Correr causa flacidez no rosto? Entenda se é verdade ou mito

16 de dezembro, 2021

Quando o assunto é flacidez, existem muitos mitos acerca do tema. Especialmente em relação à corrida, surge a dúvida: correr causa flacidez no rosto?

Em primeiro lugar, a flacidez diz respeito a um processo normal do ser humano. Assim, é a perda da firmeza da pele, que pode estar em excesso e também distribuída desigualmente pelo rosto. “A flacidez leva a uma sensação de derretimento da face, com acentuação do sulco nasogeniano, perda do contorno mandibular e queda do supercílio”, explica a Dra. Luiza Coutinho, cirurgiã plástica especialista em preenchimentos corporais.

Dessa forma, a flacidez ocorre por conta do envelhecimento da nossa pele. “Os três elementos que dão sustentação à pele (músculo, gordura e osso) somados à perda de colágeno e elastina na pele, começam a diminuir com o passar do tempo. Assim, com fatores externos, como alimentação inadequada, exposição solar excessiva, estresse e tabagismo, podem acelerar esse processo” afirma Dr Misael do Nascimento, dermatologista.

Leia também: Peles sensíveis: principais cuidados no verão para evitar manchas

A corrida contribui para a flacidez do rosto?

De acordo com a Dra Luiza, a corrida por si só não deixa o rosto flácido. “O que acontece é que um rosto magro, combinado com a exposição solar prolongada, vai gerar essa aparência de derretimento da face. Contudo, o balanço que acontece durante a corrida não parece ser capaz de causar a flacidez”, diz.

Por outro lado, o Dr Misael ressalta que por conta do baixo índice de gordura dos corredores e o impacto, a corrida pode ser um fator de risco para a flacidez no rosto.

Uma das maiores causas de flacidez no rosto é a exposição solar prolongada e repetitiva. Ou seja, o ideal é evitar correr em lugares abertos sem o uso de protetor solar. 

Dicas de cuidados com a pele antes e depois do treino 

Para evitar a flacidez, é fundamental ter os devidos cuidados com a pele. Veja, então, as dicas dos especialistas:

  • Utilizar protetores solares com FPS maior que 50; 
  • Usar boné ou viseira com proteção contra raios UVB e UVA;
  • Hidratar a pele;
  • Utilizar cremes antioxidantes, como vitamina C;
  • Beber muita água.

Fontes: Dra. Luiza Coutinho – cirurgiã plástica especialista em preenchimentos corporais – CRM: 5295753-4 – ; Dr. Misael Do Nascimento – médico atuante na área de dermatologia com ênfase ao público masculino – CRM: 52.97194-4.

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.