Retinol: o que é, para que serve e quais seus benefícios para a pele

21 de junho, 2022

O retinol é um dos ativos mais usado em tratamentos de envelhecimento da pele, conhecido especialmente por reduzir as rugas e linhas de expressão do rosto e da área dos olhos.

De acordo com a médica dermatologista Cintia Cunha, o ingrediente é derivado da vitamina A e costuma ser usado em doses mais concentradas, que contribuem com o rejuvenescimento da pele.

A seguir, a profissional explica tudo sobre o tema. Confira!

Leia também: Afinal, como tratar as rugas ao redor dos lábios?

O que é retinol?

Segundo Cintia, o retinol é um ativo usado em doses bem concentradas através de séruns, tendo como principal função promover a renovação celular.

“A renovação elimina as peles mortas e, como resultado, surgem células novas”, explica ela.

Com isso, os benefícios do seu uso são:

  • Estímulo da produção de colágeno novo;
  • Produção de mais fibras elásticas na pele;
  • Melhora na firmeza da pele;
  • Redução das rugas mais finas;
  • Eliminação das células manchadas.

Os resultados dos efeitos causados pelo retinol, portanto, são de uma pele mais firme e sem manchas.

Leia também: Pés de galinha: veja como tratar as rugas nos olhos

Como usar esse ativo?

Cintia afirma que o retinol pode ser usado todos os dias, de preferência no período da noite.

“Para pacientes com peles muito sensíveis, a indicação é aplicar em noites alternadas, até que a pele se adapte ao produto e dê para usá-lo diariamente.”

Vale ressaltar, contudo, que pessoas com rosácea têm naturalmente a pele mais sensível. Portanto, para estes casos, a recomendação é usar o retinol apenas com orientação médica.

Além disso, também existe contraindicação do uso para gestantes e pacientes muito jovens, com idade abaixo dos 15 anos.

Leia também: Afinal, gelo no rosto faz bem para a pele? Conheça os benefícios

Malefícios do uso do retinol

Segundo a médica, o retinol costuma ser um ativo mais bem aceito pela maioria das peles. Contudo, existe um composto com nome bastante parecido e que pode oferecer alguns efeitos mais fortes: o ácido retinóico.

“O ácido retinóico também é um derivado da vitamina A, porém tem características muito mais irritativas, capazes de levar a um ressecamento da pele e de promover uma sensibilidade. Ambos são bons, mas não os confunda”, ela explica.

Leia também: Benefícios dos diferentes ácidos para a pele

“O ácido retinóico tem uma potência um pouco maior, portanto, pode sim causar alguns malefícios. Para usá-lo, precisa de recomendação médica, diferentemente do retinol, que é um sérum mais tolerável”, completa.

Entre os efeitos negativos que o retinol pode causar, estão apenas a possibilidade de pequena ardência ou leve descamação da pele.

Ambos, contudo, costumam passar despercebidos pela maioria das pessoas uma vez que, de acordo com a profissional, as características da molécula do retinol trazem mais conforto à pele.

Fonte: Cintia Cunha, médica dermatologista e tricologista, de Minas Gerais.

Sobre o autor

Ana Paula Ferreira
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em beleza e bem-estar.