Adotar um cachorro é passo importante para uma vida mais ativa

Bem-estar Movimento
04 de Março, 2022
Adotar um cachorro é passo importante para uma vida mais ativa

Em meio a rotinas atribuladas, nem sempre é fácil encontrar tempo e disposição para se exercitar. Mas a forma que talvez seja a mais fácil, e mais aprazível, de incluir os exercícios físicos na vida cotidiana passe longe das academias, mas perto dos petshops: adotar um cachorro.

Esta é uma medida oportuna e decisiva para se mexer. Quem adota um cachorro, inevitavelmente vai precisar levá-lo para caminhar todos os dias (a não ser que more em uma casa com grande espaço livre). Assim, esse pode ser o primeiro passo para uma vida fisicamente mais ativa. O benefício é, inclusive, descrito em evidências científicas.

Por que adotar um cachorro?

O médico especialista em Medicina do Exercício e do Esporte, Marcelo Bichels Leitão, cita um estudo publicado em 2019 no periódico científico Scientific Reports, da Nature, que demonstrou que adotar um cachorro pode realmente ajudar a combater o sedentarismo. “Foi feito um levantamento no Reino Unido e mostrou que donos de animais realizam de duas a quatro vezes mais atividade física em comparação com quem não tem um cachorro”, detalha o médico, que também é diretor científico da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

Acima de tudo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda de 150 a 300 minutos semanais de atividade física de baixa a moderada intensidade. Segundo a publicação, os participantes do estudo que já tinham um cão em casa atingiram essa recomendação sem precisar de atividades adicionais.

“O que notamos, ainda, é que o compromisso de levar um cachorro para passear melhora a questão das desculpas dadas para não se exercitar. Mesmo que os passeios aconteçam de forma fragmentada, em pequenos pacotes de caminhada, sabemos que isso funciona”, explica Leitão. O médico lembra ainda que, por mais que a pessoa não faça exercícios mais vigorosos, o pouco que ela consiga se mexer já contribui no combate ao sedentarismo.

Além disso, no plano de ação global da OMS contra o sedentarismo, lançado em 2018, destaca-se a importância de agir em várias frentes — inclusive levando o animal de estimação para dar uma volta pelo bairro.

Adotar um cachorro: benefícios para a saúde

A aptidão cardiorrespiratória, um dos maiores indicadores de saúde de um indivíduo, é uma das primeiras beneficiadas pela nova rotina de movimentação física. “Temos uma pessoa com condicionamento maior e melhoria nos aspectos metabólico e osteomuscular, com menos risco para osteoporose e câncer, e com mais controle da pressão e de marcadores como glicemia, colesterol e triglicerídeos, que respondem muito bem a exercícios de baixa e moderada intensidade feitos de forma regular”, elenca Marcelo.

Entre quatro e oito semanas após o início das caminhadas com um cachorro, o indivíduo pode esperar redução na pressão e nos níveis de açúcar no sangue, por exemplo. Isso é especialmente importante para pacientes com diabetes. “Nem sempre esse ganho é suficiente para curar condições prévias. Mas sempre falo para os pacientes da importância de se intervir em fatores como colesterol, pressão e triglicerídeos. Os ganhos são marcantes”, diz o médico, que ainda lembra de outro ponto importante na decisão: o de adotar um animal. “Falando especialmente da adoção, não podemos deixar de citar o ato de solidariedade e os ganhos para um animal que estava sozinho. Esse é outro aspecto benéfico adicional dentro desse contexto.”

Leia mais: Benefícios de ter animais de estimação para as crianças

Para começar

Primeiramente, caminhadas, em geral de baixa intensidade, feitas por quem não tem nenhuma manifestação de doença, histórico e dado clínico que sugira alguma condição especial, podem ser feitas sem maiores avaliações. “Contudo, se houver o plano de correr com o animal, é preciso um pouco mais de cuidado. Pois exercícios de intensidade elevada em alguém que, eventualmente, tenha algum fator de risco, podem deflagrar algumas situações”, diz o especialista.

Segundo Leitão, pessoas com idades acima de 40-45 anos e com fator de risco para problemas cardiovasculares devem procurar um médico de confiança, de preferência com experiência em exercício, para uma orientação individualizada.

Emagrecer é possível?

Sim, segundo o especialista. Caminhadas feitas de forma frequente aumentam o gasto energético diário. O que não se pode, entretanto, é aumentar a ingestão calórica como recompensa pela atividade realizada. “Quem tem o desejo de perder peso precisa aliar a caminhada à alimentação para ter o resultado esperado”.

Pandemia de Covid-19 e o sedentarismo

Na realidade do consultório médico, Leitão comenta que boa parte dos pacientes acompanhados relatou redução da atividade física durante a pandemia da Covid-19. “Pacientes muitas vezes com pressão e colesterol altos, além de diabetes, que vinham relativamente bem controlados com tratamento medicamentoso e atividade física, tiveram a necessidade de ajuste medicamentoso”, explica. De acordo com ele, mesmo as pessoas que anteriormente alegavam estar paradas por falta de tempo, ainda que a pandemia tenha trazido mais tempo (em função do home office e da diminuição na necessidade de deslocamento), continuavam a usar essa justificativa.

“Para muitos, infelizmente, a atividade física ainda é vista como algo não essencial. Foi preocupante o fato de que, talvez, as mensagens dadas na fase inicial da pandemia tenham sido inadequadas, contribuindo ainda mais para isso. Sabemos que caminhar grandes distâncias ao ar livre, longe de outros e com uso de máscara, não oferecem risco para doenças infecciosas. Vimos que houve o aproveitamento de uma informação pouco apropriada como justificativa para não se exercitar. Claro que é mais fácil fazer esse tipo de crítica com análise retrospectiva, mas a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte sempre orientou o respeito a todas as regras para minimizar as chances de disseminação da doença. Estamos frente a uma pandemia, mas a pandemia do sedentarismo, que também mata, existe há algumas décadas no mundo”, finaliza.

(Fonte: Agência Einstein)

Leia também:

poke é saudável
Alimentação Bem-estar

Poke é saudável? Veja dicas na hora de consumir

Veja dicas de alimentos que não vão interferir no seu objetivo, seja emagrecer ou ganhar massa magra

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas