seguir 5 cuidados para quem sofre com a dermatite perioral manter em seu dia a dia:

1. Não usar água quente para lavar o rosto;

2. Excluir sabonetes e outros produtos com substâncias reativas, parabenos e fragrâncias;

3. Usar hidratantes com fórmulas minimalistas e calmantes, porque eles ajudam a reforçar a barreira de proteção da pele;

4. Decidir com o seu dermatologista a melhor forma de depilar o buço para prevenir crises;

5. Evitar o uso de cremes dentais que possam causar irritação e queimadura na pele.

Fonte: Geisa Costa, médica dermatologista e fundadora do Art Beauty Center, de São Paulo; Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Sobre o autor

Ana Paula Ferreira
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em beleza e bem-estar.