Razões para se vacinar contra a gripe, segundo especialistas

7 de março, 2022

O Brasil é mundialmente conhecido como um dos países mais preparados para campanhas vacinais. O histórico de imunizações por aqui, inclusive, não é recente: começou em 1804, com a vacina contra a varíola. Quase 30 anos mais tarde, a imunização contra a doença se tornou obrigatória, o que colaborou muito para a redução de casos da doença, além de avanços com novas vacinas para os mais diferentes tipos de doenças. Em 1999, por exemplo, o Brasil deu início a Campanha Nacional Contra a Gripe. Depois de 20 anos, conversamos com especialistas sobre as razões para se vacinar contra a influenza. Confira!

Leia mais: Posso tomar a vacina da gripe com menos de 1 ano de intervalo? Especialista responde

Mas afinal, o que é gripe?

A gripe H3N2, um subtipo do vírus influenza do tipo A, é uma das principais responsáveis por gripes e resfriados. Com característica sazonal, o vírus costuma circular durante o ano todo, nas diversas regiões do mundo, principalmente no outono e inverno.

O vírus H3N2, que é facilmente transmitido de pessoa para pessoa por meio de gotículas expelidas pela tosse, espirro ou fala, surgiu em Hong Kong, na década de 1960. Em 2021 surgiu a variante Darwin, responsável pelo aumento do número de casos no Brasil.

A gripe é um vírus respiratório. Dessa forma, é possível pegar a doença por meio de gotículas expelidas pela tosse, espirro ou fala de pessoas infectadas. Além disso, é ainda mais comum contrair influenza ao tocar em superfícies contaminadas.

Principais sintomas da gripe

Os principais sintomas da gripe H3N2 são:

  • Febre alta – acima dos 38º – e súbita
  • Constipação nasal 
  • Dor de garganta
  • Espirros
  • Coriza
  • Dor no corpo
  • Calafrios
  • Tosse
  • Dor nas articulações
  • Dor de cabeça
  • Moleza

Além disso, em alguns casos, pode haver vômito e diarreia, sendo essas manifestações pouco frequentes e mais comuns em crianças.

Razões para se vacinar: A importância do imunizante contra a gripe

Cerca de 1 bilhão de pessoas são infectadas pela gripe anualmente, sendo que de 3 a 5 milhões desenvolvem formas mais graves, aumentando a suscetibilidade a pneumonia, infarto agudo do miocárdio e AVC. Por isso, a vacina é a forma mais eficaz de se proteger contra a infecção e suas complicações.

Embora as medidas de distanciamento em decorrência da pandemia de COVID-19 tenham colaborado para reduzir a circulação da doença, num contexto de retomada das atividades, a adesão da vacinação contra a gripe se torna ainda mais importante.

Isso porque altas coberturas vacinais trazem ganhos que vão além da proteção individual e coletiva de grupos considerados vulneráveis, já que qualquer pessoa pode contrair a doença, desenvolver sintomas mais ou menos graves e transmitir para pessoas à sua volta. Nesse contexto, aumentar a cobertura vacinal e obter uma proteção ampliada ganha ainda mais relevância. 

Por isso, alertar, conscientizar e incentivar a vacinação e as razões para se vacinar são os pilares fundamentais para redução do impacto da doença e dos riscos associados.

Especialistas listam razões para se vacinar

Evita doenças respiratórias

A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório, de acordo com a Dra. Lorena de Castro Diniz, Coordenadora do Departamento Científico de Imunização da ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia). “É de elevada transmissibilidade e pode causar sintomas leves a sintomas graves, principalmente nos extremos de idade, devido às diferenças do sistema imunológico das crianças e idosos e de pacientes com comorbidades”, explica.

Dessa forma, a especialista explica que a melhor ferramenta de proteção que temos hoje contra a gripe é a vacinação, que previne, inclusive, outras doenças: “Além da síndrome respiratória aguda, a infecção por influenza pode levar à descompensação de doenças de base como asma, cardiopatias, bem como complicações pulmonares e cardíacas importantes. Hoje, com a vacinação, conseguimos conferir uma proteção contra a infecção e o adoecimento grave do paciente”, completa.

Protege toda a população, especialmente quem faz parte de grupos de risco

O Dr. Eduardo Cavalheiro Simões, Coordenador Médico da Pediatria do São Cristóvão Saúde, explica que “apesar dos sintomas serem leves e autolimitados na maioria das vezes, é importante que a população se vacine contra a gripe anualmente, pois só assim, protegemos os mais vulneráveis, como crianças, gestantes, idosos e pacientes com doenças crônicas (deficiência imunológica, diabetes, doenças cardíacas, pulmonares ou renais)”.

O especialista destaca ainda que é fundamental continuar com os hábitos de higiene, como lavar as mãos e passar álcool em gel, além de manter os locais bem arejados. 

Vacinas salvam 3 milhões de pessoas por ano

De acordo com a Dra. Karen Mirna Loro Morejón, infectologista no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, as vacinas salvam cerca de 3 milhões de pessoas por ano. “Ao lado das melhorias sanitárias, em particular da água tratada, nada trouxe tantos avanços em benefício da saúde humana quantos as vacinas, por isso é tão relevante que as pessoas estejam vacinadas com os imunizantes indicados para sua faixa etária”, afirma

Além disso, até pouco tempo atrás, afirma a especialista, muitas pessoas gostariam de ter tido a chance de se vacinar e não puderam. “Muitas não sobreviveram a algumas infecções e outras tantas ficaram com sequelas permanentes. Por isso, procure uma unidade de saúde e cheque a caderneta de vacinação. Faça esse bem por você, por sua família, por seus amigos e pela comunidade”, completa.

Fortalece o sistema imunológico

Paulo Junior, professor de educação física, também lista algumas razões para se vacinar. Segundo ele, toda vacinação tem como propósito fortalecer o sistema imunológico do indivíduo contra determinados agentes causadores de doenças. “Essa exposição prévia que é feita durante a vacinação vai fazer com que o corpo não seja pego desprevenido quando for acometido por alguma doença”, alerta.

O profissional reforça ainda a importância da vacinação. “As campanhas de vacinação são importantes porque fazem com que a população fique protegida contra esses agentes que vão promover essas doenças. Não é só uma coisa individual: é pensar no bem como um todo”, completa. Fazendo isso, evita-se que esses agentes sofram mutações, se desenvolvam e fiquem ainda mais perigosos no futuro. 

Ainda de acordo com Paulo, a prática de atividade física é essencial para prevenir a gripe: “O indivíduo que está mais preparado, que pratica atividade física ou que tem relação com algum tipo de exercício regular responde melhor às vacinas, pois tem o sistema imunológico mais fortalecido”, finaliza. 

Mais razões para se vacinar

Além dos motivos já listados pelos especialistas, confira outras razões para se vacinar contra a gripe:

  • As vacinas trarão proteção contra a nova cepa H3N2 Darwin;
  • As flexibilização das medidas restritivas e inverno trarão maior risco de contaminação;
  • Protege mulheres grávidas, que deram à luz recentemente e bebês;
  • A vacina contra gripe é considerada segura;
  • Evita casos graves, além de internações e óbitos. De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina reduz de 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

Quem pode se vacinar contra a gripe?

A vacina contra a gripe é recomendada para todas as pessoas com 6 meses ou mais, inclusive crianças maiores e adolescentes. Dessa forma, crianças de 6 meses a 9 anos de idade devem receber 2 doses quando o imunizante é aplicado pela primeira vez. Já a partir do segundo ano de aplicação, a dose é única.

Além disso, todos os profissionais de saúde também devem receber a vacina anual, pois ela ajuda a reduzir os riscos relacionados à transmissão do vírus.

Leia mais: Agende sua vacina contra a gripe

Fontes: Dra. Lorena de Castro Diniz, Coordenadora do Departamento Científico de Imunização da ASBAI – Associação Brasileira de Alergia e Imunologia; Dr. Eduardo Cavalheiro Simões, Coordenador Médico da Pediatria do São Cristóvão Saúde; Dra. Karen Mirna Loro Morejón, Diretora da SPI (Sociedade Paulista de Infectologia) e Infectologista no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto; Paulo Junior, professor de educação física.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde