Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa em 4 de abril

16 de março, 2022

A campanha nacional de vacinação contra a gripe terá início no dia 4 de abril, segundo o Ministério da Saúde. A meta é imunizar cerca de 76,5 milhões de pessoas até o dia 3 de junho, data prevista para encerramento da campanha.

Em nota, o ministério alerta para a importância da vacinação dos grupos prioritários para evitar surtos da doença, pois pode sobrecarregar os serviços de saúde e até levar à morte.

De acordo com Rodrigo Biondi, médico intensivista do Hospital Brasilia/Dasa, a gripe é uma doença infecciosa viral provocada pelo vírus da influenza. É associada a uma mortalidade razoável, especialmente em pacientes portadores de doenças crônicas e respiratórias, além de idosos ou como bebês.

“O contágio na população pediátrica é mais difícil, mas na população adulta e em idosos ocorre facilmente, principalmente em ambientes fechados. Quando o ar não circula, uma pessoa infectada pode contaminar outras. Por isso, a vacinação é super importante e deve ser incentivada, pois consegue reduzir grande parte da morbidade, além de casos graves da doença”, afirmou o especialista.

Leia mais: Afinal, quais são as razões para se vacinar contra a gripe? Especialistas respondem

Como ocorrerá a vacinação contra a gripe e quem poderá se imunizar

A campanha nacional ocorrerá em duas etapas. Dessa forma, na primeira, entre os dias 4 de abril e 2 de maio, serão vacinados idosos com 60 anos ou mais e trabalhadores da saúde. Na sequência, ou seja, na segunda etapa – que vai de 3 de maio a 3 de junho – tem como público-alvo:

  • Crianças de 6 meses até 4 anos, 11 meses e 29 dias;
  • Gestantes e puérperas;
  • Povos indígenas;
  • Professores;
  • Pessoas com comorbidades;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Membros de forças de segurança e salvamento e das Forças Armadas;
  • Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
  • Trabalhadores portuários;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medida socioeducativa
  • Pessoas privadas de liberdade.

Vacinação contra gripe incluirá nova cepa

Ainda de acordo com a pasta comandada por Marcelo Queiroga, 80 milhões de doses da vacina Influenza trivalente estarão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). O imunizante será produzido pelo Instituto Butantan e garantirá eficácia contra as novas cepas, como H1N1, H3N2 e tipo B, por exemplo.

No caso das crianças de 6 meses a menores de 5 anos que já receberam ao menos uma dose da vacina Influenza ao longo da vida, deve-se considerar o esquema vacinal com apenas uma dose em 2022. No entanto, para as crianças que serão vacinadas pela primeira vez, a orientação é agendar a segunda aplicação da vacina contra gripe para 30 dias após a primeira dose.

Vacina da influenza e da Covid podem ser aplicadas no mesmo dia?

As vacinas contra a Covid-19 e contra o vírus influenza poderão ser administradas simultaneamente. Em outras palavras, não é necessário com qualquer intervalo entre os imunizantes, assim como as demais vacinas do Calendário Nacional de Vacinação em pessoas a partir de 12 anos.

No entanto, as crianças de 5 a 11 anos deverão aguardar um período de 15 dias entre a vacina Covid e influenza. Além disso, a prioridade é que esse público receba primeiro a vacina contra o novo coronavírus.

Tomei a vacina contra influenza há menos de 1 ano. Devo tomar novamente?

De acordo com a Dra. Bianca Noleto Ayres Guimarães, infectologista e alergista, é fundamental que todos tomem a vacina da gripe na campanha de imunização de 2022, inclusive quem se vacinou há menos de 1 ano.

“Quem tomou a vacina no final de 2021 ou antes de completar 1 ano do início da campanha de 2022 deve sim receber o imunizante”, afirma. Isso porque, segundo a médica, as vacinas que serão distribuídas na campanha nacional de vacinação de 2022 já incluirão a nova cepa da gripe H3N2, chamada de variante Darwin, responsável pela alta de casos em 2021.

“É importante todo mundo se vacinar novamente. Todo ano, quando inicia-se uma nova campanha, precisamos ir aos postos tomar a vacina, pois além dos imunizantes terem formulações diferentes, a gente sabe que a imunidade não é duradoura, ou seja, a produção de anticorpos e a resposta celular diminui com o passar dos meses”, reforça a especialista.

Leia mais: Agende sua vacina contra a gripe

Fonte: Agência Brasil; Dra. Bianca Noleto Ayres Guimarães, membro do Departamento Científico de Imunização da ASBAI – Associação Brasileira de Alergia e Imunologia.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde