Brotoeja: saiba o que causa a dermatite e como tratá-la

16 de dezembro, 2021

A brotoeja, também conhecida como miliária, é uma dermatite inflamatória que surge quando as glândulas sudoríparas ficam bloqueadas e impedem a saída do suor do corpo.

Dessa forma, fatores como excesso de calor, roupas e agasalhos, umidade da pele e febre alta levam ao aparecimento de pequenas bolinhas de água que causam coceira e ardência. No entanto, a irritação é mais comum em bebês. Isso porque as glândulas de suor ainda não estão totalmente desenvolvidas. 

As lesões costumam aparecer no pescoço, rosto, tronco, axilas e dobras. Nesse sentido, é recomendado manter a pele limpa e seca até o desaparecimento, que deve acontecer dentro de poucos dias. 

Leia mais: Exposição da pele ao sol: como se proteger no verão

Tipos de brotoeja

O tipo de brotoeja varia de acordo com a profundidade que aconteceu o bloqueio da glândula. Dessa forma, os principais são:

  • Miliária cristalina ou sudâmina – acontece em um ponto mais superficial da epiderme. As bolhas são pequenas, transparentes e sem inflamação. Não há sintomas importantes, apenas leve coceira
  • Miliária rubra ou brotoeja –  região intermediária da pele. As pápulas são vermelhas e inflamadas, além de variações de bolhas de água. Se houver infecção bacteriana, a lesão pode ficar amarelada de pus e causar ardência.

Principais sintomas

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, os principais sintomas da brotoeja são erupções, bolhas, manchas vermelhas, saliências, prurido (coceira) e queimação. Na miliária cristalina, as bolhas aparecem de forma repentina, podendo atingir grandes áreas do corpo. Ocorrem, particularmente, em recém-nascidos, adultos e pessoas idosas, após condições que causem sudorese excessiva.

Quando a brotoeja é rubra, a erupção é mais profunda, inflamatória e causa prurido. Além de condições de hipersudorese, o uso de substâncias químicas (bronzeadores, óleos, alguns cremes gordurosos) também pode ser responsável por causar obstrução dos poros glandulares. As regiões mais propensas a apresentar essa dermatite são axilas, virilhas e áreas nas quais há fricção da pele. A obstrução recorrente dos ductos e a continuidade das lesões podem fazer com que se transformem em miliárias profundas.

Tratamento

Na maioria das vezes, o problema desaparece sozinho, quando o calor e a umidade do ambiente diminuem, e o paciente permanece em ambientes frescos, ventilados ou com ar condicionado, com o objetivo de aliviar o desconforto e a melhora das lesões. O tratamento levará em conta as características das lesões, a parte do corpo na qual se instalaram e a idade do paciente.

Em crianças pequenas, por exemplo, a ingestão exagerada de líquidos favorece a sudorese. Medidas a fim de refrescar a pele e evitar a transpiração anormal, e o uso de pasta d’água podem ser úteis nesses casos. Apesar desses pacientes apresentarem sudorese de grande monta, deve-se tomar cuidado com o uso excessivo de sabonetes que, ao ressecarem a pele, poderão causar obstrução dos poros. O uso de hidratantes associados a secativos pode ser indicado. É importante manter o ambiente fresco e ventilado, usar roupas leves e claras. O tratamento mais indicado neste caso é o tópico.

Dessa forma, para prevenir, o ideal é evitar usar muita roupa, principalmente em dias quentes, principalmente no caso das crianças. Se houver propensão à brotoeja, evite atividades que causam aumento da transpiração. Além disso, mantenha o ambiente fresco e arejado no verão, com a ajuda de aparelhos de ar-condicionado ou ventiladores. Por fim, sempre que possível, utilize roupas de algodão ou fibra natural, pois as feitas em tecido sintético costumam reter o calor e o suor.    

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.