Corpo queima menos calorias em um treino do que imaginamos, diz estudo

4 de julho, 2022

Muita gente gosta de acompanhar as calorias gastas em cada treino — e, para isso, já existem dispositivos que ajudam a contabilizar a energia despendida a cada sessão, como os relógios inteligentes (smartwatches). Mas você sabia que esse número pode estar exagerado?

Isso mesmo. Um novo estudo descobriu que para cada cem calorias que imaginamos queimar com os exercícios, a maioria de nós, na verdade, não perde nem 72. A pesquisa sobre como a atividade física afeta o nosso metabolismo descobriu que o organismo tende a compensar automaticamente pelo menos um quarto do que gastamos.

Além disso, estar acima do peso promove ainda mais essa supercompensação de calorias. Esse seria um dos motivos que tornam o emagrecimento mais difícil para quem carrega alguns quilos a mais. Mas é claro que outros fatores, como a genética, também contam quando o assunto é queimar calorias e perder peso.

Leia também: Como respirar durante os exercícios físicos? Veja algumas dicas

Calorias por treino: como funcionou o estudo

Diversos artigos anteriores já haviam levantado alguns pontos ligados ao assunto. Uma pesquisa de 2012, por exemplo, chegou à conclusão de que caçadores-coletores africanos, ou seja, pessoas que caminham e correm todos os dias durante horas, gastam aproximadamente o mesmo número de calorias diárias do que homens e mulheres ocidentais e sedentários.

Contudo, ainda faltava um estudo robusto que explicasse essa característica curiosa. Então, diversos cientistas reuniram dados metabólicos de 1 754 adultos e publicaram os resultados em agosto no Current Biology.

Para isso, eles levantaram informações como testes de água duplamente marcada, composição corporal e gasto energético basal de todos os participantes. Em seguida, os pesquisadores usaram modelos estatísticos para calcular se quanto mais exercícios fazemos, mais calorias gastamos.

E o desfecho foi surpreendente: de fato, a maioria das pessoas parece queimar apenas cerca de 72% das calorias adicionais, em média, diante de seus níveis de atividade. E para quem possui taxas mais altas de gordura corporal, essa porcentagem cai para até 50%. Vale ressaltar que o estudo não considerou o consumo alimentar dessas pessoas.

Leia também: Movimentos no trabalho não contam como exercício e trazem riscos

Por que isso acontece?

Os pesquisadores ainda não conseguiram entender como o corpo consegue “economizar” essas calorias dos treinos. Mas eles chegaram a algumas possibilidades: as operações do sistema imunológico (que gastam energia) seriam “reduzidas”; podemos ficar menos agitados e mais preguiçosos depois de treinar, nos movimentando menos; ou, então, alguns processos dentro das células diminuiriam, o que reduziria também o gasto energético.

Referência: Energy compensation and adiposity in humans.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.