O que o grazing, ato de “beliscar” sem fome, diz sobre a nossa saúde mental

Alimentação Bem-estar Equilíbrio
30 de Maio, 2022
O que o grazing, ato de “beliscar” sem fome, diz sobre a nossa saúde mental

É comum sentirmos vontade de “beliscar” algum alimento entre as refeições de vez em quando, e isso pode acontecer por diversos motivos: almoço que não foi suficiente, ansiedade, nervosismo, snacks fáceis de acessar… Contudo, adotar o hábito de forma compulsiva tem um nome: grazing.

O que é o grazing?

De acordo com o psicólogo Alexander Bez, o grazing é considerado um transtorno alimentar. Nele, a pessoa tem a necessidade de consumir alimentos constantemente ao longo do dia.

“Essas ingestões normalmente são quantidades pequenas, mas padronizadas. Trata-se de uma ação essencialmente obsessiva-compulsiva de aspecto inconsciente. Ou seja, não há intenção na ação, é como se ela acontecesse naturalmente”, complementa o especialista.

Leia também: Como parar de beliscar durante o dia?

Quando o grazing é um sinal de alerta

Como já dito anteriormente, sentir vontade de beliscar uma coisinha ou outra de vez em quando não é um problema. O sinal de alerta está nas consequências que esse ato pode trazer se adotado com frequência — ou, então, descontroladamente.

Por isso, vale prestar atenção a alguns sinais e sintomas que podem acompanhar:

  • Sensações de estufamento e/ou mal-estar, geradas pelo excesso de alimentação;
  • Baixa autoestima;
  • Sentimentos depressivos ou ansiosos;
  • Estresse excessivo;
  • Histórico de transtornos alimentares;
  • Culpa depois do consumo do lanchinho.

Leia também: Food shaming: o que é e por que pode prejudicar a sua relação com a comida

Como lidar ou prevenir?

Primeiramente, Alexander Bez explica que é preciso identificar os motivos que levaram a pessoa a beliscar compulsivamente. Isso pode ser feito com a ajuda da psicoterapia, que também é uma grande aliada no tratamento dos gatilhos. Em alguns casos, também pode ser necessário um acompanhamento com um psiquiatra, com o possível uso de medicamentos.

“Quando o estresse e a ansiedade estão presentes na rotina do paciente, compulsões alimentares (como o grazing) aparecem, e há a tentativa de compensar esses sentimentos por meio da ingestão de frituras, doces e itens calóricos. Isso se dá principalmente porque o cortisol [conhecido como hormônio do estresse] foi lançado na corrente sanguínea, demandando essa ingestão energética e favorecendo o transtorno”, explica o psicólogo.

Por isso, é importante também adotar hábitos em prol da saúde mental. O que inclui a prática regular de atividade física, sono de qualidade, reforço da vida social, entre outros. Além disso, vale fazer trocas mais saudáveis na hora de beliscar: frutas, castanhas e chips de coco (sem açúcar) costumam ser melhores do que salgadinhos e sobremesas industrializados.

Fonte: Alexander Bez, psicólogo, especialista em Relacionamentos pela Universidade de Miami (UM), em Ansiedade e Síndrome do Pânico pela Universidade da Califórnia (UCLA) e em Saúde Mental.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Dia dos Pais fondue saudável
Alimentação Bem-estar Receitas

Fondue saudável: confira algumas substituições mais equilibradas!

Quando as temperaturas caem, uma noite de fondue é uma excelente pedida

chocolate quente fit
Alimentação Bem-estar

Chocolate quente fit é opção saudável para festa junina. Veja receitas!

Nessa época, algumas comidas ganham protagonismo, como caldos, bebidinhas quentes e doces típicos. Veja como fazer um chocolate quente fit!

Por quanto tempo devo tomar ômega
Alimentação Bem-estar

Por quanto tempo devo tomar Ômega 3?

Muitas pessoas se perguntam: Por quanto tempo devo tomar ômega 3? Veja recomendações importantes sobre o consumo prolongado