Peeling de fenol: tratamento para rugas pode afetar coração, fígado e rins

Beleza Bem-estar
04 de Outubro, 2022
Peeling de fenol: tratamento para rugas pode afetar coração, fígado e rins

O peeling de fenol é há tempos uma opção para quem busca acabar com as rugas do rosto, conseguindo com apenas uma sessão rejuvenescer a pele em anos.

Apesar de parecer uma mágica, contudo, o tratamento se tornou bem polêmico. Isso porque o ácido fénico é uma substância muito agressiva e que pode causar uma série de problemas de saúde caso seja aplicada da maneira errada.

Para entender como o método funciona e quais são os seus riscos, consultamos o dermatologista Bruno Lages, de São Paulo. Confira!

Leia também: Flacidez e rugas no rosto: veja cuidados e dicas de como evitar

O que é o peeling de fenol?        

O peeling de fenol, segundo Lages, é um peeling químico que age de modo profundo na pele, através de uma aplicação única do ácido fénico.

Por ser uma substância bastante corrosiva, sua ação causa uma descamação intensa, com a formação de crostas no rosto para a troca por uma pele nova.

“Como atinge a derme, o fenol estimula a formação de novos colágenos e a renovação celular. Portanto, ele é indicado apenas para peles muito envelhecidas e claras, ou quando outros procedimentos mais leves não fizeram efeito”, ele explica.

Leia também: Estudo diz que comer amêndoas todos os dias pode melhorar as rugas

Desta forma, o profissional reforça que o método só deve ser feito após a indicação de um dermatologista ou cirurgião plástico, e apenas se outros tipos de tratamentos menos invasivos não tenham surtido efeito.

“É imprescindível procurar um profissional especializado na técnica antes de fazer.”

Leia também: Camadas da pele: quais são elas e qual a função de cada uma?

Como o peeling de fenol é feito?

Trata-se de um procedimento bem delicado e, por isso, é preciso que seja feito em uma clínica ou em um hospital.

“Nesses espaços, há equipamentos para acompanhar as condições do coração do paciente, já que a substância pode causar arritmia cardíaca”, ressalta o dermatologista.

Leia também: Arritmias cardíacas: quais são as causas, os sintomas e os melhores tratamentos

Antes de iniciar a aplicação do ácido, o rosto precisa estar limpo e sem gordura para receber o produto.

“Ele é aplicado com uma espátula ou uma gaze, em movimentos controlados. Isso porque, se a substância penetrar muito rápido na pele, ela pode causar uma intoxicação”, diz Lages.

E completa: “O fenol é passado em áreas divididas no rosto e a cada aplicação é preciso esperar até 20 minutos para que a substância seja metabolizada”.

Leia também: Saiba quais são os benefícios dos ácidos para a pele do rosto

Riscos do procedimento

De acordo com o médico, o peeling de fenol é um procedimento muito agressivo, pois atinge as camadas mais profundas da pele. Sendo assim, o ácido pode causar alterações no coração, no rim e no fígado.

“São casos incomuns, decorrentes de um procedimento feito por um profissional não qualificado e de forma inadequada”, afirma o médico.

Leia também: Ácido salicílico: o que é e como usar na rotina de cuidados com a pele?

Por ser um método delicado, é necessário que o paciente se prepare física e psicologicamente antes do tratamento, além de ter um acompanhamento médico e monitoramento cardíaco durante todo o processo, para o caso de possíveis complicações.

“A pessoa pode levar até três meses para ter uma recuperação. Nesse período, a pele fica vermelha, com sensação de queimação e com inchaço. Além disso, podem surgir infecções, manchas temporárias e cicatrizes queloides”, aponta Lages.

“Já os resultados podem demorar até seis meses para começarem a aparecer. Isso porque, mesmo após a descamação da pele, a face pode continuar sensível e com aspecto de vermelhidão por um tempo.”

Leia também: Ácido mandélico: como usar o ativo que se tornou queridinho do peeling químico

Contraindicações

O procedimento é contraindicado para pacientes com problemas no coração, nos rins, no fígado ou que tenham doenças autoimunes graves, além de pessoas com tendência a terem cicatrizes queloides ou que estejam com infecções ou lesões na pele.

“Ele também não é bom para pessoas com tendências ao estresse físico e mental. Por isso, a avaliação é essencial antes de fazer o procedimento, inclusive para definir se não existem alternativas menos invasivas”, explica o médico.

Leia também: Beta-hidroxiácido (BHA): o que é e como ele age na pele do rosto

Cuidados antes e depois do peeling

Antes de partir para o peeling, o paciente terá que usar cremes à base de ácido retinóico, hidroquinona e corticoide leve.

“Ele também terá que tomar antivirais por via oral, pois o ácido remove a camada da pele para que nasça uma nova e, nesse processo, há o risco de infecções e de aparecimento de herpes”, alerta Lages.

Além disso, outro cuidado bem importante é evitar passar por qualquer procedimento estético e não fazer esfoliação na pele.

Já após a sessão do tratamento, o médico diz que é recomendado fazer o uso de antibióticos e anti-inflamatórios, além de ficar em casa no primeiro mês, enquanto a pele está em processo de cicatrização.

Leia também: Alfa-hidroxiácidos (AHA): saiba quais são os benefícios desses ácidos para a pele

“A alimentação saudável também é muito importante para melhorar a imunidade durante esse processo longo e doloroso de recuperação.”

Por fim, em todo o percurso do procedimento, deve-se evitar a exposição ao sol e sempre usar o protetor solar no rosto, porque após o procedimento a pele fica mais fina e sensível.

“E não se esqueça: o ideal é procurar um profissional para avaliar e ver se há necessidade de passar pelo procedimento, assim como passar as devidas orientações para seu caso”, finaliza.

Fonte: Bruno Lages, médico dermatologista da Clínica Dr. Otávio Macedo & Associados, de São Paulo.

Sobre o autor

Ana Paula Ferreira
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em beleza e bem-estar.

Leia também:

benefícios da banana
Alimentação Bem-estar Saúde

10 benefícios da banana que provavelmente você não conhece (mais receitas)

A banana é amiga do intestino, além de ser eficiente na prevenção de cãibras. Veja outros benefícios da fruta!

mulher fazendo o exercício peck deck na academia
Bem-estar Movimento

Peck deck (voador): o que é, para que serve e como fazer o exercício

Entenda quais músculos o peck deck aciona, como executar corretamente e quais exercícios podem substituí-lo nos dias mais cheios da academia

perda muscular
Bem-estar Movimento Saúde

Perda muscular compromete a recuperação do paciente  

A sarcopenia, a perda de massa muscular e da força, aumenta o risco de complicações em diversos quadros