Por que não consigo perder a barriga pochete?

Bem-estar Movimento
22 de Março, 2023
Por que não consigo perder a barriga pochete?

A conhecida barriga pochete é motivo de incômodo para muita gente. Aquele volume exagerado na região inferior do abdômen, próximo ao umbigo, muitas vezes é causado pelo excesso de gordura visceral.

Trata-se de um tecido adiposo que envolve os órgãos vitais, como estômago e intestino. E realmente, vale a pena mudar alguns hábitos para diminuir o problema: afinal, ele está relacionado a uma série de condições de saúde, como diabetes, colesterol alto, doenças cardiovasculares e AVC.

Mas quando a barriga pochete aparece mesmo com práticas saudáveis de vida, como alimentação equilibrada e atividades físicas regulares, o que pode ser?

Veve Fit, educadora física especialista em barriga negativa e diástase feminina, explica que essa é uma queixa comum entre seus alunos. “Essa é uma reclamação que eu recebo com frequência. ‘Eu treino, como de forma saudável, faço um monte de exercícios abdominais e a barriga é a última a perder’. O que acontece?”

A seguir, ela elenca outras possíveis causas para a barriga pochete:

Falta de força nos músculos abdominais

De acordo com a profissional, todos nós temos quatro músculos que compõem a parede abdominal. Um deles, o mais profundo, chama-se transverso abdominal. Ele é muito importante, uma vez que é considerado a nossa “cinta natural”.

“O transverso faz com que a nossa cintura fique mais fina e com que a gente consiga reter esse volume abdominal causado pelo aumento da cavidade (gerado, muitas vezes, pelo empurrar dos órgãos internos)”, explica.

Aí, já viu: se a gente não fortalece essa estrutura (e a região como um todo), a barriga fica mais avantajada, mesmo se o percentual de gordura corporal for baixo.

Para acabar com o problema, Veve recomenda apostar em treinamentos que focam no transverso (como o vacuum) em vez de exagerar nos abdominais comuns.

Má postura piora a barriga pochete

A má postura no dia a dia parece ser o mal do século: ela é a grande causa da dor nas costas, condição que atinge oito em cada 10 pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mas não é só o incômodo físico que pode aparecer por conta das posições equivocadas que a gente adota. É só fazer um teste no espelho: ao ficar de lado e com a postura “errada” (isto é, ombros caídos, costas arqueadas e cabeça para frente), você perceberá a barriga maior. Por outro lado, ao ajeitar a postura, verá que ela diminui consideravelmente.

E adivinha qual é o grande fator de risco para a má postura? Isso mesmo, músculos abdominais enfraquecidos!

Leia também: Treino do The Rock: veja o que o astro faz para ter superiores fortes

Respiração errada

Quando respiramos, o diafragma entra em ação. Se ele não é acionado corretamente durante o ato, podemos sentir a barriga expandida. Por isso, Veve Fit explica que o ideal é trabalhar para que a inspiração e a expiração usem bem a caixa torácica — ou seja, a barriga não pode crescer durante o movimento, e sim o peito.

Outro ponto muito importante é saber respirar nos exercícios, principalmente aqueles que exigem muita força (como a musculação). “Muitas vezes, eles podem até piorar o volume abdominal, uma vez que é exercida pressão para fora da barriga”, afirma a especialista.

Portanto, evite movimentos nos quais você não consegue conter a parede abdominal. Por exemplo: quando você faz agachamento, sente que a barriga estufa? Então, tente aprender primeiro como contrair o abdômen e respirar corretamente antes de pegar mais peso.

Diástase abdominal gera a barriga pochete

A diástase atinge sobretudo mulheres que já foram mães. Contudo, pode acometer também homens, crianças, adolescentes, atletas…

Trata-se de um afastamento do reto abdominal (uma estrutura que compreende um par de músculos que atravessam verticalmente o centro da nossa barriga). “Então, como esses músculos se separam, todo o volume do abdômen é projetado para frente. E isso gera um estufamento, uma protusão”, explica a profissional.

Ela complementa que 10% dos casos de diástase exigem cirurgia de correção. Mas a grande maioria (90%) pode ser resolvida com exercícios específicos de reabilitação. O hipopressivo, por exemplo, é um método que envolve práticas de respiração, sucção abdominal e postura para fortalecer a região e diminuir o problema.

Ficou curioso? Veja, então, um movimento que Veve Fit ensina para iniciantes:

Fonte: Veve Fit, educadora física especialista em barriga negativa e diástase feminina.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Remada baixa
Bem-estar Movimento

Remada baixa: para que serve e como fazer?

Comum em treinamento de força, o exercício fortalece os músculos das costas, como o dorso e trapézio

elevação pélvica
Bem-estar Movimento

Elevação pélvica: como fazer, benefícios e substituições

A elevação de quadril, também chamada de hip thrust ou elevação pélvica, é o ótima para trabalhar glúteos e pernas

chá de canela
Alimentação Bem-estar

Chá de canela: para que serve, benefícios e como preparar

A bebida é uma ótima opção para esquentar o corpo — muitos afirmam, ainda, que ela emagrece. Saiba tudo sobre o chá de canela