Protetor solar na gravidez: principais cuidados e riscos

Gravidez e maternidade Saúde
13 de Dezembro, 2022
Protetor solar na gravidez: principais cuidados e riscos

A exposição solar é importante em todas as fases da vida, até porque o sol é a principal fonte de vitamina D. Dessa forma, 80% da formação dessa vitamina provém dos raios solares, principalmente do tipo B (UVB), que ativam a síntese da substância em nosso organismo. No entanto, o uso de protetor solar é fundamental para proteger contra doenças como o câncer de pele. Mas será que as gestantes podem usar protetor solar na gravidez?

Primeiramente, vale destacar a importância do sol na gravidez. De acordo com um estudo da Universidade de Edimburgo, gestantes que receberam mais luz solar no primeiro trimestre da gravidez diminuíram as chances de desenvolver problemas com a placenta, associados ao parto prematuro e ao aborto espontâneo. Mulheres que não tinham esse hábito apresentaram 10% a mais de probabilidade de ter esses riscos.

Entretanto, tão importante como a exposição solar é a forma de se proteger contra seus danos. Um deles é evitar tomar sol entre 10h e 16h, quando a radiação é mais intensa. Veja os riscos e cuidados.

Leia mais: Você sabe o que significa o número de FPS do protetor solar?

Proteção solar na gravidez exige cautela

Usar o protetor solar é essencial, pois ameniza problemas de pele relacionados à gravidez, como o melasma, condição hormonal durante a gestação que causa manchas escuras na pele. O ideal para as grávidas são as loções de amplo espectro, que atuam contra os raios UVA e UVB. Também precisam ter fator de proteção solar (FPS) entre 30 e 50.

“No entanto, a orientação quanto ao uso do protetor solar é imprescindível, já que muitos produtos são contraindicados na gestação”, afirma Carlos Moraes, ginecologista e obstetra.

O especialista aconselha o uso do filtro solar físico ou mineral, composto por moléculas utilizadas em sua composição, geralmente o óxido de zinco e o dióxido de titânio. Além de ser hipoalergênico, ele cria uma barreira na pele, que reflete os raios ultravioleta, impedindo sua absorção pela pele.

Já o filtro solar químico, mais popular entre os protetores solares, possui substâncias químicas que absorvem os raios solares e penetram na epiderme, podendo afetar a gravidez.

Quais os riscos dos protetor solar químico na gravidez

Segundo o estudo The Skin in Pregnancy, publicado este ano no Journal of Cutaneous Medicine and Surgery: Incorporating Medical and Surgical Dermatology; e o estudo Safety of skin care products during pregnancy, publicado no Journal Canadian Family Physician; quase 3/4 de todos os protetores solares não devem ser aplicados pelas gestantes por terem os seguintes componentes:

Oxibenzona

Presente na maioria dos protetores solares químicos, a oxibenzona, combinada a outros componentes químicos, é absorvida pela pele, caindo na corrente sanguínea. A partir daí, a substância pode gerar graves reações alérgicas e prejudicar a produção hormonal, além de estar associada ao baixo peso no nascimento de bebês do sexo feminino.

Retinol

Um dos derivados do ácido retinóico, o retinol é uma molécula química presente em vários produtos dermatológicos, incluindo cremes antirrugas e protetor solar. Nas embalagens do protetor solar, o retinol costuma ser mencionado como palmitato de retinil, acetato de retinil ou linoleato de retinil.

“São substâncias que podem gerar defeitos congênitos em um embrião ou feto, por meio de efeitos tóxicos, causando a má formação de um bebê em desenvolvimento. Além disso, produtos à base de retinóides são fotossensibilizantes e antagonistas ao sol, provocando hiperpigmentação na pele e queimaduras”, reforça Carlos Moraes.

Ureia

De acordo com a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), deve-se evitar produtos solares com ureia durante o período gestacional, principalmente em concentrações superiores a 3%. Isso porque a ureia tem como principal risco na gestação a possibilidade de acarretar a má formação do feto. Para saber se um produto contém essa substância, procure por termos como diazolidinil urea e imidazodinil urea.

Cânfora

Também presente em alguns filtros solares, a cânfora pode imitar o hormônio estrogênio e, em grande concentração, pode aumentar o risco de aborto. Além disso, a substância pode atravessar a placenta e comprometer o desenvolvimento do bebê. Assim como a ureia, a cânfora também é contraindicada pela ANVISA durante a gravidez. Por isso, evite produtos que contenham 4-metilbenzilideno cânfora (4-MBC) e 3-benzilideno cânfora (3-BC) entre seus componentes.

Uso de protetor solar na gravidez e os riscos para o aleitamento

Segundo um estudo realizado pela Universidade de Zurique e publicado na revista da Sociedade Brasileira de Dermatologia, substâncias presentes em alguns tipos de protetores solares são absorvidas pelo organismo e excretadas no leite materno. A taxa de contaminação das lactantes não foi pequena: 85,2% das amostras de leite materno tinham algum resquício de protetor solar.

De acordo com o estudo, três substâncias são particularmente problemáticas: 4-metilbenzilideno cânfora (4-MBC), 3-benzilideno cânfora (3-BC) e octocrileno (OC), também chamadas de poluentes orgânicos persistentes (POPs), que podem permanecer acumulados nos tecidos gordurosos.

Presentes em cerca de 30% dos protetores comercializados no Brasil, estas substâncias expõem bebês a composições químicas com potencial tóxico, comprometendo cérebro, órgãos sexuais, pulmões e inúmeras glândulas que estão em formação.

“Ainda que os riscos não sejam iguais para todas as gestantes, não vale a pena arriscar. Em uma gestação de alto risco, por exemplo, qualquer fator externo minimamente prejudicial pode agravar o quadro da gravidez. Portanto, antes de curtir o verão e as férias, consulte o médico e peça orientações sobre o protetor solar ideal para você”, alerta Carlos Moraes.

Fonte: Dr. Carlos Moraes, ginecologista e obstetra pela Santa Casa/SP, Membro da FEBRASGO e Especialista em Perinatologia pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Einstein, e em Infertilidade e Ultrassom em Ginecologia e Obstetrícia pela FEBRASGO, além de médico nos hospitais Albert Einstein, São Luiz e Pro Matre.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

foto de uma caderneta de vacinação com uma seringa
Saúde

Caderneta de vacinação em dia ajuda a evitar surtos de doenças

Especialistas alertam que a vacinação é um pacto de saúde coletivo

Chá de folha de mamão e dengue
Saúde

Chá de folha de mamão e dengue: é falso que bebida combate a doença

Não existem evidências científicas de que a bebida possui propriedades medicinais no tratamento da doença

vitamina B e dengue
Saúde

Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Sem comprovação científica, a técnica popular pode levar a população a uma falsa sensação de segurança