Isolamento com gripe: qual o período indicado?

15 de março, 2022

A pandemia de Covid-19 nos trouxe novos hábitos de saúde. Se antes quase ninguém falava sobre isolamento social, após o surgimento do coronavírus, descobrimos que essa é uma das melhores formas de evitar a transmissão da doença. Mas será que esse comportamento também deve se estender para outras doenças transmissíveis, como a gripe? Saiba se é preciso fazer isolamento com gripe e quantos dias são necessários para barrar a transmissão.

Leia mais: Vacina da gripe precisa ser reaplicada todos os anos: saiba por quê

Devo fazer isolamento com gripe?

Quem tem sintomas leves de gripe deve sim fazer isolamento. No entanto, diferentemente da Covid, ele é menor: de 3 dias para pessoas sem sintomas graves. No entanto, caso tenha febre, a quarentena só deve terminar 24 horas após o desaparecimento desse sintoma. 

Além disso, pacientes mais graves, que estejam internados ou apresentem sinais de gravidade, devem ficar isolados por pelo menos sete dias. Já o Conselho Regional de Farmácias do Estado de São Paulo é ainda mais rígido. Segundo o órgão, o tempo de incubação do vírus causador da gripe pode chegar a até 14 dias no caso das crianças e de até sete dias, nos adultos. Por isso, a recomendação é que as pessoas se isolem por esses períodos, mesmo com sintomas leves.

Como ocorre a transmissão

A gripe é um vírus respiratório, ou seja, a transmissão ocorre de forma semelhante como acontece com o coronavírus. Dessa forma, é possível pegar a gripe por meio de gotículas expelidas pela tosse, espirro ou fala de pessoas infectadas. Além disso, é ainda mais comum contrair influenza ao tocar em superfícies contaminadas.

Sintomas

Os principais sintomas da gripe são:

Em alguns casos, pode haver vômito e diarreia, sendo essas manifestações pouco frequentes e mais comuns em crianças.

Isolamento com gripe e vacina ajudam na prevenção

A vacina contra Influenza é a melhor maneira de prevenir a gripe H3N2. Dessa forma, ela é recomendada para todas as pessoas com 6 meses ou mais, inclusive crianças maiores e adolescentes. Além disso, todos os profissionais de saúde também devem receber a vacina anual, pois ela ajuda a reduzir os riscos relacionados à transmissão do vírus.

Além da vacina e do isolamento social no período recomendado, outras maneiras de se prevenir da infecção são lavar sempre as mãos e frequentar ambientes ventilados, além de medidas que se assemelham àquelas adotadas para prevenção da covid-19: uso de máscara e álcool em gel.

Leia mais: Razões para se vacinar contra a gripe, segundo especialistas

Tratamento

O tratamento mais apropriado inclui boa hidratação e repouso. Além disso, remédios analgésicos e anti-térmicos como paracetamol e dipirona podem ser usados para aliviar os sintomas.

Pessoas com alto risco de complicações, como crianças abaixo de 5 anos, idosos, gestantes e portadores de asma, diabetes ou doença cardíaca, por exemplo, devem consultar um médico para avaliar tratamento com antiviral.

Gripe H3N2 e Covid-19: como diferenciar?

A principal semelhança entre as doenças se dá na transmissão: ambas passam pelo ar. Nesse sentido, a gripe H3N2 possui sintomas semelhantes aos da Covid. Por isso, é comum confundir as duas doenças. Para diferenciá-las, é preciso realizar um exame PCR para ter certeza do vírus responsável pela infecção.

Apesar de terem sintomas semelhantes, a gripe tem taxa de letalidade menor, entre 0,1% e 0,2%, enquanto a Covid tem entre 1% e 2%. A diferença também se dá na gravidade dos sinais iniciais da gripe, pois eles são mais fortes do que os apresentados pelas pessoas com Covid que já receberam vacinas.

Leia mais: Agende sua vacina contra a gripe

Fonte: Sociedade Brasileira de Infectologia e Conselho Regional de Farmácias do Estado de São Paulo.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde