Linfedema: O que é, tipos, como identificar e principais tratamentos

25 de novembro, 2021

O linfedema é o acúmulo de líquido linfático (a linfa) no tecido adiposo (ou seja, camada de gordura). Ele é caracterizado pelo inchaço em geralmente apenas uma das pernas ou em um dos braços, mas também pode acometer rosto, pescoço, abdômen e órgãos genitais. Apesar de não ter cura, certos hábitos podem ajudar a aliviar os sintomas da condição. Saiba mais:

Linfedema: O que é

Primeiramente, vale entender o que é o sistema linfático: trata-se de um mecanismo de defesa do corpo que tem por objetivo evitar a propagação de infecções e câncer. Para fazer isso, os vasos linfáticos retiram a linfa das nossas células — líquido claro que é constituído por água, glóbulos brancos do sangue, proteínas e gorduras.

A linfa, por sua vez, é filtrada por pequenas estruturas denominadas linfonodos. São eles os responsáveis por identificar e destruir células cancerosas e agentes infecciosos da linfa. Depois de “limpa”, a linfa volta para os vasos sanguíneos.

O linfedema surge, então, quando os vasos linfáticos não funcionam adequadamente e não conseguem drenar a linfa dos tecidos. É por isso que ocorre o inchaço. O problema é dividido em dois tipos:

Linfedema primário

Acontece quando o corpo tem um número tão pequeno de vasos linfáticos que eles não dão conta de processar toda a linfa. Nesse caso, o inchaço atinge quase sempre as pernas — os braços raramente são afetados.

A causa do linfedema primário é hereditária, e os sintomas normalmente aparecem na adolescência ou na idade adulta (isso porque na infância, a quantidade de linfa no organismo é menor, e o sistema linfático consegue trabalhar adequadamente).

O problema evolui gradualmente. No início, por exemplo, a pessoa pode notar inchaço no pé e calçados mais apertados ao fim do dia, além de depressões bem marcadas na pele da região após o uso de algum sapato específico. Na maioria dos casos, há uma melhora ao deitar com os membros inferiores para cima.

Contudo, com o tempo, o distúrbio fica mais acentuado e não pode ser amenizado tão facilmente.

Leia também: Gordura localizada nas pernas? Pode ser sintoma de lipedema

Linfedema secundário

Mais frequente que o primário, o linfedema secundário pode acontecer depois de uma cirurgia, principalmente depois do tratamento de algum câncer em que os linfonodos e os vasos linfáticos são removidos ou submetidos à radioterapia. Por exemplo, o braço tende a inchar após a remoção de um câncer de mama e dos linfonodos do local.

Além disso, uma parcela menor de pessoas pode desenvolver o linfedema secundário depois de infecções repetidas na região causadas pelo parasita Filaria. Nessa condição, a pele pode ficar grossa e enrugada, lembrando um elefante — daí o nome elefantíase.

Diagnóstico do linfedema

Ele ocorre basicamente por meio dos sintomas apresentados pelo paciente, que se resumem a:

  • Inchaço em um dos membros;
  • Dor, formigamento ou desconforto;
  • Além disso, sensação de peso no membro inchado;
  • Alterações na textura da pele;
  • Diminuição da flexibilidade do local;
  • Por fim, roupas e sapatos apertados sem ganho de peso.

Em algumas situações, o médico pode solicitar exames de imagem para determinar o local afetado.

Leia também: Como acabar com a celulite? Lista de alimentos de desinflamam o corpo

Tratamento do linfedema

A enfermidade não tem cura, mas algumas medidas ajudam a evitar o acúmulo de linfa. Como:

Drenagem linfática manual

Indicada para casos leves, consiste em elevar o membro afetado e massageá-lo para drenar o líquido.

Exercícios específicos

Assim como as meias e as luvas de compressão, estimulam a circulação e podem ajudar.

Cirurgias

Em quadros graves, a intervenção cirúrgica retira os tecidos inchados sob a pele para formar novos canais de drenagem linfática.

Referência: Manual MSD; James D. Douketis, Linfedema. Novembro de 2020. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-do-cora%C3%A7%C3%A3o-e-dos-vasos-sangu%C3%ADneos/dist%C3%BArbios-do-sistema-linf%C3%A1tico/linfedema.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.