Superalimentos: O que são e como incluir no cardápio

21 de agosto, 2019

Todo ano são lançadas tendências no mundo da nutrição que despertam o interesse das pessoas: dietas que prometem resultados rápidos, como suplementos que emagrecem ou ajudam a ter mais disposição, por exemplo. Os superalimentos se enquadram nesse rol de itens promissores para a saúde. 

O diferencial é que os superalimentos detêm propriedades funcionais e outros benefícios que os “alimentos comuns” não oferecem: contribuem para um envelhecimento saudável, bem como pele e cabelo, além de um corpo mais sequinho, melhorar o desempenho esportivo e por aí vai. 

Ou seja, eles podem ter mais fibras, vitaminas e outros micronutrientes do que o normal, o que lhes confere o status de “super”. Mas sua principal característica é a abundância de substâncias antioxidantes e vitaminas como A, C e E, flavonoides, betacaroteno e ômega-3, que atuam contra os radicais livres, melhoram a imunidade e previnem doenças cardíacas, dentre muitos outros benefícios.

Entretanto, há especialistas que acreditam que se trata de um exagero, que alimentação e estilo de vida equilibrados são capazes de fornecer o que esses superalimentos prometem isoladamente. É fato que nenhum alimento ou suplemento faz milagre sozinho e traga todas as soluções para os problemas de saúde. Mas alguns alimentos, podem e devem fazer parte da sua rotina por causa de seu valor nutricional. 

Os superalimentos que não podem faltar no seu cardápio

Neste caso, estamos classificando essa lista como “super” por causa de suas propriedades que merecem destaque. Assim, eles devem ser consumidos no contexto de uma dieta saudável, rica em vegetais, legumes, verduras, grãos e frutas. Afinal, nenhum alimento sozinho é capaz de oferecer todos os macro e micronutrientes que o corpo necessita. A boa notícia é que muitos desses alimentos são fáceis de encontrar. 

Inhame

É rico em proteínas, fósforo, potássio, carboidratos complexos e fibras, bem como minerais e outros nutrientes que auxiliam o sistema imunológico, fornecem energia para os treinos, ajudam no desenvolvimento de massa muscular e controlam a quantidade de açúcar no sangue. Seu consumo pode estar ligado à prevenção de câncer e processos inflamatórios. 

Blueberry (mirtilos)

Abundante em vitamina C e flavonoides, pode evitar a obesidade, doenças cardiovasculares e controlar diabetes. Ainda participa da saúde dos ossos, previne câncer e estimula o funcionamento do sistema gastrointestinal, além de promover saciedade. 

Spirulina

Comumente encontrada na forma de pó, é uma alga rica em vitaminas, minerais, aminoácidos e proteínas. Suas diversas propriedades podem dar uma forcinha para a disposição nos treinos, recuperação muscular e emagrecimento. 
Consumi-la a seco confere sensação de saciedade, inibindo a fome – por isso ajuda no emagrecimento.

Goji berry

São pequeninas bagas cor de rosa e de gosto levemente adocicado, e fontes potentes de vitamina e taurina, que atuam na boa saúde da visão. Vitamina C, B6, selênio e carotenoides também fazem parte da composição da gojiberry. Em resumo, a pequenina goji pode prevenir gripes, melhorar o aspecto da pele, a produção de serotonina, além de ajudar a emagrecer.

Sementes de chia: um dos superalimentos mais fáceis de encontrar

Fontes de cálcio, proteínas e fibras, ômega-3 e antioxidantes. Ao consumir duas colheres rasas de sopa por dia, ela torna-se uma aliada da perda de peso, do colesterol equilibrado, do intestino saudável, da saúde dos músculos. Uma pesquisa publicada na Nutrition Research and Practice mostrou que comer sementes de chia no café da manhã aumenta a saciedade e reduz a ingestão de alimentos a curto prazo. Ou seja, também pode ajudar a controlar a compulsão. 

Abacate

Campeão em vitaminas E, A, B1, B2, gorduras monoinsaturadas, cálcio, sais minerais, ferro, fósforo e magnésio. Também possui alta quantidade de gorduras consideradas do bem, que aumentam o colesterol HDL. Outro plus: abacate é rico em glutationa, o antioxidante mais potente que existe no corpo humano.

Superalimentos: Moringa

Disponível em forma de chá, pó, folha e cápsulas, a moringa é bem utilizada na ayurveda, a medicina indiana. Contém vitaminas A e C, e minerais como cálcio e potássio. Outro benefício é que ela possui ácido oleico, que está ligado aos níveis elevados do colesterol bom no organismo. 

Fonte: Gabriela Cilla, nutricionista e gastróloga. Especialista em nutrição clínica, funcional e esportiva.

Leia também: Os vegetais mais saudáveis para colocar na dieta

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.