Ácido tranexâmico: o que é, para que serve e como usar?

9 de março, 2022

Existem diversos fatores que colaboram para o surgimento das manchinhas na pele, como a radiação solar, envelhecimento precoce, falta de cuidados, mas também as causas hormonais e genéticas. Por isso, neste artigo, vamos contar tudo sobre o ácido tranexâmico.

Assim, esse ingrediente se tornou muito popular nos últimos anos, principalmente nas composições de cosméticos para a pele. A principal função do ácido tranexâmico é a sua potente ação clareadora que ajuda a diminuir as manchas.

Primeiramente, é preciso saber o que é ácido tranexâmico, um ativo muito usado na medicina, mas que se popularizou por ser recomendado para o tratamento de melasma pela primeira vez no Japão, em 1979.

A partir daí, diversos estudos comprovaram a eficácia desse tipo de ácido no tratamento contra melasma e outros tipos de manchas, como marcas residuais de acne e manchas solares.

De acordo com a Dra. Laís Leonor, dermatologista da clínica Dr. André Braz, esse ácido é um composto hidrofílico capaz de inibir a produção de plasmina — substância liberada sempre que a pele sofre algum machucado, inflamação de acne ou agressão por exposição solar. 

Para que serve

Segundo a dermatologista, essa substância serve para estimular fatores inflamatórios, responsáveis por aumentar a produção de melanina na pele.

“Esse ácido é bastante utilizado em tratamentos dermatológicos que buscam clarear manchas na pele, como melasma, manchas escuras, marcas residuais de acne e manchas causadas pela exposição solar”, informa.

Apesar do ativo ser um queridinho no universo do skincare por conta da sua ação clareadora rápida, na medicina, essa substância é usada para reduzir o risco de hemorragia durante cirurgias e tratar hemorragias associadas à fibrinólise excessiva.

Como usar ácido tranexâmico na pele?

O modo de usar o ácido tranexâmico na pele depende de alguns fatores, da sua rotina de cuidados com a pele e da indicação de um médico dermatologista.

Isso porque a avaliação depende da causa e da aparência das manchas, informações que ajudarão um especialista a prescrever o tratamento mais adequado.

A Dra. Laís Leonor informa que o ácido pode ter diferentes formas de aplicação, como cremes tópicos, injeções intradérmicas e microagulhamento e cápsulas por via oral. 

A medicação oral e realizada com dermocosméticos possuem a função de tratar as marcas existentes e impedir o surgimento de novas.

Já a terapia injetável pode ser feita com um dermatologista, que tem mostrado bastante eficiência na redução do problema.

Benefícios

A aplicação dessa substância ajuda a conter o desenvolvimento das inflamações da pele e traz diversos benefícios que podem ser percebidos no decorrer do tratamento. 

“O ácido tranexâmico pode melhorar a aparência de teleangiectasias, manchas escuras com vasos superficiais, que podem decorrer do melasma, além de ter benefícios no caso das olheiras de causa pigmentada e vascular”, exemplifica a dermatologista. 

Nesses casos, a Dra. Laís Leonor indica o uso da substância por via oral para perceber a melhora na qualidade da pele.

Conversamos também com o Dr Franklin Veríssimo, que confirmou que o ácido tranexâmico é indicado para tratamento de alguns casos de olheiras, principalmente as mistas causadas pela vascularização e pigmentação da pele.

“Os resultados obtidos com esse ativo são considerados eficazes e duradouros, ajudando bastante na redução do surgimento das manchas. Por isso, atualmente, é um dos principais ativos prescritos por dermatologistas”, confirma Dr Franklin. 

Ácido tranexâmico é bom para melasma?

Diversos estudos e pesquisas comprovam que o uso do ácido tranexâmico apresenta ótimos resultados no tratamento contra o melasma. 

Segundo a Dra. Laís Leonor, o melasma é uma doença sem cura caracterizada por manchas hiperpigmentadas que surgem em áreas da pele expostas à luz, principalmente o rosto. 

“O ácido também pode melhorar a aparência de teleangiectasias, manchas escuras com vasos superficiais, que podem decorrer do melasma”, acrescenta a especialista.

O Dr Franklin Veríssimo também confirma que o ácido tranexâmico é um dos mais potentes ativos utilizados no controle do melasma, agindo de forma diferenciada das demais substâncias presentes no mercado.

“Isso porque esse ácido atua de forma eficaz na via inflamatória que está presente no processo de formação dos pigmentos cutâneos, inibindo o estímulo pigmentar proveniente da inflamação. Além disso, as pesquisas mais recentes também provaram que ele atuava sobre os vasos sanguíneos e a neovascularização associado às lesões do melasma”, acrescenta Dr Franklin.

Quando o ácido tranexâmico é indicado?

Enfim, em quais casos o ácido tranexâmico é indicado? Vamos recapitular quando esse ativo é indicado, de acordo com os dermatologistas:

  • Em tratamentos dermatológicos que buscam clarear manchas na pele.
  • Tratamento contra o melasma.
  • Combate às marcas residuais de acne ou manchas causadas pela exposição do sol. 
  • Usado no peeling, técnicas de clareamento da pele, para ajudar no tratamento de manchas.
  • No tratamento das olheiras, principalmente de causa pigmentada e vascular.

Ácido tranexâmico é fotossensível?

Muitas pessoas têm dúvidas se o ácido tranexâmico é fotossensível, ou seja, sensível à luz ou a radiações luminosas. 

Por isso, quem utiliza o ácido tranexâmico para tratamento contra manchas, principalmente aquelas causadas pelos raios solares, tem receio de usar o produto no período da manhã.

Porém, a Dra. Laís Leonor esclarece que esse ácido pode ser utilizado durante o dia, mas ensina como deve ser usado: “é primordial usar um protetor solar com fator de proteção acima de 50 junto do produto, independentemente do tipo de pele”, adverte.

O ácido tranexâmico pode ser injetado?

Como dito pela dermatologista da clínica Dr. André Braz, Dra. Laís Leonor, existem diferentes formas de aplicação do ácido tranexâmico, como cremes tópicos, injeções intradérmicas, microagulhamento e cápsulas por via oral. 

Portanto, é possível encontrar tratamentos injetáveis com esse ácido. Porém, cabe a avaliação em consulta médica com um dermatologista.

Esse tipo de tratamento é realizado e acompanhado pelo médico especialista, que acompanhará o progresso dos resultados. 

Além de injetável, esse ácido pode ser associado à técnica drug delivery, que utiliza um equipamento com microagulhas para realizar pequenas fissuras na pele.

Fonte: Dra. Laís Leonor, dermatologista da clínica Dr. André Braz, e Dr. Franklin Veríssimo, médico formado em Medicina Estética.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.