Diabetes descompensada: o que é, sintomas e o que fazer

Saúde
04 de Março, 2022
Diabetes descompensada: o que é, sintomas e o que fazer

A diabetes costuma ser uma doença silenciosa. Dessa forma, 46% dos brasileiros, ou seja, cerca de 8,5 milhões de pessoas, não sabem que têm a doença. Logo, não cuidam do quadro e correm grande risco de sofrer com suas consequências. É o caso da diabetes descompensada

Leia mais: Diabetes tem cura? Veja o que dizem os médicos sobre a remissão da doença

O que é diabetes descompensada?

De acordo com a Dra. Denise Franco, endocrinologista, a diabetes descompensada é diagnosticada quando o paciente apresenta valores de glicemia elevados que se mantêm ao longo do tempo. 

“Podemos ter uma descompensação aguda decorrente de baixa adesão ao tratamento, como omissão da medicação, pouco ou nenhum exercício, ingestão alimentar sem correção adequada, além de infecção ou outras doenças associadas”, explica. 

Embora as metas de tratamento da diabetes sejam individuais, em geral, o ideal é manter a glicemia na faixa de 70-180 mg/dl por um período maior. “Quem tem diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2 e não apresenta hipoglicemia sem sintomas, deve manter seus valores de glicemia acima de 70% do tempo dentro dessa faixa”, explica.

Quais são os sintomas? 

Os principais sintomas da diabetes descompensada são boca seca (causando, consequentemente, mais sede), poliúria, vontade de urinar frequente, emagrecimento, náuseas, dor abdominal, desidratação, cansaço, fraqueza, sonolência e visão turva. “Geralmente, a glicemia de quem está com a condição é acima de 250 mg/dl”, completa a Dra. Denise.

O que fazer caso ocorra? 

Se a glicemia não diminuir, a médica explica que é necessário procurar o serviço médico. Além disso, realizar atividade física quando se está descompensado pode predispor a piora do quadro. “É importante, sempre que possível, medir a glicemia antes da atividade física para garantir sua realização com segurança”, explica. Isso porque o exercício pode ser um grande aliado para evitar a descompensação glicemia crônica e auxiliar no controle da glicemia.

Quais são os riscos da diabetes descompensada e como evitar?  

Se não tratada de maneira adequada, o risco de descompensação aguda pode incluir necessidade de internação em terapia intensiva e, dependendo da gravidade, pode evoluir para risco de óbito. Por isso, é uma situação que deve ser tratada rapidamente.  

Dessa forma, a melhor solução é evitar a diabetes descompensada. Ainda de acordo com a endocrinologista, diante de uma glicemia elevada, a orientação é investigar o que aconteceu para ocasionar a situação e intervir com tratamento médico.

“Deve-se procurar um serviço médico, caso não consiga corrigir a glicemia de maneira adequada. Além disso, também é importante garantir a hidratação de maneira adequada para corrigir a glicemia. Após o tratamento adequado, deverá ser observado a adesão ao tratamento, uso correto da medicação, alimentação, apoio familiar, atividade física e dificuldades socioculturais que possam influenciar na compensação do quadro de diabetes”, completa a médica.

Fonte: Dra. Denise Franco, endocrinologista do Instituto Correndo pelo Diabetes.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde

Leia também:

edema articular
Saúde

Edema articular: o que é, causas e tratamentos

O edema, habitualmente, não é uma doença, mas uma das manifestações de uma outra doença

Arritmias cardíacas
Saúde

Arritmias cardíacas: conheça as causas, sintomas e tratamentos

A estratégia de prevenção da doença inclui controle o peso e a prática de atividade física. Saiba mais

Cardiopatia congênita
Gravidez e maternidade Saúde

Cardiopatia congênita: o que é, tipos, sintomas e diagnóstico

Confira os principais tipos e como são feitos os tratamentos