Dieta vegana e queda de cabelo: o que comer e dicas de cuidados

Alimentação Beleza Bem-estar
01 de Novembro, 2022
Dieta vegana e queda de cabelo: o que comer e dicas de cuidados

Muitas pessoas acham que há uma relação entre a dieta vegana e queda de cabelo. Mas, afinal, isso faz algum sentido?

De acordo com a dermatologista Jaqueline Zmijevski, cerca de 85% do cabelo é formado de queratina, que é uma proteína. É por isso, então, que seu consumo é tão importante para fios saudáveis.

“A queda vai depender muito mais dos macros e micronutrientes que o paciente consome do que se ele é de fonte animal ou vegetal”, ela explica.

A seguir, a médica fala sobre a relação entre a dieta vegana e a queda de cabelo e dá dicas de cuidados para evitá-la.

Leia também: Dieta vegana: O que é e como fazer da forma certa

Dieta vegana e queda de cabelo: qual é a relação?

Jaqueline explica que o cabelo é um tecido de excreção formado de aminoácidos sobressalentes para essa função. A proteína, por sua vez, é formada por um conjunto de aminoácidos.

“Se não houver a sobra de aminoácidos na dieta, não há boa síntese de queratina. Além disso, minerais como ferro e zinco, além de vitaminas do complexo B, também participam da manutenção da saúde do cabelo”, ela aponta.

Leia também: Veja 5 motivos para ter uma dieta vegana

As principais fontes de proteínas são as carnes, os peixes, as aves e os laticínios, que têm os aminoácidos essenciais, ou seja, os que o corpo não consegue produzir.

“As proteínas das fontes animais têm alto valor biológico. Elas contam com os nove aminoácidos essenciais (triptofano, fenilalanina, leucina, valina, isoleucina, lisina, treonina, metionina e histidina)”, explica.

E continua: “No caso das fontes vegetais, contudo, elas têm que ser combinadas para garantir os aminoácidos essenciais”.

Proteja seus lábios no frio

O que comer na dieta vegana para ter fios saudáveis

Quando pensamos em construção do fio de cabelo, dois aminoácidos são mais relevantes: a metionina e a lisina. Assim, a dieta vegana precisa contar com fontes como feijão, lentilha, brotos, soja, grão de bico, quinoa, amêndoa, nozes, etc.

“O prato tradizional de feijão com arroz, portanto, é uma boa pedida para ter os dois, já que o arroz é rico em metionina e deficiente em lisina, enquanto o feijão é rico em lisina e deficiente em metionina”, afirma a médica.

Além das proteínas, outro ponto a considerar em dietas veganas é o consumo de ferro.

“Ele é o mineral que tem mais relação com a queda de cabelos, principalmente para as mulheres, que têm maior perda desse nutriente por conta do fluxo menstrual”, explica Jaqueline.

Leia também: Queda de cabelo depois de emagrecer: Entenda a relação

O ferro está em muitos alimentos vegetais. No entanto, sua absorção é muito menor quando vem dessas fontes.

“O ferro de origem animal é até cinco vezes mais absorvido, já que ele está ligado a proteínas. Outro motivo para a dificuldade de absorção do ferro vegetal é a presença de antinutrientes como os fitatos, mas deixá-los de molho entre 8 e 24 horas e o cozimento são estratégias que diminuem a presença de fitatos”, ela esclarece

E continua: “Evitar o consumo de café, chá preto e verde próximo às refeições também otimiza a absorção de ferro. O paciente também pode associar alimentos ricos em Vitamina C, que aumenta a absorção desse mineral”.

No caso do zinco, as principais fontes vegetais são: feijão, amendoim, semente de abóbora e grão de bico.

A Vitamina B12 também é uma preocupação, já que as principais fontes são de origem animal (carnes, ovos e laticínios) e sua deficiência é uma das principais causas de queda capilar em veganos e vegetarianos.

“Nesse caso, suplementos orais ou alimentos enriquecidos podem ajudar. Ambos utilizam vitamina b12 produzida a partir de cultura de bactérias em laboratório”, conta a médica.

Leia também: Saiba 7 mitos e verdades a respeito da dieta vegana

E o que não comer?

A médica ressalta que uma alimentação equilibrada e natural, com menor consumo de ultraprocessados, também pode ajudar no crescimento dos fios.

“Evite aqueles alimentos que ‘simulam’ as proteínas de origem animal, mas são feitos com combinação de plantas e aditivos químicos. Em sua maioria, eles são considerados alimentos ultraprocessados, com adição de substâncias sintetizadas em laboratório (com corantes, aromatizantes, conservantes e aditivos)”, aponta ela.

“Esse processamento é o que torna tais alimentos mais agradáveis ao paladar e similares aos produtos que se propõem a substituir, mas quando consumidos em excesso também podem inflamar o corpo, afetando também a saúde capilar”, finaliza.

Fonte: Jaqueline Zmijevski, dermatologista, do Mato Grosso do Sul. 

Sobre o autor

Ana Paula Ferreira
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em beleza e bem-estar.

Leia também:

foto de um prato colorido com legumes, salada e grãos
Alimentação Bem-estar Receitas

Encontrar receitas vegetarianas é difícil para você? Veja 20 opções!

Aqui na Vitat, você consegue encontrar inúmeras opções de receitas vegetarianas para variar o seu cardápio. Separamos algumas, confira!

5 benefícios da banana
Alimentação Bem-estar

5 benefícios da banana para os atletas

Liberação gradual de energia e recuperação muscular são alguns dos benefícios. Veja outros!