Dores nos glúteos sinalizam problemas na coluna, diz especialista

Saúde
17 de Abril, 2024
Dores nos glúteos sinalizam problemas na coluna, diz especialista

Uma dorzinha aqui, um desconforto ali e, de repente, atividades cotidianas (como sentar ou se inclinar) se tornam um desafio. Essa é a realidade de muitos que sofrem com dores nos glúteos, sem saber que, por trás desse incômodo, pode estar uma questão mais complexa envolvendo a coluna e o nervo ciático.

Um levantamento realizado pelo Ministério da Previdência Social em 2023 revelou que mais de 2,5 milhões de brasileiros foram afastados do trabalho por problemas de saúde ligados diretamente à coluna vertebral. A hérnia de disco lombar, responsável por 51.453 casos de benefícios por incapacidade temporária, lidera as causas, seguida pela lombalgia com 46.964 casos.

Esses números são a tradução de um problema de saúde que começa com sintomas cotidianos, como as dores nos glúteos, e pode escalar para questões mais graves, evidenciando a importância de não subestimar as primeiras manifestações e buscar avaliação e tratamento adequados. Um exemplo comum é o de profissionais que passam longas horas usando salto alto, como vendedoras de lojas de moda, que frequentemente relatam dores lombares e nos glúteos após um dia de trabalho.

Leia também: Dor nas costas ao correr? Veja os motivos e como evitar incômodo

Dores nos glúteos e problemas na coluna

Luciano Miller, médico especialista em cirurgia da coluna, esclarece que os sintomas podem ser mais abrangentes do que se imagina. “A dor que irradia da região lombar até a parte posterior da coxa e da perna, sensação de formigamento ou dormência e dor que piora ao sentar são sintomas comuns”, afirma, ressaltando a importância de um diagnóstico precoce para evitar complicações futuras.

A relação entre o estilo de vida e a saúde da coluna também é um ponto de destaque. Aspectos como postura no ambiente de trabalho e o uso frequente de salto alto surgem como fatores contribuintes para a piora dos problemas de coluna. “Permanecer sentado por longos períodos em uma postura inadequada pode aumentar a pressão sobre a coluna vertebral”, alerta Miller.

Apesar de frequentemente negligenciadas, essas dores podem gerar quadros mais sérios e incapacitantes. Segundo o ortopedista e cirurgião de coluna do Hospital Albert Einstein, o objetivo deve ser não somente tratar, mas também prevenir o agravamento das condições que comprometem o dia a dia do paciente.

“A prevenção é fundamental para evitar que sintomas iniciais, como dores nos glúteos, evoluam para condições mais sérias, como hérnia de disco. Recomendamos exercícios regulares de fortalecimento e alongamento, além de cuidados com a postura, para manter a saúde da coluna em dia”, explica.

Leia também: Yoga para a lombar: posturas que fortalecem e aliviam a região

Dores nos glúteos e coluna: tratamento

Para o especialista, uma abordagem multidisciplinar, que inclui avaliação médica, fisioterapia e modificações no estilo de vida, é muito importante. Afinal, entender as dinâmicas que ligam as dores nos glúteos a problemas mais complexos na coluna e no nervo ciático abre caminho para intervenções mais eficazes e melhoria na qualidade de vida dos afetados.

“É imprescindível que o tratamento seja personalizado, considerando as necessidades específicas de cada paciente. Assim, podemos oferecer aos pacientes um plano de tratamento personalizado que não só alivia a dor, mas também previne seu reaparecimento, promovendo uma saúde duradoura da coluna”, explica.

O médico também enfatiza a importância de atividades físicas e ergonomia adequada como medidas para mitigar o risco de problemas na coluna. “Exercícios de fortalecimento do core e alongamentos específicos podem ajudar a prevenir a compressão dos nervos e aliviar os sintomas”, sugere Miller.

Portanto, fica o alerta: prestar atenção às dores nos glúteos pode ser o primeiro passo para desvendar e tratar problemas mais sérios na coluna e no nervo ciático. Com a orientação profissional e a adoção de um estilo de vida mais saudável, é possível não apenas aliviar esses sintomas, mas também prevenir complicações futuras. Afinal, cuidar da nossa coluna vai além do conforto imediato, é um investimento na qualidade de vida a longo prazo.

Leia também: Hábitos do dia a dia que causam dor na coluna lombar

Outras dicas

  • Mantenha a postura correta: certifique-se de manter a coluna alinhada ao sentar, ficar de pé ou caminhar;
  • Fortaleça o core: ou seja, pratique exercícios que fortaleçam os músculos abdominais e lombares;
  • Faça alongamentos: incorpore rotinas de alongamento para aumentar a flexibilidade da coluna e músculos adjacentes;
  • Use calçado confortável: evite o uso prolongado de salto alto e opte por sapatos que ofereçam suporte adequado;
  • Ajuste seu ambiente de trabalho: certifique-se de que sua estação de trabalho seja ergonômica, com monitor na altura dos olhos e cadeira ajustável;
  • Levante objetos corretamente: dobre os joelhos e use a força das pernas, mantendo o objeto próximo ao corpo;
  • Limite o tempo sentado: levante-se e movimente-se regularmente para evitar a pressão prolongada na coluna;
  • Pratique atividade física regular: escolha exercícios de baixo impacto, como caminhada ou natação, para manter a saúde geral do corpo;
  • Durma bem: use um colchão e travesseiros que suportem a coluna adequadamente;
  • Mantenha um peso saudável: o excesso de peso pode aumentar a pressão sobre a coluna, portanto, mantenha uma dieta balanceada e saudável.

Fonte: Luciano Miller, médico especialista em cirurgia da coluna.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante

Mortes por AVC
Saúde

Mortes por AVC podem ser associadas às temperaturas extremas

Mais de meio milhão de pessoas tiveram AVC relacionados às temperaturas extremas – muito calor ou muito frio